Como fazer mudas de Tomate – Solanum lycopersicum.

Como fazer mudas de Tomate – Solanum lycopersicum.

Nome científico: Solanum lycopersicum.

Nome popular: Tomate

Família: Solanaceae

Origem: América do Sul, Chile Colômbia, América central, México

Características gerais:

– Trata-se de uma planta herbácea, ramificada, de caule flexível, de ciclo de vida anual curto,

– Há muitas variedades de tomateiro, com frutos de tamanho, coloração e formato diferentes.

Solo:

– Trata-se de uma planta exigente. O solo deverá ser areno-argiloso, fértil, rico em matéria orgânica, profundo, fofo e drenável.

– O pH do solo deverá oscilar entre 5,5 e 6,5.

Clima:

– Planta adaptada ao clima ameno: Tropical, Subtropical e Temperado.

– A planta deverá ser cultivada a céu aberto, a sol pleno, pois necessita de luminosidade para seu desenvolvimento.

– A temperatura ideal para o seu cultivo é diferenciada entre noturna e diurna:

Diurna: deverá oscilar entre: 20 a 25 ºC.

Noturna: deverá oscilar entre: 15 e 20 ºC.

– Para regiões de clima Tropical, aconselha-se o cultivo da planta acima de 800 metros de altitude, com relação ao nível do mar.

– A planta não tolera ventos frios e geadas…

Variedades:

– Tomate Caqui: de tamanho graúdo, poupa grossa e com pouca acidez.

– Tomate Santa-cruz: de formato redondo e sabor adocicado, próprio para saladas e consumo in natura.

– Tomate Cereja, Uva e Italiano: frutos pequenos redondos e ovais, adocicados, próprios param saladas e consumo in natura.

– Tomate Salada Longa-vida: muito cultivado na atualidade.

Nota:

– As variedades de grande porte precisarão ser tutoradas desde a fase inicial de cultivo.

– As variedades rasteiras não necessitarão de tutoramento, poderão ser cultivadas em contato direto com o solo.

Propagação:

– A planta se multiplica através de sementes.

– As sementes poderão ser plantadas em bandejas de isopor, copinhos de plásticos com furos no fundo, tubetes, etc. preenchidos com solo fértil enriquecido com material orgânico curtido ou, terra vegetal, dispostos em local com boa iluminação, semi-protegido (50%), da luz direta do sol.

– As mudas deverão ser produzidas à meia-sombra.

– As sementes deverão ficar, em média, 0,5 cm enterradas no substrato e cobertas com uma camada fina de substrato peneirado.

– Irrigar com jato leve de água para não desenterrar as sementes.

– As regas deverão ser processadas diariamente, a fim de manter o substrato levemente umedecidos, sem excesso.

– Geralmente, dentro de uma semana as sementes já emergiram.

Repicagem das mudas para locais definitivos:

– Após as plântulas atingirem, em média, 10,0 cm de altura e/ou, apresentarem-se com 5 a 6 folhas, já poderão ser levadas a campo.

– Aconselha-se fazer a rustificação das mudas, pelo método da aclimatação gradativa ao sol, antes de serem transferidas para seus locais definitivos.

– As regas no plantio definitivo, poderá ser feita por gotejamento.

Espaçamento:

– Aconselha-se espaçamentos de: 0, 50 metros entre plantas por: 1,20 metros entre linhas.

Tutoramento:

– Por tratar -se de plantas de caule flexível, as variedades de grande porte necessitarão ser tutoradas.

Espaldeira ou, Parreira Vertical.

– Trata-se de um sistema que lembra uma cerca para contenção de animais.

– Formada por postes com um fio de arame esticado no topo dos postes.

Observação:

– É necessário lembrar que deverá ser feito um planejamento inicial, para que as covas, nessa altura do campeonato, já estejam preparadas, feitas com certa antecedência, pois as estacas irão ser colocadas no meio das covas, que finalmente irão receber as mudas.

– Os tutores poderão ser feitos de vara de bambu. A parte inferior do tutor deverá ser fixada ao solo, justamente no lugar de cada cova. A parte superior do tutor deverá ficar inclinadas, encostada no fio de arame, a inclinação poderá ser, em média 45 a 50 graus, com relação ao solo.

Nota:

– A espaldeira deverá ser preparada antes da repicagem das mudas.

– As mudas deverão ser plantadas junto ao tutor e, deverá ser guiada desde o início do seu crescimento.

Colheita:

– A colheita terá início entre 80 e 100 dias após as mudas serem repicadas para seus locais definitivos.

– Frutos com destino a comercialização, poderão ser colhidos semi-maduros.

Pragas e doenças:

– Planta sensível e vulnerável a pragas como: Mosca-branca, Brocas, Ácaros, Pulgões e, a doenças como: Murcha bacteriana, Mancha bacteriana e Talo oco.

Tratos culturais:

– Remover erva daninha e outras plantas invasoras concorrentes com espaço e nutrientes.

Para ver um vídeo desta planta CLIQUE AQUI

Como fazer mudas de Samambaia Avenca – Adiantum

Como fazer mudas de Samambaia Avenca – Adiantum

Nome científico: Adiantum.

Nome popular: Avenca.

Família: Pteridaceae.

Origem: América do Sul, Brasil.

Características gerais:

– Trata-se de planta ornamental, herbácea, rizomatoza, de ciclo de vida perene, pertencente à família das samambaias.

– Dependendo da espécie, a folhagem com formatos e desenhos diferenciados, poderá ultrapassar 30 cm de comprimento.

– As samambaias não emitem flores, Elas produzem esporos.

– O esporo é o mecanismo criado pela planta, para sua proliferação na natureza e, é produzido, geralmente, na parte inferior da folha.

Clima:

– Planta adaptada ao clima quente e umido: Equatorial, tropical. Mas, não tolera a incidência direta da luz solar, nem ventos fortes.

– Trata-se de plantas com folhagem delicada e muito sensível. E, locais protegidos com boa luminosidade são os ideais para seu cultivo.

– Na natureza, vegetam próximo ao solo, em locais úmidos, geralmente, hospedadas em troncos de árvores mortas em estado de decomposição, fendas de rochas onde há acúmulo de material orgânico, etc. Mas sempre protegidas por sombras de matas ciliares.

Propagação:

– A planta poderá ser propagada por esporos e divisão do rizoma (touceira).

– A multiplicação por esporos é muito demorada, somente a natureza tem paciência suficiente para esperar um esporo se transformar numa bela samambaia.

Propagação por divisão de rizomas.

Primeiro:

– Preparar o substrato feito com terra vegetal e fibra de coco ou, casca de pinus, na proporção de 1:1.

Segundo:

– Preparar os vasos que irão receber as novas mudas.

– Colocando uma camada de pedriscos, de 2 cm, no fundo do vaso, para facilitar a drenagem de água.

– Em seguida – Colocar o substrato até o meio do vaso.

Terceiro:

– Arrancar com cuidado a planta matriz, entouceirada, do vaso.

– Dividi-la em mudas, de forma que não danifique, além do necessário, os rizomas.

Quarto:

– Acomodar as novas mudas individualmente, completar com o mesmo substrato, apertar levemente com as pontas dos dedos, para fixar os rizomas ao substrato.

Quinto:

– Regar para que o substrato fique totalmente umedecido.

Sexto:

– Colocar os vasos em locais protegidos, com boa iluminação.

– Manter o substrato sempre úmido sem encharcamento.

Nota:

– O método por divisão de rizomas, deverá ser feito no início da primavera.

Regas:

– Trata-se de plantas nativas de lugares com alta umidade relativa do ambiente, portanto, requer substrato sempre úmido, sem provocar encharcamento.

Nota:

– Trata-se de uma planta delicada muito sensível a mudanças bruscas de temperatura, poderá ser cultivada à sombra ou meia-sombra, em ambientes internos, porém necessitará de muita luminosidade.

Tratos culturais:

– Remover as folhas mortas.

Fertilização:

– Adubação química, fórmula NPK 10:10:10, poderá ser feita, mas, sempre seguindo a orientação e recomendação do fabricante, descritas no rótulo da embalagem.

– Adubação foliar não é aconselhada, pois irá danificar a folhagem delicada da planta.

Como fazer mudas de Barba-de- barata – Flamboianzinho – Caesalpinia pulcherrima.

Como fazer mudas de Barba-de- barata – Flamboianzinho – Caesalpinia pulcherrima.

Nome científico: Caesalpinia pulcherrima.

Nome Popular: Barba-de-barata, Flamboyam-de-jardim, Flamboianzinho, Ave-do-paraíso, Baio-de-estudante, Chagas-de-jesus, Chagueira, Peacock-flower, Flor-do-paraíso, Poinciana-anã.

Família: Fabaceae.

Origem: Antilhas, Índia, África, América Central.

Características gerais:

– Trata-se de uma planta leguminosa, ornamental, arbustiva de caule lenhoso, rústica, de ciclo de vida perene, que poderá ultrapassar 3,0 metros de altura.

– A planta apresenta espinhos pontiagudos em seu caule.

– A floração se dá em forma de cachos eretos (tipo inflorescências), cujas flores, vão abrindo-se de baixo para cima.

– O período floral da planta tem seu auge na primavera, mas, perdura o ano todo.

– As flores, que dependendo da variedade, poderão apresentar-se nas cores e nuances entre: amarelas, vermelhas, róseas, alaranjadas. E, todas contém longos estames, os quais, deram origem ao seu nome popular: “Barba de barata”.

– Por tratar-se de uma leguminosa, as sementes ocorrem dentro de vagens, verdes que, após amadurecimento tornam-se marrom-escuro.

Clima:

– Planta adaptada ao clima: Equatorial, Tropical e Subtropical.

– Deverá ser cultivada sob sol pleno, pois requer alta luminosidade para seu pleno desenvolvimento.

– Trata-se de uma planta lolerante a temperatura amena.

Solo:

– Trata-se de uma planta rústica, não muito exigente quanto ao tipo de solo. Mas, para que ela exiba todo seu potencial, aconselha-se cultiva-la em solo fértil, totalmente drenável, enriquecido com matéria orgânica bem curtida.

Propagação:

– A produção de mudas é feita por sementes.

– As sementes deverão ser plantadas em sacos de polietileno com solo fértil, enterradas, em média, 2,0 cm de profundidade.

– As regas deverão ser processadas apenas para manter o solo com boa umidade.

– Geralmente, em 2 semanas, ocorrerá a emergência das sementes.

– Quando as mudas atingirem, em média, 0,5 metros de altura, já poderão ser repicadas em local definitivo.

– Aconselha-se fazer a rustificação das mudas, pelo método de aclimatação gradativa ao sol, antes de serem levadas a campo.

Covas:

– Abrir covas de 30 x 30 x 30 cm.

– Misturar ao solo removido, 20 litros de esterco animal bem curtido.

– Após total homogeneização do esterco ao solo, a mistura deverá voltar para dentro do buraco.

– Aconselha-se fazer esse processo, em média, 15 dias antes da muda ser plantada.

Regas:

– Para mudas e plantas em formação, manter o solo úmido.

– Para plantas adultas, regar, em média, 3 vezes por semana nos períodos de estiagem prolongada.

Tratos culturais:

– Podas, apenas para a formação da planta.

Fertilização:

– Trata-se de uma planta rústica, sem necessidade de grandes cuidados.

– Caso necessário, depois da planta em fase adulta, poderá ser aplicado adubação química, 3 colheres de sopa, fórmula: NPK 10:10:10, no início da primavera, quando as plantas, normalmente, estarão saindo do seu período de dormência vegetativa.

– O adubo químico deverá ser aplicado longe do tronco da planta, geralmente é feito, na projeção da sombra da sua copa.

Nota:

– A variedade da planta de coloração amarela, de nome científico: Caesalpinia pulcherrima ‘Flava’, é de origem Africana.

Como fazer mudas de Ximbuva – Tamboril – Enterolobium contortisiliquum

Como fazer mudas de Ximbuva – Tamboril – Enterolobium contortisiliquum

Nome científico: Enterolobium contortisiliquum

Nome popular: Ximbuva, Tamboril, Timboúva, Timbaúva, Orelha-de-negro, Orelha-de-macaco, Timbó,Araribá, Árvore-das-patacas, Cambanambi, Sabão-de-macaco, Chimbó, Chimbuva, Flor-de-algodão, Orelha-de-onça, Orelha-de-preto, Pacará, Pau-de-sabão, Pau-sabão, Tambaré, Tamboi, Tambor, Tambori, Tamboril-do-campo, Tamboril-pardo, Tamborim, Tamburé, Tamburil, Tamburiúva, Tambuvé, Tambuvi, Timbaíba, Timbaúba, Timbaúva-branca, Timbaúva-preta, Timbíba, Timboíba, Timborana, Timbori, Timboril, Timboúba, Timbuíba, Timburi, Timburil, Timbuva, Vinhática-flor-de-algodão, Ximbiuva, Ximbó, Ximbuva.

Família: Fabaceae

Origem: América do Sul, Brasil, Paraguai, Bolívia e Argentina.

Características gerais.

– Trata-se de uma árvore leguminosa de grande porte, frondosa, de ciclo de vida perene, que poderá atingir mais de 30,0 metros de altura, com o diâmetro do tronco superior a 1,5 metros.

– No Brasil ocorre na região Centro-Sul, Maranhão, Pará e Piauí.

– Trata-se de uma espécie pioneira, rústica, de crescimento rápido, indicada para reflorestamento em áreas degradadas.

– A madeira é de coloração branca-cremoso, leve, macia, pouco resistente, geralmente utilizada em peças entalhada à mão, caixotaria, fabricar a viola-de-coxo, canoas, brinquedos, etc.

Clima:

– Planta adaptada ao clima: Equatorial, Tropical, Subtropical, Mediterrâneo.

– Deverá ser cultivada a sol pleno, pois requer alta luminosidade.

Solo:

– O solo deverá ser fértil, profundo e úmido.

Propagação:

– A planta multiplica-se por sementes.

– As sementes da Ximbuva apresentam tegumento impermeável que dificulta a sua emergência.

– A quebra da dormência poderá ser feita pelo método da escarificação ou, desponte, ou embebição em água.

– Após a quebra da dormência as sementes poderão ser semeadas em balainhos feitos com sacos de polietileno, com substrato fértil, enriquecido com material orgânico curtido.

– Os balainhos deverão ser alojados em locais parcialmente sombreados, em média, 50%.

– Regar periódicamente para manter o substrato dos balainhos com umidade uniforme.

– Dentro de 15 a 30 dias as sementes estarão germinadas.

– Após 5 meses, as mudas já poderão ser levadas a campo.

– Porém, antes da repicagem, aconselha-se fazer a rustificação das mudas, com aclimatação gradativa ao sol, em média, por 2 semanas.

Floração e frutificação:

– As inflorescências surgem na primavera em forma de cachos, com pequenas flores brancas.

– Os frutos são vagens semilenhosas, em formato de orelha, o que rendeu a espécie vários nomes populares.

– Cada vagem pode conter até 10 sementes que depois de secas adquirem uma coloração marrom-brilhante.

– As sementes amadurecem no inverno quando as vagens adiquirem uma coloração marrom-escuro tendendo ao preto.

Regas:

– As mudas deverão ser irrigadas no primeiro ano, após serem levadas a campo.

Tratos culturais:

– Podas para formação da planta.

Nota:

– As vagens apresentam substâncias tóxicas para o gado que, no inverno, época de grande escassez de alimentos, acabam mascando, comendo as sementes que caem no solo,destas árvores remanescentes, sobreviventes nas pastagens.

 

Como fazer mudas de Jaracatiá – Jacaratia Spinosa

Como fazer mudas de Jaracatiá – Jacaratia Spinosa 

Nome científico: Jacaratia Spinosa

Nome popular: Barrigudo, Mamão de espinho, Mamãozinho, Mamão bravo, Bananinha, Chamburú, Aracatiá.

Família: Caricaceas

Origem: Mata Atlântica, Brasil, América do Sul.

Características gerais:

– Jaracatiá, segundo a língua indígena “Tupi Guarani”, significa: “Fruto da árvore de tronco mole”.

– Trata-se de uma árvore frutífera de médio porte, de ciclo de vida perene, nativa da Mata Atlântica, com distribuição na Região Centro-Sul e Norte do Brasil, e, em seu habitat natural poderá ultrapassar 20 metros de altura.

– O jaracatiazeiro ocorre também em outras regiões da América do Sul: Bolivia, Paraguai, Equador, Peru, Guiana, etc.

– Trata-se de uma árvore de tronco não lenhoso com grande semelhança ao mamoeiro comum, o tronco e os frutos segregam leite e, os frutos lembram o mamão papaya.

Solo:

– A planta deverá ser cultivada em solo fértil, profundo, rico em material orgânico e drenável.

– O pH do solo deverá oscilar entre 5,0 a 6,5.

Clima:

– Trata-se de uma planta adaptada ao clima: Equatorial, Tropical, Subtropical.

– Deverá ser cultivada a sol pleno, pois, requer alta luminosidade.

– A planta é resistente a geadas de baixa densidade. Perde a folhagem mas, não morre. E na primavera ressurge esplendorosa.

Propagação:

– A multiplicação da planta poderá ser feita por sementes e/ou, por enraizamento de estacas dos ramos maduros.

Propagação por Sementes:

– As sementes são pequenas e, depois de preparadas e secas, se bem acondicionadas em frascos escuros, poderão conservar seu poder germinativo por mais de 1 ano.

– As sementes poderão ser cultivadas em sementeiras feitas em canteiros no solo e/ou caixas de vegetação.

– A germinação ocorrerá, geralmente, em 30 dias, após semeadura.

– As plântulas poderão ser transferidas para balainhos individuais, feitos com sacos de polietileno, quando apresentarem-se com, em média, 20 cm de altura.

– Trata-se de uma planta de crescimento rápido e, geralmente, em 6 meses após repicagem, a muda já estará com 0,50 metros de altura.

– Quando a muda atingir, em média, 0,80 metros de altura já poderá ser levada a campo.

– Antes das mudas serem levadas para seus locais definitivos, aconselha-se fazer a rustificação das mesmas com aclimatação gradativa ao sol, por algumas semanas.

– Planta de rápido crescimento, poderá chegar aos 2 metros de altura, no primeiro ano, após plantio definitivo.

– Para que ocorra a polinização cruzada será necessário plantar mais que uma árvore, com certa proximidade.

– A melhor época para levar as plantas a campo, será o início da estação chuvosa, (Primavera).

Propagação por estaquia de galhos:

– A multiplicação por estacas de galhos maduros, poderá ser feita em estufas com altas temperaturas (imitando o clima tropical) e, umidade constante.

– As Estacas deverão ser cortadas de galhos maduros, em forma de bisel, em média, com 0,50 metros de comprimento x 3,5 cm de diâmetro.

Frutificação:

– As flores são emitidas separadamente:

– As Flores femininas nascem solitárias ou, aos pares, nas axilas das folhas com os ramos, estas desabroxam em pequenos pedunculos.

– As flores masculinas também pedunculadas, são emitidas nas axilas foliares, mas em forma de inflorescências, semelhantes às flores do mamão macho, em pedúnculos bem maiores.

– Os frutos têm formatos ovalados e, quando maduros adquirem coloração amarelo-alaranjado.

– A frutificação ocorre, geralmente, entre 2 e 5 anos após plantio da muda em local definitivo.

– O amadurecimento dos frutos ocorre de Janeiro a Março.

Regas:

– Na natureza, a planta vegeta satisfatoriamente em locais onde a precipitação pluviométrica oscila entre 800 a 2.300 mm anuais.

– As plantas adultas toleram curtos espaços de estiagem.

– Mas, na formação de mudas, aconselha-se manter o solo sempre com boa umidade, a planta não deverá sofrer escassez de água durante o início de seu desenvolvimento, porém, encharcamentos deverão ser evitados, para que não ocorra o aparecimento de doenças como a ferrugem.

– As mudas, em seu primeiro ano de vida, deverão receber regas periódicas a fim de manter a umidade constante do solo.

Covas:

– Abrir covas com 50 x 50 x 50 cm.

– Adicionar ao solo removido da cova: 20 Litros de esterco animal bem curtido, 0,5 Kg de Calcáreo dolomítico.

– Os materiais adicionados deverão ser misturados ao solo removido e, somente depois de totalmente homogeneizados, deverão voltar para dentro do buraco. Esse pocedimento deverá ser realizado, em média, com 30 dias de antecedência do plantio da muda, para que os materiais adicionados incorporem-se ao solo.

Espaçamento:

– O espaçamento poderá ser de 5,0 metros entre plantas x 6,0 metros entre linhas.

Tratos culturais:

– Trata-se de uma planta rústica sem grandes necessidades de cuidados especiais.

– Podas para formação da planta.

Adubação:

– Também não haverá grandes necessidades de adubação se o solo for rico em material orgânico.

– Caso necessário, poderá ser aplicado 20 litros de esterco animal bem curtido ao redor do tronco da planta.  Aconselha-se fazer este procedimento no início da estação chuvosa, (Primavera), quando as plantas estarão emergindo de sua dormência vegetativa.

Como fazer mudas de Quaresmeira – Tibouchina granulosa

Como fazer mudas de Quaresmeira – Tibouchina granulosa

Nome Científico: Tibouchina granulosa.

Nome Popular: Flor-da-quaresma, Quaresmeira.

Família: Melastomataceae.

Origem: Mata atlântica, Brasil, América do Sul.

Características gerais:

– Trata-se de uma árvore ornamental rústica, de tamanho médio, de ciclo e vida perene, que poderá atingir mais de 8,0 metros de altura.

– Planta originária da Mata atlântica, é comum vê-la vegetando nos sopes de montanhas, matas ciliares,etc. adornando a paisagem local.

– As flores de coloração róseas e arroxeadas ocorrem duas vezes ao ano:

Florada de inverno: ocorre nos meses Junho a Agosto.

Florada de verão que se estende até o outono: ocorre de Dezembro a Março. Sendo essa última, mais densa e exuberante.

Segundo a cultura popular: A planta recebeu esse nome “Quaresmeira”, pelo simples fato, de estar em seu auge de floração, no período que coincide com a Quaresma.

– Os frutos, em formato de pequenas cápsulas marrons, abrem-se após amadurecimento.

– As sementes são minúsculas e, geralmente, são dispersas pelo vento.

Clima:

– Trata-se de uma planta adaptada a clima: Equatorial, Tropical, Subtropical.

– A planta deverá ser cultivada a céu aberto sob sol pleno, pois, requer alta luminosidade.

– Planta tolerante a curtos períodos de frio moderado.

Solo:

– A planta deverá ser cultivada em solo fértil, profundo, drenável, rico em material orgânico.

Regas:

– As regas deverão ser frequentes no primeiro ano após plantio em local definitivo.

– As regas deverão ser pocessadas a fim de manter o solo levemente umedecido.

Propagação:

– A planta poderá ser multiplicada por estaquia de galhos semi-lenhosos e/ou, por sementes.

– A taxa de germinação das sementes é muito baixa.

Coleta de sementes:

– A maturação fisiológica dos frutos, geralmente ocorre, entre 80 e 100 dias após abertura das flores. Diante disso, o início da abertura das cápsulas deverá coincidir com essa última data: 100 dias. Quando a coloração dos frutos ficar num tom de marrom-escuro.

Coleta dos frutos assim que começarem a abrir.

– Cortar os ramos que contém as cápsulas com sementes.

– Colocar os ramos sobre jornal, em local ensolarado, por algumas horas.

– As cápsulas irão se abrir, liberando as sementes.

– As sementes apresentam dormência após a maturação fisiológica, com baixa porcentagem de germinação.

– A quebra da dormência para aumentar o índice de germinação em sementes que apresentam impermeabilidade do tegumento, deverá ser feita com água quente, da seguinte forma:

– Colocar as sementes numa vasilha, em seguida despejar água quente na temperatura média de 80 ºC sobre elas, em seguida, deixar repousar por 2 dias.

– Após os 2 dias, as sementes deverão ser retiradas da água e plantadas imediatamente, Pois trata-se de sementes que perdem o poder germinativo com muita rapidez.

Plantio:

– As sementes poderão ser plantadas em canteiros, (sementeiras feitas no solo) e/ou, em caixas de vegetação.

– O substrato deverá ser rico em material orgânico.

– As sementes poderão ser aplicadas em fileiras ou, aleatoriamente.

– As sementes deverão ficar enterradas no substrato, em média, a 0,5 cm de profundidade.

– Cobrir as sementes com uma camada fina de substrato peneirado.

– Regar com jato leve de água para não desenterrar as sementes.

– Manter o substrato úmido sem encharcamento.

– Em algumas semanas as plântulas começarão a emergência.

– A taxa de germinação é considerada baixa.

– Quando as plântulas apresentarem, em média, 8 folhas e/ou, 6 cm de altura, poderão ser transplantadas em balainhos, (feitos com sacos plásticos para mudas).

– Manter os balainhos em cultivo protegido com sombreamento, em média, de 50%.

– Quando a muda atingir, em média, 0,5 metros de altura, já poderá passar pelo processo de rustificação, com aclimatação gradativa ao sol.

– Com 1,0 metro de altura, a muda já estará apta para ser plantada em local definitivo.

– A muda precisará ser tutorada para que o caule se mantenha na vertical.

– As regas deverão ser frequentes a fim de manter o substrato sempre com umidade regular, sem provocar encharcamento.

– Aconselha-se levar as mudas a campo, no início da estação chuvosa.

Para ver um vídeo desta planta CLICAR AQUI

Como fazer mudas de Uva – Vitis sp

Como fazer mudas de Uva – Vitis sp

Nome Científico: Vitis sp.

Nomes Populares: Uva,Vinha, Parreira, Videira.

Família: Vitaceae

Origem: Ásia

Características gerais:

– Trata-se de uma trepadeira de textura lenhosa, de ciclo de vida perene, cujos ramos podem atingir mais de 5,0 metros de comprimento.

– Por trata-se de uma trepadeira, necessitará ser tutorada desde a fase inicial, após plantada em seu local definitivo.

– Emite abundante ramagem flexível que fixa-se ao tutor através de gavinhas.

– Apresenta inflorescência em forma de cacho, com pequenas flores na coloração branco-esverdeado.

– Os frutos de polpa, geralmente, gelatinosa, doce e perfumada, são em formas de bagas arredondadas ou ovais. Dependendo do tipo do cultivar poderá ser: Rosa, Roxo, Verde, Preto, etc.

– O período de frutificação dependerá da época da poda, bem como, da variedade da uva e, também, do clima da região.

– Há variedades de uva com e/ou sem sementes.

Propagação:

– A planta poderá ser multiplicada por estacas de ramos maduros e por sementes.

– O sistema de plantio poderá variar dependendo da região.

– As mudas poderão ser plantadas já enxertadas e/ou, plantar o porta-enxerto (cavalo), para posteriormente fazer a enxertia.

Enxertia:

– Geralmente é feita quando os brotos do porta-enxerto atingirem, em média, o diâmetro de um lapis.

– Um dos métodos mais utilizado é o denominado: Cunha.

Porta-enxerto (Cavalo):

– As variedades selecionadas como porta-enxerto ou Cavalo, geralmente, são variedades precoces, vigorosas e, que apresentam boa rusticidade e resistência a pragas e doencças do solo.

Solo:

– O solo deverá ser areno-argiloso, fértil, enriquecido com material orgânico e bem drenado.

– A videira não tolera solos pesados e encharcado.

– O pH do solo deverá oscilar entre 5 e 6.

– Aconselha-se instalar a cultura em terrenos com declividade inferior a 20%.

Plantio de mudas previamente preparadas:

– Mudas enxertadas com raiz nua, aconselha-se o transplantio para seus locais definitivos entre Julho e Agosto.

– Para as mudas enxertadas com o torrão de substrato em suas raízes, poderá ser feito em qualquer época do ano.

– Para o sucesso dos dois casos acima, recomenda-se um sistema de irrigação eficiente.

– Caso não dispor de sistema de irrigação adequado, a melhor época de levar as mudas a campo, será o início da estação chuvosa, de Outubro a Dezembro.

Nota:

– As variedades comuns, Niágaras e Isabel, produzem sem necessitar de enxertia. São menos susceptíveis a doenças, poderão ser propagadas diretamente da planta matriz, indicada para pequenos espaços doméstico.

Covas:

– Cavar buracos de 50 x 50 x 50 cm.

– Adicionar ao solo retirado da cova: 20 Litros de esterco animal bem curtido e 1 Kg de calcário dolomítico.

– Os materiais dicionados deverão ser totalmente homogeneizados so solo removido, antes de voltar para dentro da cova.

– Esse procedimento deverá ser realizado um mês antes do recebimento da muda.

Clima:

– Plantas adaptadas a climas: Tropical, Subtropical, Temperado.

– O cultivo deverá ser feito sob sol pleno, pois a planta requer alta luminosidade.

– A insolação direta é extremamente importante para a produção da uva, pois, a doçura dos frutos está diretamente relacionada ao período de sol que a planta recebe diariamente.

– A temperatura, geralmente, deverá oscilar entre 15 e 30 °C. Porém, há uma grande variedade de híbridos que foram desenvolvidos, aclimatados e, adaptados para serem cultivados em ampla variedade de condições climáticas.

Produção de vinhos:

Variedades de uva – (Vitis vinífera) – Cultivares específicos para produção de vinhos: Vitis Labrusca, Vitis Rotundifolia, Vitis Riparia e Vitis Aestivalis.

Formação da parreira:

– Por tratar-se de uma trepadeira, a cultura precisará de suporte para ser conduzida, bem como, a sustentação dos ramos.

Tipos de parreira:

Espaldeira ou, Parreira Vertical.

– Trata-se de um sistema de parreira que lembra uma cerca para contenção de animais. Formada por postes com alguns fios de arame, onde a videira poderá ser conduzida verticalmente.

– Geralmente, utilizada na produção de uvas para fabricação de vinhos.

Latada, Pérgola, Caramanchão ou Parreira horizontal, .

– Geralmente, formada por malhas de arame, suspensas a cerca de dois metros do chão, Sustentadas por postes.

– As plantas serão conduzidas na horizontal. Esse sistema permite um melhor desenvolvimento da planta e maior produção.

Nota:

 – Os postes que suportam a parreira, deverão ser resistentes, fortes e duráveis, para acompanhar toda longevidade da vida da planta.

Espaçamentos

– Dependendo da variedade poderá ser de 2 x 2 metros até 3 x 3 metros.

Colheita:

– Geralmente, 2 anos após plantio, dependendo do cultivar, poderá ser mais tarde, até 4 anos.

– Da poda à colheita, em média, demora de 85 a 200 dias.

– Normalmente, após colheita, a planta entra em dormência vegetativa perdendo a sua densa folhagem, dando a impressão de estar morta.

– Esses períodos de repouso hibernal nas videiras, são ideais para a indução, no desenvolvimento adequado das gemas, no crescimento vegetativo vigoroso da planta, para boa frutificação da próxima safra. Porém, dependerá de alguns fatores como: Condições locais de plantio, Baixas temperaturas nas regiões de clima subtropical e temperado, Bem como, a restrição do período chuvoso nas regiões de clima tropical e semiárida.

Tratos culturais:

– Podas de frutificação, tutoramentos, amarrios, pulverizações.

– A poda serve para manter o equilíbrio entre o vigor da vegetação e a frutificação da planta.

– Aconselha-se podas anuais, geralmente, no período de repouso (inverno), ou imediatamente após surgirem as primeiras brotações nas pontas das ramagens.

Regas:

– As regas deverão ser processadas para manter o solo sempre com boa umidade.

Adubação:

– Trata-se de uma cultura exigente quanto a fertilidade do solo.

– As adubações deverão ser mensais com esterco orgânico curtido.

Para ver um vídeo desta planta CLICAR AQUI.

Como fazer mudas de Brócolis – Brassica oleracea

Como fazer mudas de Brócolis – Brassica oleracea

Nome científico: Brassica oleracea var. silvestris.

Família: Brassicaceae.

Origem; Europa.

Características gerais:

– Trata-se de uma hortaliça derivada da couve silvestre, pertencente à mesma família da couve, repolho e couve-flor.

– A parte comestível da planta trata-se de uma inflorescência, (botões florais), ainda em desenvolvimento, que se apresenta em forma de uma “cabeça”, em tons de verde acinzentado..

– A colheita deverá ser feita com as inflorescências ainda em fase inicial, tenras, macias.

– No mercado há duas variedades distintas dessa hortaliça, diferenciadas pela aparência: “Brócolis de cabeça única” e, “Brócolis tradicional ramoso”.

Variedades:

Brócolis tradicional ramoso:

– Variedade: “Ramoso-santana” – Para cultivo de Inverno.

– Variedade: “Precoce-piracicaba” – Para cultivo de Verão.

– Variedade: “Flórida, híbrido ramoso” – Para ser cultivado em ambas as estações.

Brócolis cabeça única:

– As variedades de Brócolis cabeça única, são todas híbridas, disponibilizando várias opções para cultivo de inverno quanto para cultivo de verão.

Propagação:

– A propagação da planta é feita através de sementes.

– As sementes poderão ser plantadas em canteiros (tipo sementeiras), bandejas de isopor com células, copinhos plásticos com furos para drenagem de água, etc.

– Aconselha-se fazer as mudas em bandejas de isopor com células, pois as mudas já irão para seus locais definitivos com o torrão de substrato em suas raízes.

– As bandejas poderão ficar dispostas em estufas e/ou em locais sombreados com sombrites.

– As sementes deverão ficar enterradas no substrato, em média, com 0,5 cm de profundidade, cobertas com uma camada fina de solo peneirado.

– Geralmente, 30 dias após semeadura, quando as plântulas estiverem com, em média, 5 folhas e/ou, com, em média, com 10,0 cm de altura, já poderão ser levadas a campo.

Espaçamento:

– O espaçamento será determinado de acordo com a variedade bem como o tamanho da cabeça da planta.

– Para facilidade de manejo aconselha-se espaçamento de 0,50 metros entre plantas por 1,0 metros entre linhas.

Nota:

– A variedade de Brócolis de cabeça única, é de manejo mais simples, em virtude da colheita ser feita de uma única vez, além de ser mais durável e apresentar boa resistência ao transporte. Enquanto, o Brócolis tradicional ramoso, embora muito mais saboroso, propicia colheita seccionada em várias fases, mas, é muito sensível ao transporte, apresentando outro agravante, deteriora em menos de 20 horas após ser colhido.

Clima:

– Planta adaptada ao clima Subtropical e Temperado. E, deverá ser cultivado a sol pleno.

– Há cultivares específicos desenvolvidos para produção da hortaliça em diferentes épocas do ano.

– O clima ameno é o mais adequado o seu cultivo, Porém, com o melhoramento genético, foram criadas novas variedades híbridas que permitem o plantio o ano todo.

– O Brócolis-de-cabeça vegeta melhor em temperaturas que oscilam entre 6°C a 23°C.

– O Brócolis tradicional de ramoso tolera temperaturas médias, mais altas até 28°C.

 Solo:

– Trata-se de plantas exigentes quanto ao tipo de solo.

– O solo deverá ser pesado e argiloso, profundo, totalmente drenável, rico em material orgânico.

– O pH do solo deverá oscilar entre 6 a 7. Para a correção do solo aconselha-se utilizar Calcário-dolomítico.

Preparação do solo em cultivo comercial:

– O solo deverá ser revolvido com grade aradora e nivelado com grade niveladora.

– Trata-se de plantas exigentes em: Nitrogênio, Cálcio, Potássio e Sódio, bem como, os micronutrientes: Molibdênio e Boro, que irão garantir o sucesso da produção.

Adicionar ao solo:

– Nitrogênio – 60 kg/ha.

– Fósforo – 300 a 600 kg/ha.

– Potácio – 120 a 240 kg/ha

– Boro – 3 a 4 kg/ha.

– Enxofre – 30 a 60 kg/ha.

– Após aplicação dos materiais acima descritos, o solo deverá receber mais duas demãos de grade niveladora, a fim de incorporar e homogeneizar esses nutrientes.

– A preparação do solo deverá anteceder, em média, 15 dias do plantio das mudas.

Nota:

– Evitar a deficiência de Boro e Molibdênio. A deficiência de Boro deixa a Brócolis impróprio para o consumo humano, e de Molibdênio, porque impede a formação das cabeças.

Boro:

– Preparar uma solução de 1,0 grama de “Ácido Bórico”, (ou, “Bórax”) em 1,0 litro de água.

– Fazer 3,0 aplicações, pulverizando as folhas da planta,  durante o seu ciclo reprodutivo.

Molibdênio:

– Preparar uma solução de 0,5 grama de “Molibdato de Amônia”, em 1,0 litro de água.

– Fazer 1,0 aplicação pulverizando as folhas da planta, após completar, em média, 15 dias, do plantio da muda em seu lugar definitivo.

Colheita:

– A colheita do Brócolis tradicional ramoso, em média, 75 dias após o transplantio.

– A colheita do Brócolis cabeça única, em média, 110 dias após transplantio.

– Aconselha-se evitar a colheita sob temperaturas quentes, bem como, o excesso de chuvas no período de formação da inflorescência.

– A colheita deverá ser realizada quando as inflorescências apresentarem-se bem desenvolvidas, tenras, com uma cor intensa, antes que as flores comecem a abrir.

Regas:

– Trata-se de plantas exigentes em água.

– As regas deverão ser frequentes para manter o solo com boa umidade, sem provocar alagamentos.

Como fazer mudas de couve-flor – Brassica oleracea variedade botrytis

Como fazer mudas de couve-flor

Nome científico: Brassica oleracea variedade botrytis.

Origem: Ásia.

Características gerais:

– Trata-se de uma hortaliça da mesma família da couve, repolho, brócolis.

– A parte comestível da planta trata-se de uma inflorescência, (botões florais), ainda em desenvolvimento, que se apresenta em forma de uma “cabeça”, cuja coloração poderá varia de branco ao creme.

– A colheita deverá ser feita com as inflorescências ainda em fase inicial, tenras, macias.

Propagação:

– A propagação da planta é feita através de sementes.

– As sementes poderão ser plantadas em canteiros (tipo sementeiras), bandejas de isopor com células, copinhos plásticos com furos para drenagem de água, etc.

– Aconselha-se fazer as mudas em bandejas de isopor com células, pois as mudas já irão para seus locais definitivos com o torrão de substrato em suas raízes.

– As bandejas poderão ficar dispostas em estufas e/ou em locais sombreados com sombrites.

– As sementes deverão ficar enterradas no substrato, em média, com 0,5 cm de profundidade, cobertas com camada de solo peneirado.

– Geralmente, 30 dias após semeadura, quando as plântulas estiverem com, em média 5 folhas e/ou, com, em média, com 10,0 cm de altura, já poderão ser levadas a campo.

Nota:

– Antes das mudas serem transplantadas em seus locais definitivos deverão passar pelo processo de rustificação, ou seja: Aclimatação gradativa ao sol, no período de uma semana.

Solo:

– Trata-se de plantas exigentes quanto ao tipo de solo.

– O solo deverá ser pesado e argiloso, profundo, totalmente drenável, rico em material orgânico.

– O pH do solo deverá oscilar entre 6 a 6,5. Para a correção do solo aconselha-se utilizar Calcário-dolomítico.

– Trata-se de plantas exigentes em: Nitrogênio, Cálcio, Potássio e Sódio, bem como, os micronutrientes: Molibdênio e Boro, que irão garantir o sucesso da produção.

Nota:

– Evitar a deficiência de Boro e Molibdênio. A deficiência de Boro deixa a couve-flor imprópria para o consumo humano, e de Molibdênio, porque impede a formação das cabeças.

Clima:

– Plantas de clima Tropical, Subtropical e Temperado.

– Há cultivares específicos desenvolvidos para produção da hortaliça em diferentes épocas do ano.

Plantas de clima tropical:

– Variedades denominadas: Precoce de Verão, resistente ao calor.

– Temperatura oscilando entre 20 e 25 ºC.

– Colheita em torno de 80 dias, após semeadura.

– Cultivares: Cindy, Sarah, Sharon, Shiromaru II, Piracicaba precoce, Karen, Luna, Snow flake kobayashi, Veneza, Verona 184, Verona 284,

Nota: Para evitar a incidência direta do sol no plantio de verão, as cabeças deverão ser protegidas.

Plantas de clima Subtropical:

– Variedades adaptadas ao clima moderado, para serem cultivadas no período de transição entre as estações verão e inverno. (cultura e produção de meia estação)

– Temperatura oscilando entre 15 ºC e 20 ºC.

– Colheita em torno de 110 dias, após semeadura.

– Cultivares híbridas: Barcelona e Sharon.

Plantas de clima temperado:

– Variedades adaptadas ao frio, para serem produzidas no inverno.

– Temperatura oscilando entre 5 ºC a 10 ºC.

– Colheita em torno de 130 dias, após semeadura. Consideradas variedades tardias.

-Cultivares: Bola de neve precoce, Teresópolis gigante, Teresópolis precoce, Florença, Júlia, Silver star, Snow mystique, Yuki, Barcelona, First snow kobayashi, Silver streak plus.

Regas:

– Trata-se de plantas exigentes em água.

– As regas deverão ser frequentes para manter o solo com boa umidade, sem provocar alagamentos.

Espaçamento:

– O espaçamento será determinado de acordo com a variedade bem como o tamanho da cabeça da planta.

– Para facilidade de manejo aconselha-se espaçamento de 0,50 metros entre plantas por 1,0 metros entre linhas.

Colheita:

– A couve-flor deverá ser colhida em fase tenra, quando os botões florais ainda estiverem em formação, porém, quando a cabeça atingir seu pleno desenvolvimento, ou seja: em média, 1,5 kg.

– Nota: A colheita não poderá ser postergada, passando do ponto. Pois,as inflorescências começarão a desabrochar, tornando-se inadequadas para o consumo.

Consideração finais:

– Trata-se de uma planta com alto valor nutricional, rica em Cálcio, Fósforo, Vitamina C, etc. E, poderá facilmente ser cultivada em hortas caseira, com baixo custo de produção, para o consumo familiar.

 

Como fazer mudas de Dracena – Dracaena marginata

Como fazer mudas de Dracena – Dracaena marginata

Nome Científico: Dracaena marginata.

Nome Popular: Dracena-de-madagascar, Dracena.

Família: Ruscaceae.

Origem: Madagascar, África.

Características gerais:

– Trata-se de plantas arbustivas, ornamentais, de ciclo de vida perene, rústica, resistente, com variedades que poderão atingir mais de 4,0 metros de altura.

– A planta que se apresenta com ramagem ereta vertical, ao longo do tempo vai perfilhando, ficando entouceirada.

– Planta de crescimento moderado.

Clima:

Planta adaptada a climas: Equatorial, Tropical, Subtropical. E deverá ser cultivada a sol pleno, pois, necessita de alta luminosidade para apresentar-se com vitalidade plena. Porém, tolera ser cultivada em locais sombreados.

– A planta não resiste frios intensos e/ou ventos fortes.

Solo:

– Por tratar-se de plantas rústicas e resistentes, não é exigente quanto ao tipo de solo. Mas, para que cresça com total exuberância aconselha-se cultiva-la em solo fértil, leve, profundo, drenável, rico em material orgânico.

Propagação:

– A planta poderá ser multiplicada por estaquia.

As estacas poderão ser plantadas diretamente em seus locais definitivos, ou postas para enraizar em recipientes de vidro, com água.

Estacas plantadas em seus locais definitivos:

– Cortar brotos ou ponteiros maduros, em média com 0,5 metros de comprimento.

– Desbastar as folhas da base das estacas.

– Enterrar, em média, até a metade.

– Aconselha-se fazer essa prática no início da estação chuvosa, (primavera), quando as plantas estarão saindo de sua dormência vegetativa.

Método das Estacas enraizadas em recipientes com água.

– Procedimento simples, fácil e infalível, geralmente não se perde uma estaca.

– Cortar estacas de troncos maduros, ou seja: pedaços com 15 a 20 centímetros de comprimento.

– Retirar todas as folhas.

– Colocar em recipientes de vidro com água. (observar que a parte inferior do tronco deverá ficar sempre para baixo.)

-Trocar a água periodicamente para evitar a proliferação do mosquito da dengue.

– Em um mês iniciará a brotação e logo em seguida, aparecerão as primeiras raízes.

– Quando os brotos estiverem com aproximadamente 15 centímetros de altura, já poderão ser levados para seus locais definitivos.

– Poderão ser plantados no solo e/ou em vasos.

Plantas cultivada em vasos:

– Os vasos deverão ser de bom tamanho para que a planta se desenvolva satisfatoriamente, não prejudicando o seu sistema radicular.

– Os vasos deverão ser colocados em locais estratégicos, com boa iluminação.

– É desejável que a planta receba luz solar pelo menos algumas horas por dia.

Tratos culturais:

– Remover as folhas secas e velhas.

– Quando a planta apresentar-se muito entouceirada, remover brotos, (perfilhos), deixando-a mais aerada.

Adubação:

– A adubação poderá ser realizada no início da primavera com esterco animal bem curtido.

Regas:

-As regas deverão ser periódicas, apenas para manter o solo ligeiramente umedecido.

Para ver um vídeo desta planta CLICAR AQUI