Como fazer mudas de ingá – Ingazeiro

Como fazer mudas de ingá – Ingazeiro

Nome científico: Ingá vera Willd

Nome popular: Ingá, ingazeiro, ingá do brejo, ingá-feijão, ingá-banana, angá,

Origem: América do Sul.

Características gerais:

– Trata-se de uma leguminosa, de ciclo de vida perene, que pode atingir até 10 metros de altura.

– As flores ocorrem normalmente de julho a novembro.

– As flores são brancas, pequenas, com longos estames brancos, levemente perfumados, atraindo beija-flores, abelhas e outros insetos.

– Por se tratar de uma leguminosa a frutificação se dará em forma de vagens que, dependendo da espécie, pode variar de 5 a 20 cm de comprimento,

– Os frutos maduros ocorrem geralmente entre dezembro e fevereiro.

– As vagens contêm várias sementes, envoltas em poupa carnosa branca adocicada.

– A poupa carnosa branca e adocicada que envolve as sementes é comestível…

Propagação:

– A propagação do ingazeiro geralmente é feito por sementes.

– Colher as vagens maduras.

– Abrir as vagens para a retirada das sementes.

– Remover com cuidado a polpa carnosa branca e adocicada, para não danificar as sementes.

– As sementes deverão ser plantadas imediatamente depois de colhidas, (As sementes perdem o poder germinativo em 10 dias).

– Aconselha-se plantar de 1 a 2 sementes por saco de polietileno previamente preenchido com o substrato de composto orgânico.

– As sementes deverão ficar soterradas no substrato, em média, a 1 cm de profundidade.

– Colocar os sacos de polietileno em local arejado, mas, semiprotegido da incidência direta do sol.

– Regar e manter o substrato dos sacos de polietileno com umidade constante, sem provocar encharcamento.

– A germinação é rápida, em média, 15 a 30 dias, e a percentagem de plantas obtidas é bem expressiva.

– As mudas crescem rápido, atingindo 40 cm de altura com 6 meses após a germinação.

 Substrato do saco de polietileno:

– O substrato deverá ser feito com uma mistura totalmente homogeneizada de: 40% de terra, 30% de areia e 30% de matéria orgânica bem curtida.

Clima:

– Trata-se de uma planta totalmente adaptada ao clima quente: equatorial, tropical e subtropical.

– A planta necessita de alta luminosidade e deverá ser plantada a sol pleno.

– Nota: Planta bastante resiste a baixas temperaturas (até 3 graus).

 Solo:

– Trata-se de uma planta rústica, de fácil cultivo.

– Planta adaptada a solo úmido e profundo, pouco exigente quanto à fertilidade do solo.

-pH neutro (ente 5,0 a 6,2).

Espaçamento:

– O espaçamento recomendado poderá ser 5 x 5 ou 6 x 6 metros, em covas abertas com no mínimo 2 meses antes do plantio.

Dimensões das covas:

– As covas deverão ser abertas com 50 x 50 x 50 cm.

– Misturar ao solo retirado da cova os seguintes materiais: 500 g de calcário, 1 kg de cinzas de madeira.  Após homogeneização de todos os componentes ao solo retirado da cova, o composto deverá voltar para dentro da cova, para maturação.

Locais definitivos:

– Antes das mudas serem levadas à campo, deverá ser feito  aclimatação gradativa ao sol.

– Cavar buracos, imediatamente maior que o torrão da muda, na cova previamente preparada para receber a planta.

– Em seguida, acomodar o torrão com a muda, e completar a cova com o solo removido.

– Na sequência, tutorar a muda, amarrando-a para que ela cresça verticalmente.

– Regar.

– A planta começará a frutificar com 3 a 4 anos, dependendo do clima e dos tratos culturais.

Regas:

– Aconselha-se levar as plantas a campo no início da estação chuvosa.

– Caso as mudas forem levadas para seus locais definitivos, em períodos secos, as plantas necessitarão ser irrigadas em dias alternados.

Tratos culturais:

– Fazer podas de formação de formação da planta, retirando brotos laterais e ramos mal formados e secos.

– Fazer capina de coroamento  para eliminar qualquer erva daninha que possa sufocar a planta em crescimento.

Fertilização:

– Aplicar de 3 a 4 kg de composto orgânico feito de esterco animal curtido, adicionando  30 gramas de NPK 10-10-10.

– Distribuir os nutrientes a 5 cm superficialmente e,  a 20 cm do caule da planta no inicio da estação chuvosa do ano.

Utilização:

– Planta largamente utilizada para recompor áreas degradadas, bordas de rios, represas, lagos.

– Os frutos são bastante apreciados pela fauna silvestre: Pássaros: periquitos, jandaias e papagaios. Peixes e Mamíferos como macacos. Os quais acabam fazendo a propagação natural da planta, distribuindo sementes em suas fezes, nas matas ciliares.

Propriedades medicinais:

– Segundo a farmacopeia popular a planta apresenta várias propriedades medicinais.

Para ver um vídeo de um  ingazeiro florido, CLICAR AQUI

Leia Mais

Como fazer mudas de Ipê Rosa – Tabebuia pentaphylla.

Como fazer mudas de Ipê Rosa

Nome científico: Tabebuia pentaphylla.

Nome popular: Ipê rosa, Piúva.

Origem: Brasil, América do Sul.

Características gerais:

– Trata-se de uma planta de crescimento rápido, quando adulta, pode atingir mais de 30 metros de altura.

– A planta floresce no inverno, provendo alimento para abelhas e beija-flores, numa época de escassez acentuada de flores.

– É largamente empregada no paisagismo urbano, por apresentar belíssimas inflorescências coloridas.

Clima:

– Planta adaptada ao clima quente: Tropical, subtropical, equatorial.  Sensível a geadas.

– Deverá ser cultivada a sol pleno.

Solo:

– O ipê é uma planta relativamente rústica, desenvolvendo-se satisfatoriamente em diversos tipos de solo. Mas, para que ela chegue ao seu máximo, deverá ser cultivada em solos férteis e bem drenados.

– Trata-se de uma espécie recomendada para recuperação de ecossistemas degradados.

Propagação:

– A produção de mudas, geralmente, é feita através de sementes.

– As vagens deverão ser coletadas, maduras, mas, antes da dispersão das sementes, pois se trata de sementes aladas.

– Na natureza, as sementes são espalhadas pelo vento.

– Após a coleta das vagens, a extração das sementes deverá ser feita manualmente e, após extraídas, deverão ficar à sombra, em ambiente ventilado.

– As sementes do ipê deverão ser plantadas em até três meses depois de colhidas, pois, a partir desse período, perdem o poder germinativo facilmente.

– Numa segunda hipótese, depois de coletadas, se forem colocadas em vidros esterilizado, e hermeticamente fechados, resistirão até no máximo nove meses, se armazenadas em câmara fria.

Sementeiras:

– A melhor maneira de plantá-las (para uma produção não industrial) será pelo método de sementeiras, ou seja: preparar em local sombreado, um canteiro, afofando bem a terra, que deverá ser de boa qualidade, misturando em seguida, uma porção generosa de material orgânico: esterco animal ou, folhas em decomposição, homogeneizar bem para a aeração do solo… Em seguida, nivelar a superfície e na sequencia, distribuir as sementes, cobrindo-as com uma camada de terra de no máximo um centímetro…

-Manter o local úmido sem encharcar…

– Após as mudas atingirem mais ou menos dez centímetros de altura, deverão ser transplantadas em balainhos. (sacos de polietileno).

Após as mudas, nos balainhos, atingirem aproximadamente, trinta centímetros de altura, e depois de serem aclimatadas ao sol, por um período de mais ou menos um mês, deverão ser transplantadas para seus lugares definitivos.

Locais definitivos:

– Aconselha-se que as mudas deverão ser transplantadas em seus locais definitivos, no início da estação chuvosa, para não sentir muito o estresse da mudança.

Nota:

– Os ipês são plantas pouco exigentes e se desenvolvem em todo o território brasileiro,

– As sementes não necessitam de quebra de dormência.

– As sementes, também podem ser semeadas diretamente nos balainhos.

– A germinação ocorre após 30 dias em de 80% das sementes.

Para ver um vídeo desta planta CLICAR AQUI

Leia Mais

Como fazer mudas de Mulungu.

Como fazer mudas de Mulungu – Mulungu do litoral.

Nome científico: Erythrina speciosa.

Nomes populares: Mulungu, Corticeira, Eritrina, Eritrina-candelabro, Eritrina-vermelha, Mulungu do litoral.

Origem: América do Sul, Brasil.

Características gerais:

– Trata-se de uma árvore tipicamente ornamental, nativa da mata atlântica, de ciclo de vida perene, que pode atingir mais de 4 metros de altura.

– O florescimento ocorre no inverno e início da primavera.

– Suas flores de coloração vermelho vivo, atraem beija-flores e psitacídeos, (periquitos e papagaios), que se alimentam delas, numa época em que há escassez de frutos silvestres  na natureza.

– As sementes ocorrem em vagens, semelhantes a feijões.

Clima:

– Planta adaptada ao clima: Tropical, subtropical e Equatorial, e deverá ser cultivada a pleno sol.

Solo:

– Trata-se de uma planta rústica capaz de se desenvolver em qualquer tipo de solo. Mas, para atingir maior exuberância, deverá ser plantada em solo fértil, com boa precipitação pluviométrica anual.

– Por se tratar e uma planta nativa da mata atlântica, aprecia alto teor de umidade, inclusive tolera solos parcialmente encharcados.

Propagação:

– A planta propaga-se por sementes e por estaquia de galhos maduros.

Propagação por sementes:

– As sementes deverão ser plantadas tão logo que sejam colhidas para não perder seu potencial germinativo.

– As sementes não requer nenhum tipo de tratamento e nem quebra de dormência,  antes de serem plantadas.

– As sementes deverão ser plantadas em balainhos, feitos com sacos de polietileno ou, com qualquer outro material disponível, para posterior repicagem , quando a planta atingir, em média, 30 cm de altura.

– As mudas crescem rapidamente e, estarão prontas para o plantio, em média, com  4 meses depois de plantadas.

– As mudas deverão ser levadas a campo, preferencialmente, no início da estação chuvosa.

Propagação por estaquia:

– A propagação por estaquia deverá ser feita, preferencialmente, em seu lugar definitivo.

– Cortam-se pedaços de ramos maduros, em média, com 30 cm de comprimento, enterrando-os até a metade.

– A propagação por estaquia deverá ocorrer no inicio da estação chuvosa, quando as plantas estarão emergindo da dormência vegetativa, provocada pelo inverno.

– A propagação por estaquia apresenta rápido desenvolvimento.

Para ver um vídeo desta Planta CLICAR AQUI

Leia Mais

Como fazer mudas de Baru – Cumbaru – Cumaru – Cumaruzeiro

Como fazer mudas de Baru – Cumbaru – Cumaru

Nome científico: Dypterix alata.

Nomes Populares: baru, cumbaru, castanha-de-barata, barujó, castanha-de-ferro, coco-feijão, cumarurana, cumaru-verdadeiro, cumaru-roxo, cumbary, emburena-brava, feijão-coco, meriparagé.

Origem: Brasil, Região de cerrados brasileiros.

Características gerais:

– A frutificação do cumaruzeiro, geralmente, inicia-se aos seis anos.

– Trata-se de uma árvore leguminosa de médio porte. Uma planta poderá atingir, em média, até 15 metros de altura, com diâmetro do tronco em torno de 70 cm.

– Trata-se de uma árvore hermafrodita. Os frutos de forma arredondados, elípticos, em média, tem 6 cm de comprimento por  4 cm de largura, geralmente na cor  marrom-claro. A polpa é comestível e tem sabor levemente adocicado. No interior do fruto contém uma única semente, (amêndoa comestível), que é a parte mais nutritiva da planta.

– A planta é endêmica nos cerrados da região central do Brasil, mas, também ocorre nas regiões: sudeste, norte e nordeste.

– A floração geralmente ocorre de novembro a maio e a frutificação de outubro a março, mas, poderá variar de acordo com cada região.

– A colheita, geralmente é feita, após o pico de queda dos frutos maduros no solo.

– Sabe-se que a amêndoa do cumaruzeiro tem alto valor nutricional, cujo sabor é semelhante ao do amendoim. Diante disso, atribuíram-lhe propriedades afrodisíacas.

– A polpa do baru constitui importante fonte de alimento para a fauna nativa, (mamíferos, roedores, morcego, etc.).

– Quando a árvore ocorre dentro das pastagens o gado também se alimenta da polpa, roendo os frutos caídos no solo na época da safra.

– Na natureza, esse processo de animais roerem os frutos para se alimentarem da poupa, acaba ajudando a planta na sua propagação natural, pois, fará o método de quebra de dormência pelo processo da escarificação mecânica e, consiste em: atritar os frutos com os dentes, no processo de mastigação, que irá gastar parte do tegumento impermeável (casca dura), para facilitar a absorção de água, luz e oxigênio, pelo embrião, acordando-o para emergência.

Propagação:

– Para propagação da espécie usam-se tanto as sementes inteiras ou, apenas as amêndoas.

– Na natureza, como foi descrito acima, os animais mamíferos de grande e médio porte, como: gado, suínos, antas, veados, etc. encarregam-se de fazer a propagação e distribuição da planta. (roem os frutos, e a maioria desses frutos acabam sendo enterrados pelo pisoteio desses animais e, uma boa parcela desses frutos enterrados acaba germinando).

– Em escala doméstica, para plantar o fruto inteiro será necessário fazer a quebra da dormência, atritando o fruto a uma superfície áspera como: lixa, piso de cimento rústico, etc. (escarificação mecânica), para gastar parte do tegumento impermeável da semente e, imediatamente após o processo de escarificação as sementes deverão ficar imersas em água por um período de 24 horas, antes de serem plantadas ou, se preferir, retirar a amêndoa de dentro do fruto, sem danificá-la e em seguida plantá-la.

– O processo da quebra do fruto para retirada da amêndoa deverá ser feito com o auxílio de uma morsa, martelo, etc. tomando o devido cuidado para não danificá-la.

– Recomenda-se quebrar apenas os frutos que, ao serem sacudidos, perceber nitidamente a amêndoa solta, balançando dentro deles.

– Para semeadura feita com sementes nuas, (amêndoas) a emergência é mais rápida, geralmente com quinze dias já estarão germinadas.

– Para semeadura feita com frutos inteiros (com escarificação mecânica e, imersas em água por 24 horas), geralmente demora em torno de 45 dias para germinar.

– As mudas dessa espécie deverão ser mantidas a pleno sol, pois à sombra poderão sofrer ataque de fungos Cilindrocladium sp., e, ou, outras pragas.

– Trata-se de plantas de crescimento rápido. Geralmente, com dois meses de vida, as mudas atingirão, em média, 15 cm de altura.

– A parte subterrânea (raízes), apresenta desenvolvimento mais rápido que a parte aérea da planta.

Seleção das sementes:

– Para iniciar uma plantação deverá ser feita a coleta de frutos no campo.

– As matrizes fornecedoras de tais sementes deverão ser vigorosas, produtivas, com frutos uniformes, livres de pragas e doenças.

Solo:

– Trata-se de uma planta rústica, sem grandes exigências, porém é mais produtiva quando cultivada em áreas de solos mais férteis.

Clima:

– Trata-se de uma planta totalmente adaptada ao clima quente. E deverá ser cultivada a sol pleno.

Viveiro de mudas:

– O viveiro de mudas deverá ser instalado a céu aberto.

– A semeadura deverá ocorrer o mais breve possível após coleta das sementes.

– Aconselha-se a produção das mudas em sacos de polietileno (tamanho médio).

– Plantar de uma a duas sementes, ou, amêndoas por saco, enterrando-as a uma profundidade média de 1 cm.

– A porcentagem de germinação, geralmente, é de 90%.

– O período de germinação para amêndoas demora, em média, 15 dias.

– O período de germinação das sementes submetida ao processo de escarificação mecânica e embebidas por 24 horas em água, antes de serem plantada, demora, em média, 45 dias.

Substrato dos sacos de polietileno:

– Por se tratar de uma planta rústica do cerrado, o substrato onde serão plantadas as sementes deverá ser um solo de boa qualidade incorporado algum tipo (em pequena quantidade), de esterco animal bem curtido.

Regas:

– As regas deverão ser frequentes, apenas para manter o substrato dos sacos de polietileno levemente umedecidos.

Plantio das mudas em locais definitivos:

-O plantio das mudas no campo deverá ser feito no período chuvoso do ano.

– O espaçamento poderá ser de 8 metros entre planta por 10 metros entre ruas.

Colheita:

– A colheita é feita após o pico de queda dos frutos maduros no solo.

– Geralmente a safra tem variações bruscas de intensidade na produção de frutos de um ano para o outro.  Planta intermitente, produz uma safra regular a cada 2 anos.

– Uma árvore adulta produz cerca de 150 kg de frutos por safra regular.

Para ver um vídeo dessa planta CLICAR AQUI

Leia Mais

Como fazer mudas de Flamboyant – Flamboiã – Delonix regia.

Como fazer mudas de Flamboyant – Flamboiã

Nome científico: Delonix regia.

Nome popular: Flamboyant, árvore flamejante, flor do paraíso, Flamboiã, Flamboaiã .

Origem: África, Madagascar e Ilhas do Oceano Índico.

 Características gerais:

– A Flamboyant é considerada uma das árvores mais belas do mundo.

– O nome Flamboyant vem da língua Francesa e significa: “Guarda-sol Flamejante”.

– Trata-se de uma árvore leguminosa, de ciclo de vida perene, que pode atingir mais de 10 metros de altura.

– Geralmente, a planta apresenta um tronco retilíneo, robusto, abrindo no alto uma grande copa em forma “guarda-sol”.

– Planta  indicada para áreas abertas com grandes espaços que possibilitem seu desenvolvimento.

– O auge da floração ocorre na primavera e no verão. Com variedades que apresentam flores nas cores: vermelha, laranja e salmão-amarelado.

– Seus frutos são em formas de grandes vagens achatadas que podem conter em seu interior, uma grande quantidade de sementes.

– Do plantio até a floração, geralmente, há um intervalo de até 8 anos.

Nota: –

– Por se tratar de uma árvore de grande porte que possui um sistema radicular extenso e agressivo, há algumas contraindicações para o plantio do flamboyant nos grandes centros urbanos. Suas raízes aéreas podem danificar calçadas, redes de esgoto, muros e construções.

– Porém, há uma forma de contornar parcialmente esse problema com as raízes agressivas. Plantando as mudas dentro de grandes tubos de concreto, forçando o desenvolvimento do sistema radicular, direcionando-o ao subsolo.

Propagação:

– Em escala doméstica, a propagação da planta é feita por sementes.

– Sementes de flamboyant (Delonix regia) apresentam germinação baixa e irregular devido à presença de dormência vegetativa, causada pela impermeabilidade do tegumento.

Entre os tratamentos para superação de dormência realizada pela “Revista Verde” destacam-se:

  • Escarificação mecânica –(Escarificação mecânica por 5 minutos).
  • Aquecimento em H2O a 80 ºC. – (Água quente à 80º C por 5 min + embebição em água por 24 horas).

Clima:

– Trata-se de uma planta extremamente rústica, adaptada ao clima tropical e úmido e deverá ser cultivada a sol pleno. Mas, tolera geada fraca e temperaturas mínimas próximas a zero grau.

– A planta tolera baixas temperaturas pelo simples motivo de ser uma planta  caducifólia,  ou seja: perde suas folhas, geralmente, no inverno.

Plantio:

– As mudas deverão ser levadas para seus locais definitivos, em média, com um ano de idade, preferencialmente, na estação chuvosa do ano.

– A planta em formação, na ausência de chuvas, deverá ser regada de uma a duas vezes por semana.

Solo:

– Por se tratar de uma planta rústica, não haverá muita exigência quanto ao solo, desde que seja poroso e com boa drenagem.

Fertilização:

– Não haverá grandes necessidades.

– Porém se o solo for muito pobre em nutrientes, poderão ser abertas covas, em média, com 40 x 40 x 40 cm e misturar no solo retirado, cerca de 20 a 30 litros de esterco de animal, bem curtido ou, 10 colheres de sopa de adubo químico: NPK 10:10:10.

– A preparação das covas deverá anteceder, em média, 30 dias do plantio das mudas.

Poda:

– Apenas para a formação da planta.

 

Leia Mais

Como fazer mudas de Orquídea Baunilha – Vanilla planifólia

Como fazer mudas de Orquídea Baunilha – Vanilla planifólia

Nome científico: Vanilla planifólia

Nome popular: Baunilha

Origem: México

Características gerais:

– Trata-se de uma orquídea trepadeira, cujos ramos podem atingir mais de 10 metros de comprimento.

– Na natureza é facilmente encontrada agarrada a troncos de árvores ou, coqueiros, geralmente em matas ciliares e, ou terrenos pantanosos.

Propagação:

– Na natureza a planta se propaga através de sementes, mas, em propagação doméstica, o melhor método é o da estaquia de seus ramos.

– Cortar pedaços de ramos, em média, com 30 a 50 cm de comprimento.

– Enterrar no solo, em média, 10 cm, observar que a parte que ficará enterrada deverá ter de dois a três nós, os quais emitirão as primeiras raízes.

– As folhas dos nós que ficarão soterrados, deverão ser removidas.

– O enraizamento das mudas acontecerá, geralmente, em um mês, quando a planta apresentar início em seu desenvolvimento.

Nota:

– Para mudas feitas em balainhos (saquinhos de polietileno) deverá ser tutorada com uma estaca de madeira.

– Para mudas plantadas em locais definitivos, junto a trocos de árvores ou coqueiros, deverá ser guiada, amarrada a esse tronco.

Obs.

– Por se tratar de uma trepadeira, a planta deverá ser guiada desde os primeiros instantes, mesmo na fase inicial de mudas. Mas, com o passar do tempo, ela se desenvolverá por si só, emitindo raízes aéreas, prendendo-se ao tronco tutor, por conta própria.

– Geralmente, depois de bem desenvolvida, a planta não mais necessitará dos alimentos vindos do solo e, através de suas raízes aéreas ela catalisará todos os nutrientes de que necessitará para sua manutenção, retirando-os da umidade relativa do ar e dos componentes do ar atmosférico. Diante disso, a parte inferior da planta, justamente aquela que estava enterrada no solo, geralmente, apodrece.

Clima:

– Trata-se de uma planta adaptada a climas tropicais, com temperatura média, acima de 21°C.  E, na natureza como está diretamente ligada a nichos aquáticos, a planta irá requerer: alta umidade relativa do ar, bem como, chuvas bem distribuídas o ano todo.

Obs.

– O ambiente para se cultivar essa planta, com sucesso, em escala doméstica, deverá ser bem próximo ao encontrado na natureza.

Luminosidade:

– A planta tolera a incidência do sol, mas, aconselha-se o seu cultivo em lugares parcialmente sombreados.

Solo:

– A planta tolera solos com grande umidade, porém as mudas deverão ser preparadas com substrato leve, rico em material orgânico, levemente umedecido.

– Geralmente, o solo será necessário apenas na fase inicial da vida da planta, depois de totalmente desenvolvida, ela obterá seus nutrientes através de suas raízes aéreas.

Regas:

– As regas deverão ser efetuadas apenas para manter o solo com boa umidade.

Colheita:

– O produto principal dessa orquídea são as vagens que depois de desidratadas se extrai a essência de baunilha. Produto largamente utilizado na culinária.

– A planta iniciará o período de floração, geralmente, no terceiro ano depois de plantada.

– O tempo entre floração e colheita das vagens, em média, será de oito meses.

– As vagens deverão ser colhidas no início do seu processo de maturação, quando sua coloração passar de verde, para um tom de verde pálido.

Para ver um vídeo dessa planta:  CLICAR AQUI

Leia Mais

Como fazer mudas de Melão de São Caetano

Como fazer mudas de Melão de São Caetano

Nome científico:  Momordica charantia.

Nome popular: Melão de São Caetano, Erva de São Caetano, Erva de lavadeira, Fruto de cobra, Melãozinho amargo, Erva de São Vicente, Quiabeiro de angola, Balsam pear (inglês), Pomme de merveille (francês), Balsamia (espanhol).

Origem: Ásia, introduzida no Brasil vinda da África.

Características gerais:

– Existe várias cultivares: Momordica chinensis, Momordica elegans, Momordica indica, Momordica operculata, Momordica sinensis, Sicyos fauriei, cuja forma, tamanho, textura externa, são diferenciados.

-Trata-se de plantas trepadeiras herbáceas, pertencentes à família das Cucurbitaceae, de ciclo de vida anual, que necessitam de tutoramento para se desenvolver.

– Seus ramos podem atingir até cinco metros de comprimento e, na natureza, estará sempre associada às galhadas de árvores, ou arbustos.

– O nome popular de: “Erva de lavadeira”, está diretamente ligado ao clareamento de roupas, quando as lavadeiras utilizavam suas folhas em infusão, para retirar manchas, bem como, o clareamento de suas vestes.

– A planta apresenta flores femininas e masculinas.

Propagação:

– A propagação da planta é feita através de sementes.

– Na natureza é disseminada por animais silvestres que dela se alimentam.

– Trata-se de uma planta extremamente rústica, encontradas em locais considerados inóspitos. Sendo, muitas vezes, avaliada pelos agricultores, como invasora, uma erva daninha, que invade suas lavouras.

Procedimentos:

– As sementes deverão ser retiradas dos frutos maduros, depois de lavadas, deverão ser postas para secar em local sombreado, por algumas horas.

– Enterrar 2 a 3 sementes por balainho, a uma profundidade média de meio centímetro.

– Colocar os balainhos em local semissombreado e regar.

– Manter o solo dos balainhos levemente umedecidos.

– Dentro de 30 dias as sementes já estarão germinadas.

– As plantas deverão ser levadas para o seus locais definitivos, quando apresentarem, em média, 15 centímetro de altura.

– As mudas deverão ser tutoradas já nos primeiros dias, após, ser transplantadas.

Nota:

– Os balainhos poderão ser feitos de jornal, saquinhos de polietileno, ou copo descartável perfurado no fundo para drenagem de água.

Clima:

– Trata-se de uma planta adaptada a clima quente e úmido.

– Deverá ser cultivada a sol pleno. Mas, tolera sombra parcial.

– A planta não tolera frio intenso.

Solo:

– Por se tratar de uma planta rústica, não requer grandes cuidados. Porém vegeta melhor em solos ricos em material orgânico.

– O pH do solo deverá oscilar entre 5,5 a 6,5.

Regas:

Manter o solo levemente umedecido.

Tratos culturais:

– Para induzir a planta a emitir várias ramificações, é necessário podar a ponta do ramo principal.

Colheita:

– A colheita geralmente começará de dois a quatro meses após o plantio.

Nota:

– Trata-se de uma planta tóxica.

– Os frutos são comestíveis, porém, as sementes são tóxicas.

Planta medicinal:

– Segundo a farmacopeia popular, esta planta contém várias propriedades medicinais.

Leia Mais

Como fazer mudas – Horta orgânica – Compostagem – Composteira.

Como fazer mudas – Horta orgânica – Compostagem – Composteira.

Compostagem:

Considerações gerais:

– A compostagem é um processo biológico natural, onde micro-organismos como: bactérias e fungos responsáveis pela degradação transformam matéria orgânica em composto orgânico: adubo.

– Portanto, a transformação da matéria orgânica bruta em húmus é um processo, basicamente, microbiológico.

– Trata-se de um método de valorização e enriquecimento da matéria orgânica, consequente da homogeneização dos diversos componentes, diferentes entre si, ora sendo processados.

Reciclagem:

Reciclagem é o aproveitamento da matéria orgânica, (lixo orgânico), que poderá ser de origem: doméstica, urbana, industrial, agrícola e florestal, para fazer compostagem.

Características das fases do  processo de compostagem :

Fase mesofílica:

– Fase em que, fungos e bactérias mesófilas (Organismos que só se desenvolvem em condições de temperatura medianas), ou seja: organismos ativos a temperaturas ambiente, moderada (próximas de 40°C).

– Esses fungos e bactérias, organismos mesófilos, começam a se proliferar assim que a matéria orgânica for aglomerada na composteira, são de extrema importância para decomposição do lixo orgânico. Eles vão metabolizar principalmente os nutrientes mais facilmente encontrados, ou seja, as moléculas mais simples.

– Esta fase tem duração de aproximadamente de 15 dias.

Fase termofílica:

– Dependerá das características físicas dos materiais que ora estarão sendo degradados.

– Fase que entram em cena os fungos e bactérias denominados de termofilicos ou termófilos, (microrganismos que vivem e se desenvolvem em ambientes com temperaturas elevadas, geralmente. acima de 40°C), e, neste caso, são capazes de sobreviverem a temperaturas entre 65°C e 70°C. Devido à influência da maior disponibilidade de Oxigênio, geralmente promovida pelo processo do revolvimento da composteira.

– A essa elevação da temperatura nesses níveis, haverá uma perfeita degradação das moléculas mais complexas que ajudam na eliminação de agentes patógenos.

– Trata-se da fase mais longa do processo e, poderá se estender por até dois meses.

Fase de maturação:

– A maturação é a última fase do processo de compostagem.

– Fase em que haverá a diminuição gradativa da atividade microbiana, acidez do composto, juntamente com as quedas de temperatura (até se aproximar da temperatura ambiente).

– Trata-se do período de estabilização de todo um processo que resultou um composto maturado.

– A maturidade do composto ocorre quando a atividade da decomposição microbiológica se completa e a matéria orgânica é transformada em húmus, livre de toxicidade, metais pesados e patógenos.

– Esta fase poderá  durar até dois meses.

Considerações finais:

– A compostagem poderá demandar, aproximadamente, seis meses de duração.

– O produto final, gerado a partir desse processo de degradação irá receber o nome de composto orgânico, que é um material estável, rico em substâncias húmicas e nutriente mineral, poderá ser utilizado em hortas, jardins e fins agrícolas, como adubo orgânico, devolvendo à terra todos os nutrientes de que ela necessita,  substituindo  assim, o uso de fertilizantes químicos.

Como fazer uma composteira:

Composteira é o local onde se deposita os diversos materiais orgânicos, para o devido processamento.

– Dependendo da necessidade, ou do volume de material disponível, a composteira poderá apresentar tamanhos e formatos diferenciados.

– A Composteira de médio porte, geralmente é feita em forma de leiras ou amontoas do material a ser decomposto, construídas a céu aberto.

– O terreno do local deverá ser plano.

Materiais necessários:

– Em primeiro plano, os resíduos que se deseja fazer a compostagem, ou seja: Esterco de gado, cama de frango, resíduos vegetais, resíduos domésticos, etc.

– Um tubo de PVC, geralmente, com duas polegadas de diâmetro, altura conforme necessidade. O qual deverá conter vários furos em toda a sua extensão.

– Deverá conter uma torneira de água nas proximidades do local.

– Mangueiras plásticas que irão ligar a fonte de água (torneira), à composteira.

Nota:

– O tubo de PVC deverá ser colocado no centro da composteira.

– A fonte de água e as mangueiras plásticas, servirão para manter a composteira sempre com umidade constante, para que o processo microbiológico não seja interrompido.

– Os furos no tubo de PVC servirão para irrigar o centro da composteira de forma uniforme e também para dissipação do calor excessivo que se formará em seu interior.

Procedimentos:

– Os materiais a serem utilizados na compostagem poderão ser colocados misturados, ou em camadas.

– O tubo de PVC deverá ser introduzido no centro da composteira, no ato de sua construção, desde o nível do solo.

– As camadas de material, deverão ser colocadas alternadas, e, em seguida, molhadas: camada por camada.

– Depois de pronta, a composteira deverá ser sumariamente molhada. A mangueira plástica deverá ser introduzida dentro do tubo de PVC para que receba água por igual.

-A torneira somente deverá ser desligada quando perceber que a umidade esteja plena e perfeitamente distribuída.

– A partir desse ponto, somente voltar com as regas, quando perceber que a umidade local esteja baixa.

Fatores que irão ocorrer no processo de compostagem:

Temperatura:

– O processo de decomposição da matéria orgânica por micro-organismos está diretamente relacionado ao aumento da temperatura, pela metabolização da matéria orgânica por meio dos micro-organismos.

– A elevação da temperatura acontecerá por vários fatores, como: a quebra das proteínas, umidade, baixa relação carbono/nitrogênio, entre outros.

Umidade:

– A água é fundamental no processo de degradação, pois a umidade garante a intensa atividade microbiológica. Isto se explica porque, entre outros fatores, a estrutura dos micro-organismos consiste de aproximadamente 90% de água e, para produção de novas células, o líquido precisa ser obtida do meio onde sobrevivem, ou seja: neste caso, da massa úmida da compostagem.

– Tanto o excesso como a escassez de água é prejudicial para a atividade microbiana, e poderá desacelerar o processo de compostagem.

– A faixa de umidade ideal recomendada, deverá girar em torno de 50%.

– A maior atenção com relação ao teor de umidade, deverá ser durante a fase inicial da compostagem, pois a adequação no suprimento de água trará a instalação e a promoção do crescimento dos organismos microbiológicos envolvidos no processo de degradação, para que as reações bioquímicas ocorram no seu devido tempo.

– Caso houver excesso de umidade, deverá ser acrescentado material seco na composteira, e o mais indicado será o pó de serra.

Aeração:

– Aeração é o processo de revolvimento da composteira para que haja maior oxigenação do composto.

– O primeiro revolvimento deverá ser feito, em média, duas a três semanas após inicio do processo de compostagem.

– O segundo revolvimento deverá ser feito, em média, cinco a seis semanas após o início do processo de compostagem.

– O terceiro e último revolvimento, para incorporação final do Oxigênio, deverá ser feito, em média, nove a dez semanas do início do processo de compostagem.

 Nota:

– Após cada revolvimento, os materiais sendo decompostos, deverão novamente ser amontoados, exatamente como no início da construção da composteira, só que dessa vez, remexidos e misturados.

– A aeração é importante para homogeneização dos materiais sendo processados, além de facilitar o seu arejamento, pois, se houver excesso de umidade na massa orgânica, mais deficiente será a sua oxigenação.

Benefícios da compostagem:

– O uso da compostagem é de importância vital, trazendo inúmeras vantagens para o meio ambiente e para a saúde da população em geral.

– Segundo estatísticas, mais de 50% do volume total dos resíduos produzido no Brasil, vai para os aterros sanitários, sem qualquer tipo de tratamento.

– O processo da decomposição dos materiais da compostagem, ocorrerá na presença do Oxigênio, (aeróbico). E, o resultado dessa degradação será somente: dióxido de carbono ou gás carbônico (CO2), água (H2O) e biomassa (húmus).

Nota:

– A transformação da matéria orgânica bruta em húmus é um processo, basicamente, microbiológico, feito, principalmente, por fungos e bactérias, mas, durante as fases do processamento de decomposição da compostagem, poderão surgir outras espécies de micro-organismos, pertencentes à macrofauna e mesofauna como: minhocas, formigas, besouros e ácaros.

Breve relato sobre a história da compostagem:

– A compostagem é uma prática antiga, mas, está ganhando popularidade em consequência da preocupação com a sustentabilidade da vida no planeta.

– Na China, (Oriente Médio), os agricultores já utilizavam o método da reciclagem do lixo doméstico para obtenção de fertilizante orgânico, há vários séculos.

– Porém, no Ocidente, o inglês Albert Howard, considerado o pai da agricultura, no ano de 1920 iniciou os primeiros passos sobre compostagem.

– Na Europa, nos séculos XVIII e XIX, os agricultores também iniciaram seus experimentos, com os resíduos sólidos urbanos, para serem utilizados no solo, como compostos orgânicos.

Para ver um vídeo de composteira a céu aberto CLICAR AQUI

Leia Mais

Como fazer Mudas de gabiroba – Guavira – por estaquia de galhos

Como fazer Mudas de gabiroba por estaquia de galhos

Como fazer mudas por estaquia:

Propagar a gabiroba pelo método da estaquia, trás a vantagens de ser um clone da planta matriz, preservando  todas as características genética da planta mãe… A nova planta terá a mesma idade da planta adulta de onde foi extraída a estaca, portanto, o início da produção se dará tão logo a muda estiver pega e vegetando satisfatoriamente.

Procedimentos:

– Escolher uma matriz vigorosa, produtiva, livre de doenças…

– Cortar as estacas de galhos maduros, Com aproximadamente 30 cm de comprimento.

– Remover as folhas da parte inferior das estacas, deixando apenas quatro a cinco folhas na parte superior.

– Quando da remoção das folhas, tomar o devido cuidado, para não danificar as borbulhas de brotação, que geralmente estão localizadas nas axilas das folhas com o caule.

– Mergulhar a base das estacas, (a parte que ficará em contato direto com o solo), por 15 minutos em uma solução de hormônio vegetal

Plantar a estaca, individualmente, em balainho previamente preparado, enterrando-a por aproximadamente dez centímetros no solo.

 Nota:

– A solução de hormônio vegetal irá forçar a planta a emitir raízes mais rapidamente.

– O balainho poderá ser sacos de polietileno, tamanho médio.

– Os balainhos com as estacas deverão ser colocados em locais totalmente arejado,  amplamente iluminado, ma, sem receber a luz direta do sol.

– A primeira rega deverá ser abundante para que o solo se ajuste em torno da estaca, as próximas regas deverão ser apenas para manter o solo do balainho ligeiramente umedecido.

– Geralmente, por volta de 20 dias, a planta já estará emitindo brotos, pois o seu sistema radicular estará em pleno desenvolvimento.

Substrato para os balainhos:

– Terra de boa qualidade, Areia lavada, Esterco animal bem curtido, na proporção de 2:1:1.

– Antes de preencher os balainhos,  homogeneizar todos os componentes do composto.

Nota:

– A areia entra na composição para deixar o solo drenável.

Plantação das mudas em locais definitivos:

– A gabiroba é uma planta rústica, planta típica do cerrado brasileiro, apenas uma exigência: que o solo tenha textura média, arenosa e seja bem drenado.

– As mudas deverão ser levadas a campo, para serem plantadas em seus locais definitivos após o seu pegamento total.

– Antes de serem transplantadas, deverão passar por uma aclimatação ao sol, por aproximadamente duas semanas.

– A melhor época para o transplantio será o início da estação chuvosa.

Observação:

– Aconselha-se fazer as mudas observando as fazes da lua: As fazer mais indicadas são: Nova e Minguante.

Para ver um vídeo desta planta Clicar aqui

Leia Mais

Como fazer mudas de Gabiroba – Guabiroba – Guavira através de sementes

Como fazer mudas de Gabiroba – Guabiroba – Guavira

Nome científico: Campomanesia xanthocarpa.

Nomes populares: Gabiroba, Guabiroba, Guavira.

Origem: Brasil

Características gerais:

– A gabiroba (guavira) é uma planta típica de ocorrência nos campos e cerrados brasileiros.

– A planta pertencente a família Myrtaceae, a mesma da jabuticaba, jambo, pitanga, etc.

Existem duas variedades:

– Variedade Arbórea: Denominada popularmente como: Gabiroba amarela, Gabiroba do mato.  Árvores que pode atingir mais de 10 metros de altura, cujo tronco pode ultrapassar 40 cm de diâmetro.

– Variedade rasteira: Denominada popularmente de Guabiroba rasteira, Guabiroba da praia. Trata-se de uma planta arbustiva, que pode atingir mais de 1,0 metros de altura, com farta ramagem lateral.

Clima:

– Trata-se de uma planta rústica adaptada a climas equatoriais, e deverá ser cultivada em pleno sol.

– Planta moldada as condições do cerrado brasileiro, cujo índice de precipitação pluviométrica fica abaixo da média, levando em consideração outras regiões brasileiras.

– Trata-se de plantas resistentes a geadas e, vegeta bem em qualquer altitude.

Propagação:

– A multiplicação da planta se dá através de sementes.

– As sementes deverão ser semeadas  imediatamente após a extração do fruto, visto que, desidratadas perdem a capacidade germinativa.

Processo:

Colher os frutos maduros, saudáveis, e com boa aparência.

– Esmagar os frutos a fim de extrair a sementes.

– Lavar as sementes em água corrente a fim de remover total a poupa do fruto.

– Secar as sementes por aproximadamente 2 horas à sombra, sobre papel jornal.

– Plantar as sementes em sementeiras.

– As sementes germinarão entre 10 a 40 dias, em  substrato rico em matéria orgânica e irrigação diária.

– As mudas deverão ser plantadas em seus locais definitivos, no início da estação chuvosa.

Solo:

– Trata-se de uma planta rústica, não exigente quanto ao solo, totalmente adaptada as condições de terrenos pobres, arenoso do cerrado brasileiro.

– A planta suporta períodos moderados de estiagem.

Floração e Colheita:

Início da frutificação:

– Guabiroba rasteira a partir do terceiro ano

– Guabiroba arbórea a partir do quinto ano.

– A floração ocorre de agosto a novembro.

– Os frutos estarão maduros, prontos para o consumo, geralmente, entre Setembro a Dezembro.

Para ver um vídeo dessa planta Clicar aqui

Leia Mais