Como fazer mudas de Sucupira – Faveiro – Pterodon emarginatus

Como fazer mudas de Sucupira – Faveiro – Pterodon emarginatus

Nome científico: Pterodon emarginatus.

Nome popular: Faveiro, Sucupira, Sucupira-Branca, Fava-de-sucupira, Sucupira-lisa.

Família: Fabaceae.

Origem: Brasil, Mata atlântica e regiões de cerrado.

Características gerais:

– Trata-se de uma árvore rústica, de médio porte, que poderá ultrapassar 16 metros de altura, nativa em terrenos secos e arenosos.

– Apresenta madeira dura, muito utilizada na indústria madeireira.

– A planta floresce em setembro no início da estação chuvosa. As flores de coloração rosadas, apresentam-se em forma de inflorescências.

– O fruto tipo legume, alado, (asa membranácea para dispersão natural), contém em seu interior, uma única semente protegida pela cápsula fibrosa e envolta em substância oleosa, numa estrutura esponjosa. Os frutos amadurecem em junho-julho.

Clima:

– Trata-se de planta adaptada ao clima Quente: Equatorial, Tropical, Subtropical e, deverá ser cultivada a céu aberto e sol pleno, planta exigente em luminosidade.

Propagação:

– A multiplicação da planta é feita por sementes.

Nota:

–  Aquelas sementes de Sucupira que geralmente são encontradas em lojas de produtos naturais e/ou, raizeiros, que quando são maceradas solta um óleo amargo que, geralmente, é utilizado como remédio na farmacologia popular, não são sementes.  Na realidade, o que chamamos de semente é o fruto da sucupira. A semente está contida lá dentro daquele invólucro oleoso.

Procedimentos:

– Coletar os frutos de plantas saudáveis.

– Mergulhar os frutos em uma vasilha com água para fazer uma separação preliminar.

– Os que flutuarem, certamente estarão carunchados e deverão ser desprezados, pois, não irão germinar.

– Os frutos que afundarem estarão aptos a serem preparados para plantar.

Preparação das Sementes:

– De posse de uma tesoura de poda, recortar com cuidado as arestas do invólucro oleoso do fruto, para extrair a semente.

– Em seguida, as sementes liberadas deverão passar por um processo de lavagem com água e detergente para eliminar o óleo remanescente, existente no fruto, pois esse óleo é um inibidor natural, responsável pela dormência vegetativa da semente. A remoção do óleo irá facilitar a absorção de água para promover a emergência da plântula.

– Na sequência, as sementes prontas, passadas pelo processo de lavagem, poderão ser plantadas em canteiros, balainhos feitos com sacos de polietileno, tubetes plástico, embalagem descartável, etc.

– Caso utilizar balainhos, tubetes plástico, aconselha-se plantar duas sementes por balainho. Caso as duas germinarem, uma poderá ser repicada para outra embalagem.

– As sementes deverão ficar enterradas no substrato, em média, 1,0 cm de profundidade.

– Regar com jato leve de água para não desenterrar as sementes.

– Manter o substrato umedecido, em provocar alagamentos.

– Dentro de um mês as sementes férteis já emergiram.

– Geralmente, com 5 meses, as mudas já estarão prontas para irem a campo.

Solo:

– Utilizar terra fértil com esterco animal bem curtido, na proporção de 2:1.

– Para solo argiloso utilizar: terra argilosa, areia e esterco animal bem curtido, na proporção de 2:1:1.

Nota:

– Aconselha-se fazer aclimatação das plantas pelo método da exposição gradativa ao sol, por duas semanas, antes de serem levadas a campo.

– O plantio em local definitivo deverá ser feito em dias nublados, no final da tarde quando o sol estiver com temperatura mais branda ou, no início da estação chuvosa.

 

Como fazer mudas de Macaúba – Acrocomia aculeata

Como fazer mudas de Macaúba – Acrocomia aculeata

Nome científico: Acrocomia aculeata.

Nome popular: Macaúba, Macaúva, Bocaiuva, Macaíba, etc.

Família: Arecaceae.

Origem: América do Sul, Brasil.

Características gerais:

– Trata-se de uma espécie de palmeira rústica, facilmente encontrada vegetando em regiões semiárida dos cerrados Brasileiros.

– Planta de ciclo de vida perene, revestida de espinhos longos e pontiagudos no tronco e nas folhas.

Nota:

– Os espinhos, geralmente, servem como defesa própria pois, afugenta animais predadores.

– A macaúba poderá atingir mais de 10 metros de altura.

Flores:

– Trata-se de uma planta muito produtiva. Produz flores e frutos o ano inteiro, com pico de produção na primavera.

– As flores de tamanho relativamente pequeno, apresentam-se na coloração amarelada, agrupadas em inflorescências tipo espiga, formando grandes cachos que podem chegar a 1,0 metro de comprimento.

– As flores masculinas e femininas surgem na mesma inflorescência sendo que, as masculinas, em via normal, estão dispostas mais às pontas das espigas enquanto que, as femininas mais perto do eixo central do cacho.

– As flores atraem um grande número de abelhas e outros insetos, os quais, acabam  facilitando e ajudando no processo de polinização e fecundação dos frutos.

Frutos:

– Os frutos geralmente de formato arredondado, são comestíveis, tanto a poupa externa, como a amêndoa.

Clima:

– Trata-se de uma planta totalmente adaptada ao clima quente: Equatorial, Tropical e Subtropical e deverá ser cultivada a céu aberto e, em pleno sol, pois, requer alta luminosidade para o seu desenvolvimento.

Solo:

– Trata-se de uma planta totalmente rústica, sem grandes exigências quanto ao tipo de solo, mas, para que ela atinja sua plenitude, o solo deverá ser fértil.

Propagação:

– A multiplicação da planta é feita através do fruto, (coco).

– Na natureza, as mudas, geralmente, nascem ao redor da planta matriz, mas, a sua dispersão natural, é feita por animais e pássaros que se alimentam da poupa, levemente saborosa e adocicada, do fruto.

– Para propagação em escala doméstica, na maioria dos casos, utiliza-se as mudas que nasceram junto a planta matriz, repicando-as diretamente em locais definitivos, normalmente, no início da estação chuvosa, (Primavera).

Caso queira produzir mudas em escala doméstica:

– Poderão ser utilizados canteiros tipo sementeiras, dispostos em local semi-sombreado com boa luminosidade.

– O solo deverá ser arenoso com incremento de algum tipo de material orgânico.

– Não há necessidade de despolpar os frutos, que deverão ficar soterrados, em média, a 2,0 cm abaixo do solo.

– O solo deverá ser mantido com umidade regular, constante.

– Normalmente, a taxa de germinação é baixa e a emergência é longa, demandando em torno de 1,0 ano.

– Geralmente, quando a plântula emitir a segunda folha, já poderá ser repicada para balainhos, feitos com sacos de polietileno.

– Normalmente, quando a muda atingir 50,0 cm de altura já poderá ser levada a campo.

– Aconselha-se levar as mudas para seus locais definitivos, no início da estação chuvosa.

Dormência vegetativa das sementes de macaúba.

Para quebrar a dormência das sementes da macaúba e conseguir a aceleração da emergência das plântulas aconselha-se:

– Coletar os frutos (cocos), recém caídos da planta matriz.

– Deixar os frutos secando por duas semanas, à sombra em local arejado.

– Em seguida: quebrar os cocos com auxílio de um martelo, para liberar as amêndoas do seu interior.

– Fazer a esterilização das amêndoas com uma solução de hipoclorito de sódio a 5% v/v por cinco minutos. ([%(V/V] é igual à fração volumétrica multiplicada por 100%).

– Lavar as amêndoas em água corrente, no mínimo, três vezes.

– Em seguida, as amêndoas deverão ficar embebidas em água, na temperatura ambiente, por 24 horas, para hidratação.

– Na sequência, depois das amêndoas hidratadas, com o auxílio de uma lâmina e um estereomicroscópio (lupa), é hora de fazer uma escarificação do tegumento opercular das sementes, (região da amêndoa onde ocorrerá a germinação).

– Tal procedimento deverá ser realizado com total prudência para não ferir o embrião, que se encontra logo abaixo do tegumento opercular, nessa região da amêndoa.

– Em seguida, as sementes deverão ser submersas por 24 horas em solução contendo 1000 miligrama de ácido giberélico (GA3) por litro de água.

– Finalmente, as sementes estarão prontas para serem plantadas em bandejas, contendo vermiculita esterilizada, mantidas em câmara de geminação com 95 ± 5% de umidade relativa e temperatura de 30 ± 2 °C constantes.

– Nestas condições, a taxa média de germinação obtida com esse processo é de 60% em até 3 meses.

– Neste período, aconselha-se verificar periodicamente as bandejas, para detectar a ocorrência de contaminação, eliminando as sementes contaminadas.

Covas:

– As covas para repique das mudas em local definitivo, deverá ter no mínimo, o dobro do tamanho do torrão, (no caso dos balainhos)

– Se, o solo for de boa qualidade, não haverá necessidade de incremento de composto orgânico.

– Se, o solo for arenoso, poderá ser enriquecido com composto orgânico bem curtido, misturado ao solo removido da cova, na hora do transplante da muda.

Frutificação:

– O início da frutificação se dará, em média, quando a planta completar 4 anos de idade.

A planta alimenta a fauna silvestre:

– Frutos direto no cacho, atraem aves, como psitacídeos: Araras, Papagaios, Periquitos, etc.

– Frutos caídos no solo, atraem mamíferos, como: Pacas, Cutias, Antas, Tatus e, tantos outros roedores.

Regas:

– Trata-se de uma planta totalmente rústica que tolera períodos de estiagens médias. Porém para o seu cultivo, aconselha-se manter o solo ligeiramente úmido, principalmente quando tratar-se de plantas em formação.

Nota:

– Para manuseio da planta deverá ter o cuidado de utilizar luvas, para evitar os espinhos.

Para ver um vídeo desta planta  CLICAR AQUI

 

Como fazer mudas de chuchu – Sechium edule

Como fazer mudas de chuchu – Sechium edule

Nome científico: Sechium edule.

Nome popular: Chuchu, Machuchu, Machucho, Chuchuzeiro, etc.

Família: Cucurbitaceae.

Origem: América central.

Características gerais:

– Trata-se de uma planta trepadeira herbácea, rústica, de ciclo de vida perene, muito produtiva, produz frutos o ano inteiro se, cultivada em locais adequados.

–  Planta de ramagem longa emite gavinhas nas axilas folhares e precisará ser tutorada desde o seu plantio em local definitivo, em espaldeira e/ou, caramanchão.

Clima:

– Trata-se de uma planta adaptada ao clima ameno: Subtropical e Temperado, variando entre 15 ºC e 25 ºC. Porém, é tolerante ao clima tropical.

– A planta deverá ser cultivada a céu aberto pois requer alta luminosidade.

– O chuchuzeiro não resiste a geadas.

– Calor e/ou frios excessivos, geralmente interferem na brotação e no pegamento dos frutos sementes.

– Chuvas e calor em excesso provoca a queda das flores, além de propiciar o ataque de fungos.

Propagação:

– A multiplicação da planta se dá através do fruto: Chuchu-semente, obtidos da própria plantação.

Procedimentos:

– Selecionar frutos saudáveis, livres de pragas e/ou doenças, bem formados, de bom tamanho, maduros, de planta produtivas, os quais servirão para formar as novas mudas.

– Esses chuchus-sementes, deverão ser colocados em local semi-sombreado e úmidos, para brotação.

– A formação das mudas poderá ser feita em canteiros, vasos ou, qualquer outro recipiente disponível.

– O Chuchu-semente deverá ser posicionado deitado, enterrado apenas 1/3 do fruto no substrato.

– Geralmente, em 2 semanas os chuchus-sementes estarão germinados.

– As mudas estarão prontas para serem transplantadas em local definitivo, quando o broto atingir, em média, 15 cm de altura.

Plantio definitivo:

– Acomodar o chuchu-semente deitado na cova, exatamente do mesmo modo que estava no canteiro de formação de mudas, desta vez, enterrar apenas a metade do fruto no solo. O simples contato direto com o solo provocará o rápido desenvolvimento das raízes, bem como o crescimento vegetativo da brotação.

Nota:

– Ao plantar o chuchu-semente em local definitivo,  tomar o cuidado de não cobri-lo totalmente com terra. O chuchu- semente deverá ficar soterrado até a sua metade no substrato, para evitar o seu apodrecimento e consequentemente a perda da muda.

Solo:

– Trata-se de uma planta rústica, pouco exigente quanto ao solo, porém, para se ter uma planta com alta produtividade, aconselha-se cultivá-la em solo fértil, de textura média, fofo e bem drenado.

Regas:

– O chuchuzeiro não tolera excesso de água, as regas deverão ser processadas a fim de manter o solo apenas com umidade leve.

Adubação:

– Aconselha-se fazer adubação química NPK na formulação 4-14-8, no início da primavera.

Adubação de cobertura poderá ser realizada mensal ou bimestral, utilizando esterco animal bem curtido.

Tratos culturais:

– Regas para manter o solo úmido sem provocar alagamentos.

– Em plantio comerciais, aconselha-se o uso de irrigação por gotejamento.

Colheita:

– Geralmente, a colheita terá início 100 dias após plantação da muda  em local definitivo.

– Para consumo e comercialização, colher apenas os frutos tenros.

Considerações finais:

– Trata-se de uma planta totalmente rústica, de fácil manejo, não exigente de tratos especiais no manejo, além de produzir frutos o ano inteiro.

– É um bom exemplo de planta para se cultivar no quintal. Tudo que ela precisa é de um caramanchão para ser tutorada.

 

Como fazer mudas de Embaúba – Cecropia pachystachya.

Como fazer mudas de Embaúba.

Nome científico: Cecropia pachystachya.

Nome popular: Banana-de-macaco, Embaúba, Embaúva, Imbaúba, Umbaúba, Umbaubeira, Ambaíba, Árvore-da-preguiça, Umbaúba-do-brejo.

Origem: América do Sul, Brasil.

Família: Urticaceae.

Características gerais:

– Trata-se de árvores de pequeno e médio porte, endêmicas em regiões úmidas, (brejos, pântanos, banhados, matas ciliares, etc.), que poderá atingir até 8,0 metros de altura.

– Recebeu o nome de “árvore-da-preguiça”, pela grande preferência do Bicho-preguiça em consumir avidamente suas tenras folhas.

– Considerada por ambientalistas, naturalistas, passarinheiros e observadores de aves, a espécie de árvore, cuja abundância de oferta de frutos, mais atrai a fauna silvestre, principalmente pássaros.

– A Embaúba poderá ser utilizada como pioneira em reflorestamento, pois trata-se de uma árvore de crescimento rápido, além de resistir períodos de estiagens moderadas.

– Segundo a etimologia da linguagem Tupi-guarani, “Embaúba”, significa “Frutos de árvore de tronco oco”.

– Há algumas espécies de formigas em simbiose direta com a Embaúba. Enquanto sobrevivem dentro das cavidades do seu tronco a protege de predadores.

– Trata-se de uma espécie de árvore própria para ser cultivada em terrenos encharcados como: brejos, banhados, bordas de riachos e, outras regiões extremamente úmidas.

– As inflorescências são axilares em forma de espiga, (espiciforme), com inúmeras minúsculas flores unissexuais.

– Os frutos se apresentam em grandes quantidades e, em cachos. Tem formato fino e alongado, de sabor levemente adocicado, quando maduros.

Propagação:

– A multiplicação da embaúba é feita por sementes.

– Na natureza é disseminada nas fezes de pássaros e outros animais silvestres que dela se alimentam.

– É muito comum encontrar mudas da planta vicejando sob árvores, (dormitório de pássaros).

– As sementes são minúsculas, alongadas de coloração escura, difícil de separar da poupa do fruto.

Procedimentos:

– Colher os frutos maduros, os quais deverão ser colocados em recipientes plásticos, depositados à sombra para apodrecer a poupa.

– Em seguida, misturar com água, lavar e passar em peneira fina, separando as sementes da poupa em decomposição.

– Após limpeza, as sementes deverão ser semeadas em canteiros, dispostos em locais parcialmente sombreados.

– O substrato dos canteiros deverá ser rico em matéria orgânica.

– As sementes deverão ficar enterradas no substrato, em média, 0,5 cm de profundidade.

– A cobertura das sementes deverá ser feita com solo peneirado.

– As regas deverão ser processadas por aspersão leve, para não desenterrar as sementes e, manter o substrato umedecido.

– A germinação ocorrerá, em média, em 30 dias.

– Assim que as plântulas atingirem, em média, 15 cm de altura, deverão ser repicadas para balainhos (jacás).

– Os balainhos deverão ser colocados em locais sombreados com alta luminosidade até as mudas atingirem 0,5 metros de altura.

– Normalmente, com 0,5 metros de altura, as mudas já poderão ser transplantadas para seus locais definitivos.

– Aconselha-se fazer aclimatação das mudas, pelo método da exposição gradativa ao sol, por duas semanas, antes do plantio definitivo.

– Geralmente, a planta iniciará a frutificação com 2 anos, após plantio definitivo.

Solo:

– Trata-se de uma planta rústica, resistente, não exigente quanto ao tipo de solo.

– O solo poderá ser ácido, neutro, argiloso, profundo, pedregoso, etc. sem provocar grandes problemas para a planta.

– A única exigência da Embaúba é com relação a água. Os locais onde ela resplandece na natureza, são todos com extrema umidade.

Clima:

– Planta adaptada ao clima Equatorial, Tropical e Subtropical.

– A planta deverá ser cultivada em local semi-sombreado, porém, resplandece também, cultivada em exposição direta ao sol.

– Trata-se de uma planta tolerante à baixas temperaturas moderadas.

Covas:

– Abrir covas de 50 x 50 x 50 cm.

– Adicionar ao solo removido da cova: 20 litros de material orgânico bem curtido mais 5 litros de areia lavada.

Homogeneizar totalmente os materiais adicionados ao solo removido, antes de voltar para dentro da cova.  Esse processo deverá ser realizado, em média, 15 dias antes de receber a muda. Mantendo o solo sempre com boa umidade, para que os materiais adicionados, incorporem-se totalmente.

Espaçamento:

Aconselha-se espaçamento de 5,0 x 5,0 m entre plantas e 6,0 m entre linhas.

Plantio definitivo:

– Plantar a muda no centro da cova.

– Regar para fixar o solo, ao redor do torrão da muda.

– Manter o solo sempre úmido.

Nota:

– A planta frutifica na Primavera e no Verão.

– Os frutos de consistência dura quando verde, tornam-se macios, atraentes, levemente perfumados e saborosos, quando maduros.

Pássaros que se alimentam do fruto da Embaúba:

– Tucanos, Araçaris, Jacutingas, Pica-pau branco, Tuins, Periquitos, Maritacas, Maracanãs, Sanhaços, Sabiás, Saíras, Anambés, Jandaias, Arapongas, Saís, Sebinhos, Tiês, Trinca-ferros, Cotinga-azul, Pipiras, Surucuás, Papagaios, Tico-ticos, Coleirinhas, Cambacicas, etc.

Mamíferos que se alimentam dos frutos da Embaúba:

– Macacos, Quatis, Bicho-preguiça, Saguis, etc.

Outra utilização da embaúba:

– Trata-se de uma planta extremamente rústica, e poderá ser utilizada como pioneira em reflorestamento de áreas degradadas.

Para ver um vídeo desta planta CLICAR AQUI.

Como fazer mudas de Carobinha do campo – Carobinha do cerrado

Como fazer mudas de Carobinha do campo – Carobinha do cerrado.

Nome científico: Jacaranda decurrens.

Nome popular: Caroba, Carobinha-do-campo, Carobinha-do-cerrado, Caroba-de-são-paulo, Carobinha-do-mato, etc.

Família: Bignoniaceae.

Origem: Brasil, Centro-oeste, Mato Grosso do Sul.

Características gerais:

– Trata-se de um arbusto lenhoso, ou seja: uma pequena arvoreta, de ciclo de vida perene que, normalmente, não ultrapassa 1,5 metros de altura.

– A planta é extremamente rústica pois, vegeta satisfatoriamente em solos pobres do semi-árido dos cerrados brasileiros, principalmente no Centro-oeste, sendo endêmica no Mato Grosso do Sul.

– Trata-se de uma planta medicinal muito procurada pelas pessoas que vivem no meio rural, pois, segundo a farmacopéia popular, têm grandes poderes de cura em várias enfermidades, e todas as partes da planta, (raiz, caule e folhas), são aproveitadas.

– A planta apresenta flores trombiformes, roxo-azulada em grandes cachos.

– Os frutos são cápsulas oblongo-obovadas, extremamente lenhosas, de cores acastanhadas.

-As sementes em tons de marrom-claro, geralmente arredondadas, com asa membranácea. Na natureza são dispersas pelo vento.

Clima:

– Planta adaptada ao clima: Equatorial, Tropical e subtropical. Deverá ser cultivada a sol pleno, porém, tolera meia sombra pois, em seu habitat natural são facilmente encontradas nas bordas das matas, grotas, bem como, nas partes mais fracas e ralas, das regiões dos cerrados.

Solo:

Planta rústica que tolera as condições de solo pobre e semi-ácidos do cerrado, desde que, estes sejam, bem drenados.

– Para produção em escala comercial aconselha-se cultivá-las em solo fértil ou, solo enriquecido com material orgânico, totalmente drenável.

Propagação:

– A propagação poderá ser feita via sementes, ou por estacas de raízes (xilopódios).

Propagação por sementes:

– Aconselha-se utilizar viveiros com 50% de sombreamento.

– As sementes poderão ser plantadas em sementeiras, bandejas de polietileno, tubetes de plástico e/ou balainhos feitos com sacos de polietileno.

– O substrato deverá ser solo fértil ou, um composto rico em material orgânico, totalmente drenável.

– As sementes deverão ficar enterradas no substrato, em média, com 2 cm de profundidade.

– As regas deverão ser realizadas a fim de manter o substrato úmido sem encharcamento.

– Com temperatura oscilando entre 25 a 30ºC, geralmente, em 2 meses, as sementes férteis estarão todas germinadas.

– Quando as plântulas atingirem, em média, 15 cm de altura, poderão ser levadas a campo.

Propagação por estaquia de raízes, (Xilopódios):

– Xilopódio é o espessamento das raízes e/ou, caules subterrâneos de um vegetal, que serve para acumular água e nutrientes, permitindo a sobrevivência da planta em períodos de estiagem.

– No caso da Carobinha-do-campo, seus xilopódios possuem também “Capacidade gemífera”, que significa o rebrotamento de ramos aéreos após um período desfavorável do ambiente, como uma seca prolongada ou, uma queimada.

– Segundo pesquisas realizadas por especialistas, as raízes da Carobinha-do-campo apresentam alto potencial gemífero, promovendo o rebrotamento de ramos aéreos durante a estação favorável, portanto é possível utilizá-las, pelo método da estaquia, realizar com sucesso, a propagação da planta.

Espaçamento:

– Em plantio comercial, aconselha-se utilizar o espaçamento 0,30 m entre plantas x 0,50 m entre linhas.

Preparação do terreno para o plantio definitivo, (Em escala comercial):

– O terreno deverá receber uma demão de aração e gradagem.

– Levantar os canteiros, em média, 20 cm com relação ao nível do solo, utilizando rotoencanteirador, geralmente uma semana antes do plantio.

– Plantar as mudas no espaçamento acima indicado.

– Fazer adubação de cobertura com esterco animal bem curtido.

– Processar regas por aspersão a fim de fixar o solo ao redor do torrão das mudas. E posteriormente para manter o solo umedecido, sem provocar alagamentos.

Nota:

– Aconselha-se fazer a aclimatação das mudas por exposição gradativa ao sol, por duas semanas, antes de serem levadas a campo.

– Aconselha-se fazer o repique das mudas em períodos chuvosos, nublados ou, no final da tarde, quando a luminosidade do sol estiver mais amena.

Tratos culturais:

– Capinas periódicas a fim de evitar a concorrência de plantas invasoras.

Colheita:

– A colheita da planta, geralmente ocorrerá em 2 anos após semeadura.

Notas finais:

– A raiz é a parte da planta mais utilizada na medicina popular, e em escala comercial, constitui o órgão comercial de interesse no mercado.

Uso medicinal na farmacopéia popular:

– Partes da planta, geralmente a raiz, empregada com sucesso no combate a doenças venéreas, sífilis, coceiras, afecções da pele, reumatismo, artritismo, disenteria amebiana e, também como um excelente depurativo.

Para ver um vídeo desta planta CLICAR AQUI.

Como fazer mudas de Pepininho do mato ou, Pepino de paca.

Como fazer mudas de Pepininho do mato ou, Pepino de paca.

Nome científico: Apodanthera SSP ou Guarania SSP.

Nome popular: Pepininho do Mato ou Pepino de Paca.

Família: Cucurbitaceae.

Origem: América do Sul, Brasil.

Características gerais:

– Trata-se de uma planta trepadeira herbácea, de caule flexível, densamente ramificada, de ciclo de vida perene, extremamente rústica e, muito produtiva.

– Por tratar-se de uma trepadeira a planta deverá ser cultivada tutorada, geralmente, na tela do alambrado da horta doméstica.

– A planta é provida de gavinhas simples, com as quais, agarra-se ao tutor, alastrando-se.

– As flores levemente amareladas surgem nas axilas das folhas.

– Os frutos oblongos, geralmente com 4,0 cm de comprimento por 1,5 cm de diâmetro, apresentam-se na coloração verde-claro com estrias leves em branco, mas, tornam-se avermelhados quando amadurecem.

Propagação:

– A planta propaga-se por estaquia do caule.

-As mudas poderão ser feitas em balainhos (sacos de polietileno), e/ou, plantadas diretamente em seu local definitivo.

– Cortar pedaços do caule maduro, com 15,0 a 20,0 cm de comprimento, desde que contenham dois ou três nós, onde irão apresentar a brotação.

– Aconselha-se deixar as estacas mergulhadas em água por 24 horas, antes de serem plantadas.

– Enterrar as estacas no solo, em média, 10,0 cm de profundidade.

– Manter o substrato umedecido sem provocar encharcamento.

– Geralmente, em duas semanas as estacas estarão brotadas.

Nota:

– Aconselha-se produzir as mudas no início da primavera ou, no espaço entre Setembro a Dezembro, quando as plantas geralmente, estarão emergindo da dormência vegetativa.

Clima:

– Trata-se de planta adaptada a alta luminosidade e ao clima: Equatorial, Tropical, Subtropical e, deverá ser cultivada a sol pleno e/ou, meia sombra.

Solo:

– Trata-se de uma planta rústica, não muito exigente quanto ao solo, mas, para que se desenvolva com total plenitude, deverá ser cultivada em solo fértil, rico em material orgânico e, bem drenado.

Regas:

– Somente para manter o solo úmido sem provocar encharcamento.

Nota:

– Os frutos verdes poderão ser consumidos em forma de saladas e conservas, os maduros, como fruta, e lembra o sabor da melancia.

Para ver um vídeo desta planta CLICAR AQUI

Como fazer mudas de Vinhático – Plathymenia foliosa

Como fazer mudas de Vinhático – Plathymenia foliosa

Nome científico: Plathymenia foliosa

Nome popular: Vinhático, Amarelinho, Vinhático-amarelo, Pau de candeia

Família: Fabaceae Mimosoideae.

Origem: Brasil, Regiões de cerrado.

Características gerais:

– Trata-se de uma árvore leguminosa de ciclo de vida perene, de médio e grande porte, que poderá ultrapassar 25 metros de altura, com diâmetro do tronco acima de 0,40 metros.

– Seu porte irá depender do local de ocorrência: No meio da mata, ficará alta e esquia. No cerrado e campo aberto, crescerá menos, porém, com copa e galhada mais ampla.

Ocorrência principalmente em regiões de cerrado-forte (Centro-oeste e Nordeste) e, também em matas de algumas regiões brasileiras.

– A madeira amarelo-canela é de textura média e de longa durabilidade.

Floração e frutificação:

– A planta floresce nos meses de Novembro e Dezembro.

– As flores bissexuadas, são de coloração branca-creme, dispostas em pequenos cachos espigados, que surgem nas axilas das folhas e/ou, na parte terminal dos galhos.

– Por tratar-se de uma leguminosa, as sementes ocorrem dentro de vagens de coloração vermelha-escuro, contendo até 10 sementes duras, na cor marrom-claro.

– As sementes são pequenas, geralmente com 0,5 cm de comprimento, dispostas dentro de envelopes de película branca, membranácea, (sementes aladas), que poderão facilmente ser dispersas pelo vento, fazendo a propagação natural da planta.

– A coleta das sementes poderá ser feita de Julho a Setembro.

– As vagens deverão ser colhidas diretamente da árvore matriz, no início da dispersão espontânea das sementes.

– Em seguida, deverão ser levadas ao sol, para completarem sua abertura e a liberação das sementes.

Propagação:

– A multiplicação da planta é feita através de sementes.

– As sementes deverão ser plantadas imediatamente após serem colhidas.

– Não haverá necessidade de retirar a película membranácea (envelope) que envolve a semente.

– As sementes poderão ser plantadas em canteiros tipo sementeiras, para futuro repique em balainhos feitos com sacos de polietileno. Ou, se preferir, poderão ser plantadas diretamente nos sacos de polietileno.

Substrato dos canteiros e/ou dos sacos de polietileno:

– O substrato deverá ser um composto organo-arenoso, o mesmo, substrato típico do seu ambiente nativo (cerrado), ou seja: um substrato de média fertilidade, totalmente drenável. E poderá ser feito misturando: terra fértil com areia, na proporção de 2:1.

– As sementeiras e/ou, sacos de polietileno, deverão ser dispostos em locais semi-sombreados.

– Aplicar as sementes de forma que elas fiquem soterradas no substrato, em média, 2,0 cm de profundidade.

– Caso as mudas forem feitas em sacos de polietileno, aplicar 2 sementes por saco.

– Irrigar com jato leve de água, para não desenterrar as sementes.

– Manter o substrato sempre com boa umidade sem encharcamento.

– Geralmente, em 15 dias ocorrerá a emergência das sementes férteis.

– Em condições naturais, a taxa de germinação é inferior a 20%. Diante dessa baixa porcentagem, urge a necessidade de desenvolver estudos para a quebra de dormência das sementes para aumentar o índice de emergência.

Nota:

– Para as mudas germinadas nas sementeiras, ao atingirem, em média 10,0 cm de altura, já poderão ser transplantadas em sacos de polietileno.

– Em média, com 12 meses as mudas já poderão ser levadas para serem repicadas em local definitivo.

– Trata-se de plantas de desenvolvimento lento, classificada como: “Secundária Tardia”, pois, não ultrapassa 3,0 metros de altura aos 2 anos de idade.

Nota:

-Antes das mudas serem levadas a campo, aconselha-se fazer a rustificação das mesmas, pelo método da aclimatação gradativa ao sol, por um período de 2 semanas.

Como fazer mudas de Barbatimão – Stryphnodendron adstringens

Como fazer mudas de Barbatimão – Stryphnodendron adstringens

Nome científico: Stryphnodendron adstringens.

Nome popular: Barbatimão, barbatimão verdadeiro, barba de timão, charãozinho roxo, casca da virgindade.

Família: Fabaceae-Mimosoideae.

Origem: Brasil, Regiões de cerrado, Endêmica no Centro-oeste brasileiro.

Características gerais:

– Trata-se de uma árvore de pequeno porte, pertencente à família das leguminosas, que poderá ultrapassar 4,0 metros de altura, com diâmetro do tronco, em torno de 0,30 metros.

– A madeira dura, pesada, resistente, geralmente utilizada na construção civil.

– O período de floração ocorre de Setembro a Novembro. As flores de coloração branco-creme, apresentam-se densamente reunidas em espigas cilíndricas, e surgem nas axilas das folhas.

– Por ser uma leguminosa, as sementes ocorrem dentro de vagens alongadas, (favas), de endocarpo macio e fibroso, com cerca de 10,0 cm de comprimento.

– Os frutos amadurecem entre Junho e Setembro. As sementes, na cor caramelo, são pequenas, arredondadas com cerca de 1,0 cm de diâmetro.

– A coleta das sementes deverá coincidir com o início da queda espontânea das vagens, da planta matriz. As vagens deverão ser expostas ao sol para secar e facilitar a retirada manual das sementes.

Propagação:

– A planta multiplica-se através de sementes.

– A sementes poderão ser plantada sem canteiros tipo sementeiras, para futuro repique em balainhos feitos com sacos de polietileno e/ou, ser plantadas individuais, diretamente nos sacos de polietileno.

Substrato dos canteiros e/ou dos sacos de polietileno:

– O substrato deverá ser um composto organo-arenoso, o mesmo, substrato típico do seu ambiente nativo (cerrado), ou seja: um substrato de média fertilidade, totalmente drenável. E poderá ser feito misturando: terra fértil com areia, na proporção de 2:1.

– As sementeiras e/ou, sacos de poliestileno, deverão ser dispostos em locais semi-sombreados.

– Aplicar as sementes de forma que elas fiquem soterradas no substrato, em média, 2,0 cm de profundidade.

– Irrigar com jato leve de água, para não desenterrar as sementes.

– Manter o substrato sempre com boa umidade sem encharcamento.

– Em 30 dias acorrerá a emergência das sementes férteis.

Nota:

– Para as mudas germinadas nas sementeiras, ao atingirem, em média 10,0 cm de altura, já poderão ser transplantadas em sacos de polietileno.

– Em média, com 12 meses as mudas já poderão ser levadas para serem repicadas em local definitivo.

– Trata-se de plantas de desenvolvimento lento, classificada como: “Secundária Tardia”, pois, não ultrapassa 2,5 metros de altura aos 2 anos de idade.

– Nota:

-Antes das mudas serem levadas a campo, aconselha-se fazer a rustificação das mesmas, pelo método da aclimatação gradativa ao sol, por um período de 2 semanas.

Observação:

– As vagens (favas), são consideradas tóxicas para o gado.

Considerações finais

– O Barbatimão é conhecido na língua indígena como “Ba- timó” que significa: “Planta que aperta”.

– Bem, essa ação estíptica, ou seja: adstringente, (contrativa), é provocada pelo “Tanino”, substância disponível em grandes quantidades na casca da planta.

– O Tanino é também um poderoso agente anti-séptico, indicado para combater bactérias e fungos, com comprovação científica.

Cultura popular:

– A planta recebeu o nome popular de “casca-da-virgindade”, porque era muito procurada pelas prostitutas, que banhavam as partes intimas com uma infusão feita com sua casca.

Folclore:

– Essa estória ocorreu na meio rural:

Certa vez, um casal na meia-idade, coincidentemente com a data de aniversário de casamento, a esposa muito assanhada, querendo fazer surpresa para agradar o marido, sorrateiramente preparou tal infusão com a casca do barbatimão, colocou a poção milagrosa sobre a mesa da cozinha para esfriar e, foi cuidar dos afazeres domésticos.

Nesse interim, o marido chega da roça varado de sede, vendo aquela caneca de chá, pensando que era chá-mate, passa para o peito num só gole. A reação foi instantânea, o tanino existente naquela infusão concentrada, contraiu-lhe a mucosa da boca, garganta e adjacências, que ele mal conseguia respirar.

A esposa aparece de supetão e, vendo o marido todo esbaforido, com aquela caneca à mão, indaga-lhe:

– Cadê o chá que estava dentro da caneca? E, ele, com tremenda dificuldade, responde-lhe :

-Bebi tudo!

 

Como fazer mudas de Paineira – Ceiba speciosa.

Como fazer mudas de Paineira – Ceiba speciosa.

Nome científico: Ceiba speciosa.

Nome popular: Paineira, Barriguda.

Família: Malvaceae.

Origem: América do Sul.

Características gerais:

– Trata-se de uma árvore rústica, de fácil cultivo, de crescimento rápido, de ciclo de vida perene, de grande porte e poderá ultrapassar 30 metros de altura.

– O tronco, geralmente volumoso, recoberto por espinhos pontiagudos, chega a medir mais de 1,0 metro de diâmetro.

– A madeira é leve, mole e pouco resistente, sem importância comercial.

Nota:

– A planta entra em dormência vegetativa no inverno e perde as folhas.

– O tronco verde, clorofilado, das plantas mais jovens é capaz de realizar a fotossíntese, mesmo quando as folhas estão ausentes.

Ciclo reprodutivo:

– As flores grandes e vistosas, em vários tons de rosa, pintalgadas com vermelho, geralmente, despontam em meados de Dezembro, prolongando-se até Abril.

– A maturação dos frutos ocorre durante os meses de Agosto a Setembro, geralmente, com a árvore totalmente despida da folhagem.

– Os frutos, do tamanho de um mamão papaia, abrem-se quando amadurecem, liberando as sementes presas em plumas brancas (paina), levadas pelo vento, fazendo a propagação natural da planta.

Clima:

– Planta adaptada ao clima: Tropical, Subtropical, Temperado. E deverá ser cultivada a sol pleno.

– A planta tolera frios moderados.

Solo:

– O solo deverá ser areno-argiloso, rico em material orgânico, profundo, totalmente drenável.

Propagação:

– A multiplicação da planta, geralmente, se faz através de sementes, mas, poderá também ser feito, por estaquia de galhos maduros.

– As sementes deverão ser semeadas em sacos plásticos, próprios para mudas.

– O substrato dos sacos plásticos deverá ser terra fértil, enriquecida com esterco animal bem curtido, leve, drenável, dispostos em locais com alta iluminação, porém, protegidos da incidência direta da luz do sol.

– As sementes deverão ficar enterradas no substrato, em média, 2,0 cm de profundidade.

– Cobrir as sementes com uma leve camada de substrato peneirado.

– As regas deverão ser periódicas, de forma leve, para não desenterrar as sementes.

– A emergência das sementes ocorrerá dentro de uma semana.

– A taxa de germinação gira em torno de 80 %.

– Geralmente, 7 meses após semeadura, as mudas com 60,0 cm de altura, já poderão ser transferidas para seu local definitivo.

Nota:

– Aconselha-se fazer a rustificação das mudas, antes de serem levadas a campo, pelo processo de aclimatação gradativa ao sol, por duas semanas.

Covas:

– Abrir covas de 40 x 40 x 40 cm.

– Misturar, em média, 30 litros de esterco animal curtido ou, 20 colheres de adubo químico NPK 04:14:08, ao solo removido da cova. Imediatamente após a homogeneização total dos materiais adicionados ao solo removido, o composto deverá voltar para dentro do buraco.

– Esse processo deverá ser feito com um mês de antecedência do recebimento da muda.

Regas:

– As plantas em formação deverão receber regas a fim de manter o solo levemente umedecido.

– Para as plantas adultas, as regas deverão ser processadas apenas em períodos de estiagem prolongada.

Tratos culturais:

– Podas para formação da planta.

Utilização:

– As plumas do fruto (paina), por ser um produto orgânico, são utilizadas em almofadas e travesseiros, destinado a pessoas alérgicas.

 

Como fazer mudas de Nabo – Como cultivar nabo – Brassica rapa

Como fazer mudas de Nabo – Como cultivar nabo – Brassica rapa

Nome científico: Brassica rapa

Nome popular: Nabo

Origem: Europa

Características gerais:

– Trata-se de uma hortaliça herbácea, de raiz tuberosa, comestível, de ciclo de vida anual, e poderá atingir 40,0 cm de altura.

– As raízes da planta apresentam-se nas cores: branca e roxa e, nas formas: cilíndrica ou globosa.

– As flores são amarelas em forma de cachos.

– Trata-se de uma hortaliça de fácil cultivo e de ciclo rápido.

Clima:

– Trata-se de plantas de origem europeia, de clima temperado, ameno, com temperatura oscilando entre 14°C e 22°C.

– Com temperatura acima de 25°C, a planta floresce precocemente e suas raízes ficam fibrosas, impróprias para o consumo.

– Deverá ser cultivado a céu aberto e, sol pleno.

Solo:

– O solo deverá apresentar textura areno-argilosa, fértil, fofo, enriquecido com matéria orgânica e totalmente drenável.

– O solo deverá ser fofo para o rápido desenvolvimento das raízes tuberosas da planta.

– O pH do solo deverá oscilar entre 6,5 e 7,0.

Propagação:

– A multiplicação da planta se dá através de sementes.

– As sementes deverão ser semeadas em canteiros, diretamente em local definitivo.

Preparação dos canteiros:

– O solo dos canteiros deverá ser revolvido, em média, com 30 cm de profundidade.

– Adicionar 30 litros/ m² de esterco animal bem curtido.

– Homogeneizar o composto, formando os canteiros com 1,0 a 1,20 metros de largura, para facilidade de manejo.

– Os canteiros deverão ser levantados, em média, 20 cm com relação ao nível do solo, para facilitar a drenagem de água.

– As sementes deverão ser semeadas diretamente no solo dos canteiros, em sulcos, em média, com 2 cm de profundidade e, cobertas com uma camada fina de solo peneirado.

– O espaçamento entre sulcos deverá ser, em média, de 30,0 cm.

– Regar com jato leve de água para não desenterrar as sementes.

– Manter o solo dos canteiros umedecido, sem provocar alagamentos.

– A emergência das sementes ocorrerá dentro de uma semana.

– Quando as plântulas atingir, em média 5,0 cm de altura deverá ser feito raleamento, deixando um espaçamento, em média, de 10,0 cm entre plantas.

Regas:

– Manter o solo sempre úmido, sem encharcamento.

– As regas deverão ser feitas pela manhã e/ou a tarde, quando o sol estiver com tempertura mais amena.

Tratos culturais:

– Retirar erva daninha e outras plantas concorrentes com espaço e nutrientes.

Colheita:

– A colheita terá início, em média, 40 dias após semeadura.

– O atraso na colheita, resultará em raízes fibrosas impróprias para o consumo, bem como a floração da planta para produção das próprias sementes.