Como fazer mudas de Manduvi – Sterculia apetala.

Como fazer mudas de Manduvi – Sterculia apetala

Nome Científico: Sterculia apetala

Nome popular: Manduvi, Amendoim-de-Bugre

Família: Sterculiaceae

Origem: Brasil.

Características Gerais:

– Trata-se de uma árvore de grande porte, de crescimento rápido, com distribuição tropical, de ocorrência natural no Pantanal, em capões de matas, em áreas não inundáveis.

– Trata-se de uma espécie muito reverenciada nos últimos tempos, pelos seguintes motivos: Suas sementes alimentam grande variedade de animais, (aves e roedores), que sobrevivem na planície pantaneira, além de que, cerca de  95% das cavidades dos troncos das árvores mais idosas, são responsáveis em abrigar os sítios de nidificação da Arara-azul do Pantanal.

– Diante disso, a árvore é uma espécie-chave para a preservação da Arara-azul do Pantanal

– Além das Arara-azul do pantanal, outros animais também utilizam o Manduvi como refúgio: Gavião-relógio, macacos, Urubu-comum, Pato-do-mato, Arara-canindé, Arara-vermelha, entre outros.

– As sementes torradas do Manduvi são consideradas uma iguaria pelos nativos da região pantaneira.

Clima:

– Adaptada ao clima Equatorial e Tropical e, deverá ser cultivada a sol pleno pois requer alta luminosidade para seu pleno desenvolvimento, porém sobreviverá à meia sombra.

Propagação:

– A multiplicação da espécie é feita por sementes.

– Coletar as sementes após a disperão natural que ocorre, geralmente, entre Agosto e Outubro, as quais deverão ser semeadas imediatamente após a colheita, para não perderem seu poder germinativo.

– As sementes poderão ser plantadas em canteiros tipo sementeiras e/ou caixas pláticas de vegetação, dispostos em locais semi-sombreados, em substrato fértil, rico em material orgânico.

– As sementes deverão ser enterradas no substrato cerca de 1,0 cm de profundidade.

– O substrato dos canteiros deverá receber irrigações frequentes, a fim de manter umidade constante, mas, sem exageros.

– Após germinação, quando as plântulas atingirem, em média, 5,0 cm de altura, já poderão ser transplantadas em sacos plásticos (15 x 25), tipo balainhos, cheios de substrato fértil, rico em material orgânico,

– Geralmente, quando as mudas atingirem 0,5 metro de altura, já poderão ser levadas a campo.

– Antes das mudas serem transplantadas em seus locais definitivos terão de passar pelo processo de rustificação, com o método de aclimatação gradativa ao sol.

Plantio definitivo:

– Abrir covas com seguintes dimensões: 30 x 30 x 30 cm.

– Adicionar ao solo removido uma porção generosa de esterco animal bem curtido.

– Homogeneizar o esterco ao solo removido antes de voltar para dentro da cova.

– Esse procedimento deverá ser realizado um mês antes de receber a muda.

– O Plantio definitivo deverá coincidr com o início da estação chuvosa.

Solo:

– Trata-se uma espécie rústica, muito resistente.

– A planta não é muito exigente quanto ao solo, mas aconselha-se cultiva-la em solo fértil, rico em material orgânico.

Tratos culturais:

– Coroar as mudas para evitar o sufocamento por plantas invasoras concorrentes.

– Eventuais podas apenas para formação da planta.

 

Para ver um vídeo desta planta CLICAR AQUI

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *