Como fazer mudas de almeirão – Como Plantar almeirão – Como Cultivar almeirão – Horta doméstica:

Como fazer mudas de almeirão – Como Plantar almeirão – Como Cultivar almeirão – Horta doméstica:

Nome Científico: Cichorium intybus

Nomes Populares: Almeirão, Almeirão-amargo,  Radiche,  Almeirão-silvestre,  Chicória-amarga,  Radice-selvagem, etc.

Origem: Europa, África, Ásia.

Características Gerais:

– O almeirão, também conhecido como chicória, é uma hortaliça de seiva leitosa, característica pelo seu sabor, geralmente amargo.

– A espécie passou por muitos processos de melhoramento genético, obtendo-se plantas com raiz tuberosa, plantas com folhas fechadas, (tipo cabeça), e com seu sabor amargo menos acentuado, etc.

– As principais variedades são: “Pão-de-açúcar”, “Catalonha”, “Radiche (Folha larga)”, “Palla Rossa”, “Madnesburgo (de raiz engrossada)”, “Spadona”, etc..

Cultivo:

– A planta deverá ser cultivada em pleno sol.

– O solo deverá ser fértil, rico em material orgânico e drenável.

– As regas deverão ser feita regularmente, pela manhã e à tardinha, sem provocar alagamentos.

– A planta vegeta melhor em clima ameno, variando entre 12 a 25°C. Mas, tolera frio e calor, desde que não sejam intensos.

Propagação:

– A propagação do almeirão é feita por sementes diretamente nos canteiros definitivos.

– Com o auxílio de um material pontiagudo fazer sulcos com profundidade de 1,0 cm e aplicar as sementes de forma que, o espaçamento entre as plantas adultas, seja de 5 cm, para variedades de crescimento perpendicular, (Plantas de cultivo densificado), para outras variedades, que necessitarão de maior amplitude, esses espaços deverão ser aumentados até 15 cm.

– Cobrir as sementes com uma camada fina de terra peneirada.

– O desbaste das plantas excedentes deverá ser feito quando as plantas atingirem, em média, dez centímetros de altura.

Colheita:

– A colheita geralmente inicia-se aos 80 dias no verão e aos 100 dias no inverno.

Preparação dos canteiros:

– Afofar toda a terra, no local do canteiro, com uma profundidade média de 25 cm.

A adubação poderá ser feita de dois tipos: orgânica e mineral.

Adubação orgânica:

– Adicionar de 15 a 20 litros de esterco de curral ou 5 litros de esterco de galinha por metro quadrado de canteiro. (o esterco deverá ser bem curtido).

– Incorporar o esterco ao solo, de forma homogênea.

– Esse processo deverá ser realizado um mês antes do plantio, para evitar o processo de fermentação do esterco animal, que poderá provocar aquecimento no solo, danificando o sistema radicular das plantas.

– O solo enriquecido com materiais orgânicos deixa a terra mais porosa, drenável, favorece a penetração do ar, que irá beneficiar a planta em nitrogênio.

Adubação química

– Adicionar ao solo:

– 200 gramas de superfosfato simples por metro quadrado de canteiro.

– 40 gramas de cloreto de potássio por metro quadrado de canteiro.

– 100 gramas de adubo químico, fórmula NPK 4:14:8, por metro quadrado de canteiro.

– Incorporar os materiais ao solo de forma homogênea.

– Esse processo deverá ser realizado um mês antes do plantio, para permitir que todos os ingredientes adicionados se incorporem ao solo. Como as hortaliças são plantas de crescimento rápido,  os micros e macro elementos deverão estar totalmente diluídos no solo, para o melhor aproveitamento da planta.

– Depois dos canteiros preparados, regar abundantemente todos os dias, antes de receberem as plantas.

Observações:

– Levantar o nível dos canteiros, em média, quinze centímetros com relação ao nível do solo, para as variedades “de folha”  e 25 cm para as variedades “de raiz”. Isso irá melhorar a drenagem de água, das chuvas ou das regas, além de proporcionar pleno desenvolvimento da planta.

– O pH ideal do solo dos canteiros deverá oscilar entre 5,5 a 7.

Como fazer mudas de rúcula – Como plantar rúcula – Como Cultivar rúcula – Horta doméstica:

Como fazer mudas de rúcula – Como plantar rúcula – Como Cultivar rúcula – Horta doméstica:

Nome científico: Eruca sativa.

Origem: Mediterrâneo, Ásia Ocidental.

Outros nomes: mostarda-persa.

Características gerais:

– Com a chegada do inverno, e com a temperatura mais amena, é a hora mais apropriada para a produção de hortaliças. (Plantas herbáceas).

– A rúcula é uma planta herbácea de pequeno porte, de cultivo anual, pertencente à família Brassicaceae.

– A planta se destaca pelo seu sabor muito forte, picante e ou, amargo.

– Planta adaptada a climas amenos, temperatura entre 16 e 25°C.

– Em temperaturas mais altas a planta tem seu desenvolvimento prejudicado e tende a produção de sementes, precocemente.

– Em estufas, onde o clima e as condições ambientais são totalmente controlados, a planta poderá ser produzida o ano inteiro.

Cultivo:

– O plantio das sementes é feito diretamente nos canteiros previamente preparados.

– Com o auxílio de um objeto pontiagudo, fazer sulcos de um centímetro de profundidade na superfície do canteiro.

– Distribuir as sementes nos sulcos, de forma que os espaçamentos, entre as plantas adultas, sejam de aproximadamente 0,50 cm. (Plantio densificado).

– Cobrir as sementes com uma fina camada de terra peneirada.

Solo:

– O solo deverá ser fértil, rico em material orgânico e nitrogênio, além de apresentar textura leve (fofa) e bem drenada.

– A planta deverá ser cultivada em condições de alta luminosidade, diretamente sob o sol, pelo menos algumas horas diariamente.

Regas:

– O solo dos canteiros deverá estar sempre ligeiramente umedecido, sem provocar encharcamento.

– As regas deverão acontecer duas vezes ao dia: pela manhã e a tardinha.

Colheita:

– A planta poderá ser colhida entre um a dois meses depois de plantada.

Preparação dos canteiros:

– Afofar toda a terra, no local do canteiro, com uma profundidade média de 25 cm.

A adubação pode ser feita de dois tipos: orgânica e mineral.

Adubação orgânica:

– Adicionar de 15 a 20 litros de esterco de curral ou 5 litros de esterco de galinha por metro quadrado de canteiro. (o esterco deverá ser bem curtido).

– Incorporar o esterco ao solo, de forma homogênea.

– Levantar o nível dos canteiros, em média, uns quinze centímetros com relação ao nível do solo, isso irá melhorar a drenagem de água, das chuvas ou das regas.

– Esse processo deverá ser realizado um mês antes do plantio, para evitar o processo de fermentação do esterco animal, que poderá provocar aquecimento no solo, danificando o sistema radicular das plantas.

– O solo enriquecido com materiais orgânicos deixa a terra mais porosa, drenável, favorece a penetração do ar, que irá beneficiar a planta em nitrogênio.

Adubação química

– Adicionar ao solo:

– 200 gramas de superfosfato simples por metro quadrado de canteiro.

– 40 gramas de cloreto de potássio por metro quadrado de canteiro.

– 100 gramas de adubo químico, fórmula NPK 4:14:8, por metro quadrado de canteiro.

– Incorporar os materiais ao solo de forma homogênea.

– Levantar o nível dos canteiros, em média, uns quinze centímetros com relação ao nível do solo, isso irá melhorar a drenagem de água, das chuvas ou das regas.

– Esse processo deverá ser realizado um mês antes do plantio, para permitir que todos os ingredientes adicionados se incorporem ao solo. Como as hortaliças são plantas de crescimento rápido,  os micros e macro elementos deverão estar totalmente diluídos no solo, para o melhor aproveitamento da planta.

– Depois dos canteiros preparados, regar abundantemente todos os dias, antes de receberem as plantas.

Como fazer mudas de Begônia – Como cuidar de Begônia

Como fazer mudas de Begônia – Como cuidar de Begônia

Origem: América central, América do sul, Ásia, África, etc.

Nome científico: Begônia

 Considerações gerais:

– As begônias estão classificadas em dois grupos distintos:

Begônias rizomatosas, tuberosas (tuberhybrida).

Begônias arbustivas.

– Atualmente têm catalogado, mais de 800 espécies e milhares de híbridos.

– Plantas de clima tropical.

Propagação da begônia rizomatosa, tuberosa (tuberhidrica).

– As mais cultivadas em vasos, pela beleza de suas flores.

-As begônias tuberosas são encontradas na Ásia, África até a Cordilheira dos Andes, entre 2 a 4 mil metros de altitude.

– No entanto, existem dentro desse grupo, plantas que possuem hastes ramificadas e àquelas desprovidas destas hastes, cujas folhas saem diretamente do tubérculo, formando assim, dois subgrupos:

– Grupo A: Plantas que emitem hastes: Begônia davisii e Begônia rosaeflora.

– Grupo B: Plantas que não emitem hastes, cujas folhas saem diretamente do tubérculo: Begônia boliviensis e Begônia fulgens.

Propagação:

– As Begônias tuberhybridas são propagadas através dos tubérculos, que deverão ser retirados do solo, quando suas folhas iniciarem o processo de envelhecimento.

– Os tubérculos deverão ser conservados em local fresco e limpo, até o momento do replantio.

– Os tubérculos poderão ser cortados em 2, 3 ou 4 partes, de acordo com o número de gemas existentes,  localizadas na parte superior.

– Cada parte cortada, deverá conter uma gema, que brotará originando uma nova planta.

– O plantio de cada pedaço deverá ser feito em vasos individuais

– Os tubérculos deverão ser plantados na primavera, quando emergem da dormência vegetativa.  Crescem e florescem na primavera, verão e outono.

– No inverno a planta novamente entra em dormência, a parte aérea da planta entra em decadência, seca e morre.

– Os tubérculos que forem colhidos para propagação, deverão ser armazenados em caixas, mantidos a uma temperatura constante de 13ºC, até a primavera, quando deverão ser plantados.

– Na ocasião do plantio, os tubérculos deverão ser recortados, observando que cada parte deverá conter uma gema.

– Plantar em vasos individuais.

– O substrato do vaso poderá ser turfa, ou outro similar, desde que seja totalmente drenável.

– Colocar o vaso num ambiente amplamente iluminado, sem a incidência direta do sol.

– Após a brotação, regar o substrato aos poucos.

Propagação da Begônia arbustiva:

A begônia arbustiva é propagada pela divisão da touceira.

Tratos culturais.

Como cuidar de Begônia.

– O maior cuidados para com a planta, é com relação a quantidade de água a ela dispensada.

– As regas deverão ser efetuadas sempre que o substrato se apresentar seco.

– Manter a planta em local iluminado, sem a incidência da luz direta do sol sobre ela.

– Adubação uma vez por mês, Aplicar as dose indicadas longe do tronco da planta, sempre obedecendo as orientações do produto, escritas

Como cuidar de violetas Africanas

Como cuidar de violetas Africanas

Origem: África

Nome Científico: Saintpaulia ionantha

Características gerais:

– As violetas africanas são plantas de folhas suculentas, embora de aparência delicada, são plantas, de certa forma, são bastante rústicas.

– São plantas de fácil cultivo, pois, necessitam de poucos tratos culturais.

Considerações gerais:

– São plantas para serem cultivadas à meia-sombra e em pequenos vasos.

– O substrato deverá ser rico em material orgânico, totalmente drenável, pois, a planta não tolera a umidade excessiva em suas raízes.

– As regas deverão ser periódicas, quando o substrato estiver seco.

– A planta não tolera frio nem geada.

Propagação:

– A planta multiplica-se através da estaquia da folha.

– Na propagação doméstica usa-se retirar uma folha adulta com o seu pecíolo e colocar, apenas o pecíolo, num copo d’água.  Passado alguns dias, aparecerão raízes e brotos, ou seja: uma nova planta.

Notas:

– Evitar molhar as folhas da planta, contudo a planta necessita de um ambiente com um mínimo de umidade. No período mais seco do ano, essa umidade poderá ser obtida, colocando-se um prato com seixos e água debaixo do vaso.

– No período mais seco do ano, as regas deverão ser com mais frequência, ou seja, toda vez que o substrato apresentar-se seco.

Como fazer mudas de umbu – Umbuzeiro – imbu – Imbuzeiro

Como fazer mudas de umbu

Nome científico: Spondias tuberosa

Nome popular: Umbuzeiro, umbu, imbu, ombuzeiro, ambu, giqui, imbuzeiro, taperebá, etc.

Origem: Nordeste brasileiro: (regiões do semiárido: Piauí, Paraíba, Pernambuco e Bahia).

Características gerais:

– O umbuzeiro é uma árvore típica da caatinga e semiárido nordestino, pode atingir 6 metros de altura,  cuja copa em forma de guarda chuva, numa planta adulta, pode atingir diâmetro de 10 a 15 metros, projetando sombra  densa sobre o solo.

– Planta de folhas caducas. O umbuzeiro perde totalmente suas folhas durante a época seca (inverno), e reveste-se de folhas após as primeiras chuvas da primavera.

– Trata-se de uma planta de clima tropical, com temperatura entre 12ºC e 38ºC,  e umidade relativa do ar entre 30% e 90%.

– A resistência à seca é a principal característica do umbuzeiro.

– Em sua raiz encontra-se uma espécie de batata, (xilopódio) que armazena água para ser utilizada pela planta, nos períodos mais secos do ano.

– Um umbuzeiro vive em média 100 anos e uma planta adulta pode armazenar até dois mil litros de água em suas raízes.

– Seu nome em tupi-guarani é “y-mb-u”, e significava “árvore que dá de beber”

Propagação:

– A propagação do umbuzeiro poderá ser feita por sementes, estacas e enxertia.

– A obtenção de plantas uniformes para produção de frutos de qualidade, as mudas deverão ser feitas via enxertia.

Produção de mudas via sementes:

– Em escala doméstica, a propagação da planta é feita geralmente por sementes,

– As sementes deverão ser coletadas de plantas vigorosas.

– Depois de despolpados, para facilitar a emergência da plantinha, deverá quebrar a sua dormência, efetuando-se um corte em bisel na parte distal do caroço, (oposta ao pedúnculo do fruto).

– Enterrar 3 sementes por balainho, a uma profundidade média de 4 cm.

– Os balainhos deverão ter capacidade para receber 5 kg de substrato, e poderão ser sacos de polietileno de 40 cm x 25 cm.

– O substrato poderá ser uma mistura  homogênea de terra de barranco com esterco animal, bem curtido, na proporção de 3:1.

– A germinação ocorrerá entre 20 a 90 dias.

– Efetuar o desbaste das mudas mais fracas,  quando as plantas atingirem altura média de 5 cm, podendo permanecer até duas mudas por balainho.

– Quando as mudas atingirem altura média de 30 cm, já poderão ser transplantadas em seus locais definitivos.

Produção de mudas por estacas:

– Os meses, entre maio e agosto, são os mais indicados para esse tipo de propagação.

– As estacas para produção de mudas, deverão ser retiradas dos ramos que crescem no interior da copa da planta.

– Selecionar ramos com diâmetro entre 2 a 3 cm. As estacas deverão ter em média 30 cm de altura.

– Para brotação e enraizamento, enterrar em posição inclinada 2/3 do comprimento da estaca, em leitos de areia fina. (Obs. A estaca também poderá ser enterrada diretamente no seu local definitivo, para brotação e enraizamento.)

– Manter o local umedecido, sem provocar encharcamento.

Plantio definitivo:

– A planta vegeta satisfatoriamente em solo fértil, que podem ser arenosos e silico-argilosos, profundos e bem drenados. Evitar o seu plantio em solos úmidos ou, que estejam sujeitos ao encharcamento.

– Os espaçamentos entre plantas e entre linhas poderão ser de:

– 10m x 10m (100 plantas/ha)

– 12m x 12m (69 plantas/ha)

– 16m x 16m (39 plantas/há)

 Covas:

-As covas deverão ter dimensões de 40 cm x 40 cm x 40 cm

– Misturar ao solo da cova:

– 20 litros de esterco de curral curtido.

– 300 gramas de superfosfato simples.

-100 gramas de cloreto de potássio.

Obs.

– As covas deverão ser preparadas com um mês de antecedência ao plantio das mudas.

– Após plantar a muda,  irrigar a cova com 20 litros de água.

– O plantio deverá ser feito no início das chuvas.

Tratos culturais

– Nos primeiros 5 anos de vida deverá ser efetuadas capinas manuais, com  coroamento em torno do tronco da planta,  para evitar a concorrência com ervas daninhas.

Início da produção:

– O umbuzeiro iniciará a sua produção a partir do 8º ano de vida.

– A sua frutificação ocorrerá no verão.

– 60 dias após a abertura da flor o fruto estará maduro.

Para ver um vídeo desta planta CLICAR AQUI

Como cuidar de orquídeas – Regras básicas

Como cuidar de orquídeas:

regras básicas:

Em linhas gerais, não é difícil manter a sua orquídea saudável.

Somente alguns cuidados básicos deverão ser dispensados a elas, como:

 Local:

– A orquídea sobrevive em seu habitat natural, (florestas), em ambientes com boa luminosidade,  sendo que, a copa das árvores onde ela se encontra hospedada, a protege nas horas de sol a pino.

– Você poderá imitar esse ambiente, amarrando-a em uma árvore no seu jardim, ou colocá-la em um local arejado, No alpendre, ou próximo a uma janela, onde ela possa receber luz direta do sol, pela manhã e a tarde.

Regas:

– Regar a orquídea quando o substrato do vaso estiver seco. (Duas a três vezes por semana e o suficiente. No período mais seco do ano, aumentar as regas para três ou quatro vezes por semana).

– Retirar o pratinho coletor de água. A água das regas deve ser totalmente drenada. Pois, o excesso de umidade faz a planta morrer afogada.

– O substrato deve apresentar uma textura leve, totalmente drenável, como casca de pinus, fibra de coco, etc. Pois, o excesso de água acumulada, faz com que as raízes apodrecem abrindo portas para ataques de fungos e bactérias,  matando-a.

Substrato:

– O substrato deverá ser trocado sempre que apresentar uma consistência pastosa. Pois, com o decorrer do tempo, o substrato vai apodrecendo, adquirindo uma consistência pastosa, espessa e impermeável.

Adubação:

– Geralmente aduba-se a planta com adubo foliar, aplicado a cada quinze ou, vinte dias.

– A fórmula NPK 20:20:20, irá manter sua orquídea saudável, porém, há adubos específicos para cada fase da planta.

Adubo para estimular o crescimento vegetativo:

Para estimular o crescimento vegetativo da planta. Usar um adubo mais nitrogenado. Ex: NPK 30:10:10

Adubo para estimular florescimento:

Para estimular o florescimento da planta, utilizar um adubo rico em fósforo. O fósforo atua também no fortalecimento do sistema radicular da planta.

Ex:NPK 4:45:15

Obs.

O adubo para florescimento deverá ser utilizado dois meses antes  da orquídea florir. E deverá ser aplicado uma vez por semana, seguindo as orientações do fabricante descritas no rótulo do produto.

Tratos culturais:

Observe suas plantas semanalmente.

– Assim perceberá o ataque de algum agente nocivo e será mais fácil o controle.

Com preparar a Calda Bordalesa – Para o combate de doenças fúngicas.

Com preparar a Calda Bordalesa – Para o combate de doenças fúngicas.

Calda bordalesa, também conhecida como mistura de Bordeaux é um composto formado pela simples mistura de dois componentes químicos com água: sulfato de cobre (II) e cal hidratada ou cal virgem, transformando um fungicida agrícola tradicional, largamente utilizado em diversas culturas para combater ou prevenir doenças, principalmente as provocadas por fungos, especialmente o fungo Míldio, que ataca a parte aérea das plantas: ( videiras, tomateiros, batateiras, caquizeiros, citros, orquídeas e tantas outras culturas,)

Como preparar a calda bordalesa

Ingredientes:

Cal hidratada – Hidróxido de cálcio – Ca(OH)2  ou, Cal virgem – Óxido de cálcio –  CaO

Sulfato de cobre II ou sulfato cúprico – CuSO4.

Água – H20

A composição da calda bordalesa é:  1litro de calda a 1% – (1:1:100), ou seja: para se preparar um litro da calda, precisaremos misturar: 10g de sulfato de cobre (CuSO4), 10g de cal virgem (CaO a 95%) e 1 litro de água em temperatura ambiente.

A formulação a seguir, é para o preparo de 10 litros do composto.

Ingredientes:

– 100 gramas de Cal.

– 100 gramas de sulfato de cobre

– 10 litros de água.

Obs.

– Para obtenção de outros volumes, é só manter as mesmas proporções entre os ingredientes acima citados.

Dissolução do sulfato de cobre:

– Colocar 100 g de cristais de sulfato de cobre (CuSO4), dentro de um pano de algodão poroso, amarrar o pano, fazendo uma trouxinha,  e mergulhar dentro de um litro de água morna, num recipiente não metálico, durante 24 horas. Geralmente esse tempo é suficiente para completa dissolução dos cristais do sulfato de cobre.

Dissolução da cal:

– Em outro recipiente, deverá ser feito a queima de 100 g da cal virgem ( CaO), com água, adicionando pequenas quantidades, até completar nove litros do composto.

– Caso utilizar cal hidratada – Ca(OH)2, é só misturar a cal até formar nove litros do composto.

Preparação da calda bordalesa:

Em um terceiro recipiente não metálico, misturar a dissolução do sulfato de cobre com a dissolução da cal, mexer fortemente, com uma colher de madeira, até obter um composto totalmente homogêneo.

Nota:-

Depois de preparada, a mistura deveria estar neutra, ou de preferência com o pH levemente alcalino. Do contrário, poderá haver riscos de fitotoxidade, provocados pelo sulfato de cobre livre.

– Para medir o pH da mistura, caso não dispor de um pHmetro, poderá introduzir um objeto metálico,  (por exemplo: a lâmina de um canivete ou de uma faca), mergulhando-os, durante dois a três minutos no preparado. Caso a lâmina de aço escurecer, é sinal de acidez excessiva. Para corrigir o pH, adicionar mais mistura de composto de cal e ir fazendo a checagem até que a calda fique com o seu pH o mais próximo de neutro, ou levemente alcalino.

Notas:

– A calda bordalesa combate as doenças por meio dos íons de Cobre (Cu2+).

– Estes íons afetam as enzimas dos esporos dos fungos, impedindo o seu desenvolvimento.

– Portanto, o composto preparado, deverá ser utilizado como preventivo, antes do estabelecimento de doenças provocadas por fungos.

– A fórmula supracitada da calda bordalesa, é indicada para a grande maioria das plantas adultas.

– Plantas jovens, brotações, etc. a calda deverá ser diluída com 50% de água.

– A calda preparada deverá ser utilizada dentro de um período de 24 horas, depois desse tempo tende a oxidar, perdendo ou, diminuindo o seu principio ativo.

– O tratamento deverá ser repetido a cada 15 dias.

– Evitar a aplicação do composto em dias muito frios, sujeitos a ocorrência de geadas.

 

Com fazer enxertia pelo método Janela aberta ( Escudo) – Tipos de enxertia

Com fazer enxertia  pelo método Janela aberta ( Escudo) – Tipos de enxertia

Tipos de enxertia.

 Considerações gerais:

– Esse processo de enxertia caracteriza-se na remoção de parte da casca do cavalo, para dar lugar ao enxerto.

– A época mais indicada para se realizar qualquer tipo de enxertia, coincide com as estações primavera e verão, justamente quando as plantas estão saindo do seu período de dormência anual e entrando em plena atividade vegetativa.

Métodos de enxertia  – Janela aberta ou Escudo:

– Utilizar um estilete, e fazer no porta-enxerto (cavalo), duas incisões transversais e duas longitudinais, de modo que possa ser retirada uma tampa da sua casca, liberando assim, a região a ser ocupada pela borbulha.

– A borbulha também deverá ser retirada do garfo praticando-se duas incisões transversais e duas longitudinais no ramo, de modo a obter um escudo (uma tampa), idêntico à parte retirada do cavalo. Esse processo deverá ser realizado imediatamente após a preparação do cavalo, para evitar que a seiva seque e a madeira se desidrate.

– Introduzir a borbulha, delicadamente, embutindo-a no retângulo vazio do cavalo.

– As duas partes conectadas, (justaposta), deverão ficar, intimamente em contato para o sucesso do pegamento da enxertia.

– A seguir, passar fitilho plástico, cobrindo inclusive a borbulhia, para evitar a entrada de água na região cortada.

Método de enxertia – Janela fechada:

– Nesse método, com o uso de um estilete, o cavalo irá receber duas incisões transversais e apenas uma incisão vertical, no centro. A casca do cavalo, na região cortada,  deverá ser levantada uma para cada lado, aguardando o enxerto.

– Para obtenção da borbulhia, fazer dois cortes transversais e dois longitudinais no ramo, de forma que suas dimensões fiquem semelhantes à área descoberta no cavalo.

Aplicar a borbulha, levantando-se a casca do cavalo, com o estilete, introduzindo-a cuidadosamente, certificando-se que as partes ficaram intimamente em contato.

– Em seguida, recobrir a borbulhia com as duas partes da casca do cavalo que foram levantadas.

– E, na sequência, passar o fitilho plástico, cobrindo toda a área cortada nesse processo.

Considerações gerais:

– Após, aproximadamente 20 dias, dará para perceber o pegamento do enxerto.

– Retirar o fitilho, para liberar e permitir o desenvolvimento da borbulhia.

– Constatado o pegamento do enxerto, e para forçar o seu desenvolvimento, deverá se fazer a curvatura para baixo, da parte apical do cavalo. Essa curvatura deverá ficar acima da região enxertada.

– Retirar todos os brotos que porventura aparecerem abaixo e ou, acima da região enxertada.  Pois estarão competindo diretamente com o desenvolvimento do enxerto.

– Tutorar o broto do enxerto para que ele cresça perpendicularmente.

– E quando o broto do enxerto estiver totalmente desenvolvido, cortar o cavalo acima da região enxertada. Pincelando o local cortado com calda bordalesa, para evitar contaminações por fungos e bactérias.

Com fazer enxertia pelo método em “T” – Tipos de enxertia

Com fazer enxertia  pelo método em “T” – Tipos de enxertia

Considerações gerais:

– O processo de enxertia em forma de “T” é utilizado geralmente em citros e consiste na justaposição de uma única gema, (borbulhia), sobre o porta-enxertos já enraizado.

– Há dois métodos a ser considerado: “T” normal e “T” invertido.

– A época mais indicada para se realizar qualquer tipo de enxertia, coincide com as estações primavera e verão, exatamente quando as plantas estão saindo do seu período de dormência anual e entrando em plena atividade vegetativa.

Utilização do método do “T” normal

– Primeiramente fende-se, delicadamente, a casca do cavalo, (porta-enxertos), com um canivete, no sentido transversal e, em seguida, no sentido perpendicular, de modo a formar um “T”.

– Imediatamente após a preparação do cavalo, retirar a gema (borbulha), delicadamente, para não ofender além do necessário a estrutura do material, introduzir a gema no corte em “T” do cavalo, recortar os excessos e amarrar com fitilho plástico de cima para baixo.

Utilização do método do “T” invertido:

(Método mais utilizado pelos produtores de mudas de citros. Uma vez que a própria conformação do corte já dificulta a entrada de água na região enxertada.)

– Fender, delicadamente, a casca do porta-enxertos, (cavalo), com um estilete, no sentido transversal do tronco, em seguida no sentido perpendicular, de modo a formar um “T” invertido.

– Imediatamente após a preparação do porta-enxertos, com um estilete, retirar a gema, também delicadamente, e introduzi-la de baixo para cima no corte em “T”,  previamente preparado no porta-enxertos.

– Caso necessário, recortar os excessos de material da borbulha e amarrar com fitilho plástico, iniciando o processo de baixo para cima, cobrindo toda a região cortada, inclusive a borbulha, para que ela não desidrate e para evitar entrada de água nas partes cortadas.

– Em seguida, deve-se dobrar o ponteiro do porta-enxertos. para quebrar a sua dominância apical, e isso irá estimular a brotação da gema, pois, toda concentração do vigor da planta ficará  a sua disposição estimulando-a no seu desenvolvimento.

– Num período de 15 a 20 dias dará para se perceber se a borbulha vingou, e tirar o fitilho plástico para  liberar a brotação da gema.

– Retirar todos os brotos que porventura aparecer abaixo e acima da região enxertada. Assim, o vigor da planta ficará disponível apenas para o enxerto em desenvolvimento.

– Tutorar o broto do enxerto para que ele cresça perpendicularmente.

– E quando o enxerto estiverem em pleno desenvolvimento, cortar o cavalo acima da região enxertada. Pincelando o local cortado com calda bordalesa, para evitar contaminação por fungos e bactérias.

Como fazer uma horta em casa – Horta doméstica – Produção de hortaliças

Como fazer uma horta em casa – Horta doméstica.

Produção de hortaliças – Horta caseira

Materiais necessários:

– 01 rolo de tela de arame para horta de 1,80 m de altura x 50 m de comprimento.

– Madeira para estaqueamento da tela.

Obs. Com um rolo de tela de 50 metros de comprimento, dará para fazer uma horta quadrada de 12 metros de lado.

Ferramentas necessárias:

– Todo o tipo de ferramenta manual de cultivo agrícola, como:

– Enxada, Pá, Enxadão, Rastelo, Regador, Mangueira, etc.

Localização da horta

– A horta deverá ser instalada em local aberto, que receba total insolação.

– Locais sombreados por árvores deverão ser dispensados.

– As hortaliças  por serem plantas de crescimento rápido, necessitarão de muita luz solar entre 8 a 10 horas por dia para que cresçam com total vitalidade.

Localização do terreno:

– O terreno ideal para instalar a horta doméstica deverá ser plano ligeiramente inclinado,

para que tenha boa drenagem de água de chuva e das regas. (Essa declividade deverá ficar entre: 0,5 e 1,0 %).

– O local escolhido deverá ficar longe de esgotos, fossas sanitárias, chiqueiros, galinheiros, etc.

Disponibilidade de água:

– A saúde da horta irá depender da quantidade satisfatória de água de boa qualidade.

– A necessidade de água nos canteiros gira em torno de 4 a 5 litros por metro quadrado, divididos entre duas regas diárias.

– As regas deverão ser evitadas nas horas de sol mais quente do dia, portanto, deverão ser feitas pela manhã e à tardinha.

– A água utilizada deverá ser de baixo custo (cisterna, mina, etc. cuja instalação do sistema de distribuição para os canteiros, deverá ficar dentro da horta), para compensar a produção das hortaliças, bem como a sua manutenção.

A escolha do solo ideal:

– O solo deverá apresentar textura leve, com a mesma consistência do solo areno-argiloso, profundo e com boa drenagem de água.

– Caso necessidade, o solo poderá ser corrigido com calcário dolomítico de forma que sua acidez fique entre 5,5 e 6,5.

– Hortaliças respondem diretamente à quantidade de matéria orgânica existente no solo.

– Quanto mais pobre é o solo, maior será a necessidade de esterco orgânico para torná-lo produtivo.

Construção dos canteiros:

– O terreno dentro da horta deverá permanecer isento de pedras, vidros, paus, etc.

– Com o auxílio de um enxadão afofar a terra com aproximadamente 30 cm de profundidade.

– Com o auxílio de uma enxada levantar o nível dos canteiros, pelo menos 15 cm do nível do solo, para boa drenagem de água.

– Quebrar os torrões e nivelar a terra da superfície dos canteiros.

– Caso haja necessidade de correção do pH do solo, distribuir calcário dolomítico, conforme as doses recomendada pelo analista, e misturando em seguida, de forma homogênea com o solo dos canteiros.

– Distribuir adubo orgânico, bem curtido, sobre os canteiros e misturar novamente também de forma homogenia.

– Regar uniformemente e abundantemente os canteiros sem provocar alagamentos.

– Esse processo deverá acontecer de uma a duas semanas antes dos canteiros receberem as mudas ou as sementes das hortaliças

Obs.

– Para facilidade de manuseio, os canteiros deverão ter 1,0 m de largura, porém, o comprimento, conforme necessidade.

– Os espaços entre canteiros deverão obedecer a uma distância mínima de 30 cm, para facilidades de acesso.

– Os espaços entre canteiros deverão ficar mais fundos, no mínimo 15 cm, com relação ao nível dos canteiros.

Plantação das sementes:

(Método utilizado para produção de cultivares que não precisam ser transplantadas, na obtenção de folhas e raízes, como: almeirão, rúcula, salsa, coentro, rabanete, nabo, cenoura, beterraba, etc.)

– Decorrido o tempo necessário para o repouso do canteiro, já poderão ser plantadas as sementes.

– Abrir sulcos de 2,0 cm de profundidade no sentido longitudinal do canteiro para receber as sementes.

– A distância entre linhas poderá ser de 20 a 30 cm de distância, dependendo do cultivar a ser semeado.

– Aplicar as sementes nos sulcos, obedecendo a quantidade recomendada pelo fabricante, indicada nas embalagens.

– Cobrir levemente as sementes com terra peneirada.

– Regar abundantemente sem encharcar.

– Continuar regando diariamente duas vezes ao dia. (de manhã e à tardinha).

(O método, mais indicado, geralmente utilizado para alguns cultivares que dão frutos como: pimentão, berinjela, jiló, etc. ou, que produzem folha como alface, repolho, etc. que precisam ser transplantados.)

– Para essas hortaliças, geralmente, planta-se as sementes em sementeiras, ou utilizando-se daquelas bandejas de isopor, com múltiplas células.

– O solo dos canteiros para sementeiras e ou, para as células das bandejas, deverá ser rico em material orgânico.

– Dependendo do método a ser utilizado, preparar os canteiros para sementeiras, ou, as bandejas e plantar as sementes. Caso utilizar as bandejas aplicar duas sementes por célula.

– Na hora de transplantar a muda definitivamente, eliminar a muda mais debilitada.

Para as mudas de alface, repolho etc.:

– Assim que as mudas, (tanto na sementeira, como na bandeja), atingirem  uma altura de aproximadamente 5,0 cm, ou um número de folhas superior a cinco, já poderão ser transplantadas em seus canteiros definitivos, previamente preparados.

Para pimentão, berinjela, jiló, couve, etc.

– Assim que as mudas atingirem aproximadamente 10,0 cm de altura, já deverão ser transplantadas definitivamente nas covas, previamente preparadas.

Preparação das covas:

– Afofar a terra com o uso de um enxadão.

– Caso necessário corrigir o pH do solo com calcário dolomítico.

– Colocar uma porção generosa de esterco orgânico bem curtido, misturando em seguida, até obter um composto homogênio.

– As covas deverão ser feitas, uma a duas semanas antes de receber as mudas.

– Regar abundantemente as covas todos os dias, mesmo antes de receber as mudas.

– Na hora de plantar, colocar a muda no centro da cova, fixando bem o seu sistema radicular  com o mesmo material da cova.

– Caso necessidade, tutorar a muda para que cresça perpendicularmente.

– Molhar o solo das covas, mantendo as duas regas diárias, pela manhã e a tarde.

Planejando a sua horta:

– O tamanho de sua horta, deverá ter uma relação direta, com o número de integrantes da sua família, que ela terá que abastecer.

– Segundo estatística feita por especialistas no assunto, um indivíduo, para satisfazer suas necessidades em legumes e verduras, necessita de 10 m2, de espaço num terreno, (horta), produzindo em escala normal, esses vegetais.

– Diante disso o tamanho de sua horta deverá ser: o número de pessoas da família multiplicado por 10 m2.

– E ela deverá produzir as hortaliças de suas preferências.

– Caso construa uma estufa climatizada, poderá produzir qualquer tipo de hortaliça em qualquer época do ano. Caso contrário, para obter sucesso, terá que obedecer rigorosamente a época de plantio, estipulado na embalagem.

Compostagem orgânica:

– Para baratear a produção de alimentos e ou, para incrementar a sua horta doméstica, poderá fazer a própria compostagem orgânica  para utilização nos canteiros na produção de hortaliças:

Onde fazer a compostagem:

-Um determinado canto, dentro da sua horta, poderá ser reservado para fazer a compostagem, que é um processo simples e eficiente.

– Utilizar todo e qualquer resto de cultura vegetal, tais como: folhas secas, capim triturado,  restos da própria horta.

Como proceder:

– Depositar uma camada  de 5,0 a s10,0 cm de espessura, desses restos vegetais, em seguida depositar sobre os restos vegetais, uma camada de esterco animal, que poderá ser in natura. Dependendo da disponibilidade desses materiais,  ir alternado: uma camada de restos vegetais e uma camada de esterco animal, formando uma pilha.

– Em seguida molhar abundantemente essa pilha, e continuar molhando-a todos os dias.

– A cada duas semanas a pilha poderá ser remexida, para mesclar os seus componentes.

– E assim,  transcorrido alguns tempo, um processo de fermentação, transformará todos aqueles ingredientes, numa pasta homogênea escura, que é o composto orgânico bem curtido e poderá ser utilizado nos canteiros, sem o risco de contaminação das hortaliças a serem produzidas, pois, o calor proveniente do processo de fermentação dizimou todos os agentes nocivos, que poderiam estar contidos no esterco animal.

Faça isso, e verá que o sabor dos alimentos produzidos pelas próprias mãos, tem um sabor único. Ou seja: um sabor de independência, compreendendo a simplicidade da natureza, no milagre da multiplicação do pão.