Como fazer mudas de Tomate – Solanum lycopersicum.

Como fazer mudas de Tomate – Solanum lycopersicum.

Nome científico: Solanum lycopersicum.

Nome popular: Tomate

Família: Solanaceae

Origem: América do Sul, Chile Colômbia, América central, México

Características gerais:

– Trata-se de uma planta herbácea, ramificada, de caule flexível, de ciclo de vida anual curto,

– Há muitas variedades de tomateiro, com frutos de tamanho, coloração e formato diferentes.

Solo:

– Trata-se de uma planta exigente. O solo deverá ser areno-argiloso, fértil, rico em matéria orgânica, profundo, fofo e drenável.

– O pH do solo deverá oscilar entre 5,5 e 6,5.

Clima:

– Planta adaptada ao clima ameno: Tropical, Subtropical e Temperado.

– A planta deverá ser cultivada a céu aberto, a sol pleno, pois necessita de luminosidade para seu desenvolvimento.

– A temperatura ideal para o seu cultivo é diferenciada entre noturna e diurna:

Diurna: deverá oscilar entre: 20 a 25 ºC.

Noturna: deverá oscilar entre: 15 e 20 ºC.

– Para regiões de clima Tropical, aconselha-se o cultivo da planta acima de 800 metros de altitude, com relação ao nível do mar.

– A planta não tolera ventos frios e geadas…

Variedades:

– Tomate Caqui: de tamanho graúdo, poupa grossa e com pouca acidez.

– Tomate Santa-cruz: de formato redondo e sabor adocicado, próprio para saladas e consumo in natura.

– Tomate Cereja, Uva e Italiano: frutos pequenos redondos e ovais, adocicados, próprios param saladas e consumo in natura.

– Tomate Salada Longa-vida: muito cultivado na atualidade.

Nota:

– As variedades de grande porte precisarão ser tutoradas desde a fase inicial de cultivo.

– As variedades rasteiras não necessitarão de tutoramento, poderão ser cultivadas em contato direto com o solo.

Propagação:

– A planta se multiplica através de sementes.

– As sementes poderão ser plantadas em bandejas de isopor, copinhos de plásticos com furos no fundo, tubetes, etc. preenchidos com solo fértil enriquecido com material orgânico curtido ou, terra vegetal, dispostos em local com boa iluminação, semi-protegido (50%), da luz direta do sol.

– As mudas deverão ser produzidas à meia-sombra.

– As sementes deverão ficar, em média, 0,5 cm enterradas no substrato e cobertas com uma camada fina de substrato peneirado.

– Irrigar com jato leve de água para não desenterrar as sementes.

– As regas deverão ser processadas diariamente, a fim de manter o substrato levemente umedecidos, sem excesso.

– Geralmente, dentro de uma semana as sementes já emergiram.

Repicagem das mudas para locais definitivos:

– Após as plântulas atingirem, em média, 10,0 cm de altura e/ou, apresentarem-se com 5 a 6 folhas, já poderão ser levadas a campo.

– Aconselha-se fazer a rustificação das mudas, pelo método da aclimatação gradativa ao sol, antes de serem transferidas para seus locais definitivos.

– As regas no plantio definitivo, poderá ser feita por gotejamento.

Espaçamento:

– Aconselha-se espaçamentos de: 0, 50 metros entre plantas por: 1,20 metros entre linhas.

Tutoramento:

– Por tratar -se de plantas de caule flexível, as variedades de grande porte necessitarão ser tutoradas.

Espaldeira ou, Parreira Vertical.

– Trata-se de um sistema que lembra uma cerca para contenção de animais.

– Formada por postes com um fio de arame esticado no topo dos postes.

Observação:

– É necessário lembrar que deverá ser feito um planejamento inicial, para que as covas, nessa altura do campeonato, já estejam preparadas, feitas com certa antecedência, pois as estacas irão ser colocadas no meio das covas, que finalmente irão receber as mudas.

– Os tutores poderão ser feitos de vara de bambu. A parte inferior do tutor deverá ser fixada ao solo, justamente no lugar de cada cova. A parte superior do tutor deverá ficar inclinadas, encostada no fio de arame, a inclinação poderá ser, em média 45 a 50 graus, com relação ao solo.

Nota:

– A espaldeira deverá ser preparada antes da repicagem das mudas.

– As mudas deverão ser plantadas junto ao tutor e, deverá ser guiada desde o início do seu crescimento.

Colheita:

– A colheita terá início entre 80 e 100 dias após as mudas serem repicadas para seus locais definitivos.

– Frutos com destino a comercialização, poderão ser colhidos semi-maduros.

Pragas e doenças:

– Planta sensível e vulnerável a pragas como: Mosca-branca, Brocas, Ácaros, Pulgões e, a doenças como: Murcha bacteriana, Mancha bacteriana e Talo oco.

Tratos culturais:

– Remover erva daninha e outras plantas invasoras concorrentes com espaço e nutrientes.

Para ver um vídeo desta planta CLIQUE AQUI

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *