Como fazer mudas de Cróton

Como fazer mudas de  Cróton

Nome científico: Codiaeum variegatum 

Origem – Índia

 Características gerais:

– Crótons são pequenas árvores, utilizadas principalmente como plantas decorativas em jardins, atingem altura que pode chegar aos 3 metros.

– A planta se destaca pela coloração de suas folhas pintalgadas de verde, amarelo, vermelho, roxo, branco, laranja, etc.

– Trata-se de uma família numerosa, com diversas variedades de espécies e características diferenciadas, que podem apresentar folhas retorcidas, ovais, afiladas, arredondadas, etc.

 Proliferação:

– A multiplicação desta planta geralmente é feita por estaquia, Porém, pode perfeitamente ser realizada pelo método da alporquia.

– Uma forma bastante simples é colocar as estacas dentro de frascos com água para enraizamento.

– Após as estacas enraizadas, devem ser transplantadas em balainhos ou vasos.

Solo:

– Planta rústica, pouco exigente quanto ao tipo de solo. Porém desenvolvem-se com exuberância em solos ricos com materiais orgânico, profundos e bem drenados.

– Manter o solo sempre umedecido sem encharcamento.

Clima:

– Trata-se de uma planta adaptada para climas tropicais. Portando, deverá ser cultivada a pleno sol.

– A planta não tolera clima frio, nem geada.

Obs.

– Ao manipular a planta deve-se tomar cuidado com a sua seiva, pois, trata-se de uma substância tóxica que pode provocar irritação na pele.

– Crótons podem ser cultivados em ambientes internos, desde que a localização dos vasos receba parcialmente a luz direta do sol.

– A planta é inimiga “número um” do ar condicionado, que além do ar frio, tira a umidade do ambiente.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Leia Mais

Como fazer mudas de Palmito Pupunha – Pupunheira

Como fazer mudas de Palmito Pupunha  – Pupunheira

Palmito da Amazônia 

Nome científico: Bactris gasipaes Kunth

Origem: Amazônia

 Características gerais:

A pupunheira é uma palmeira perene, que apresenta perfilhamentos, ou seja: surgimento de  sucessivas brotações  na base do seu caule, dando origem a novas hastes produtoras.

– O habitat natural da pupunheira no Brasil, é a Amazônia.

– Trata-se de uma palmeira que produz frutos e palmito que servem para o consumo humano.

– A cultura dessa planta naquela região, está diretamente ligada aos costumes dos seus habitantes, cujos frutos (cocos) , bem como o palmito, fazem parte da sua dieta alimentar.

 Propagação:

– A planta propaga-se através de sementes. (cocos).

– As melhores sementes a serem utilizadas na formação das mudas deverão ser de plantas originárias, principalmente da região amazônica.

– Matrizes existentes em outras regiões do Brasil, apresentam elevado índice de frutos sem sementes (partenocarpia).  E isso inviabiliza e limita a formação de mudas.

– A semeadura geralmente é feita em sementeiras para posterior repicagem em balainhos.

Solo:

– Trata-se de uma planta com certa rusticidade, pois suporta solos de baixa fertilidade. Na sua condição de origem, desenvolve-se em solos extremamente pobres.

– No entanto, torna-se muito mais produtiva e rentável em solos com boa fertilidade.

– Quando plantada em solos com baixa fertilidade, esses devem ser enriquecidos com adubos químicos, e  ou, estercos bem curtidos, de procedência animal.

– Seu desenvolvimento é pleno em solos com textura que varia de argiloso ao arenoso, bem drenados, ricos em material orgânico.

– Para desenvolvimento do palmito, a planta requer boa quantidade de água no solo, porém não suporta terrenos encharcados.

Clima:

– A pupunheira desenvolve-se em clima quente. Em pleno sol

– A planta não tolera geada.

– Planta exigente em água. Requer precipitações pluviométricas altas e bem distribuídas, superior a 1.800 mm anuais.

– Em regiões onde a precipitação pluviométrica é inferior a esse índice, ou as chuvas são mal distribuídas durante o ano, faz-se necessário  a utilização de sistemas de irrigação  para compensar o déficit hídrico, nos meses de estiagem prolongada.

– A época de plantio mais indicada, coincide com o período chuvoso do ano, quando a temperatura e unidade são consideradas ideais para seu pleno desenvolvimento.

– As sementes deverão ser semeadas logo após a colheita, pois perdem seu potencial germinativo muito rápido.

Época de plantio:

– A colheita das sementes ocorre geralmente nos meses de janeiro a março.

– Preparar as sementeiras ou balainhos de forma que as mudas estejam prontas para serem plantadas em seus locais definitivos, no final do ano, época em que as chuvas e o clima são propícios para seu pleno pegamento e desenvolvimento.

Espaçamento:

– O espaçamento de 2 x 1 metro, apresentou bom resultado com o decorrer do tempo, mas outros fatores definem outros espaçamentos como: utilização e maquinários (tratores) , para os tratos culturais,  consorciação com outras culturas, fertilidade do solo, etc.

Variedades:

– A variabilidade genética da pupunheira é muito ampla, podendo apresentar-se com presença ou ausência total de espinhos.

– Coexistem na natureza, desde plantas com alto índice de espinhos e outras totalmente lisas. Existem ainda as que apresentam seus  espinhos nas folhas e outras apenas nos troncos.

– As plantas dotadas de espinhos, apresentam maior precocidade e melhor produtividade, porém oferecem risco de manejo.

Colheita:

– A pupunha precoce, quando cultivada em condições ideais, apresenta possibilidade de início de cortes, para produção de palmito, a partir dos 18 meses após o plantio.

Para ver um vídeo desta planta clicar aqui

Leia Mais

Como fazer mudas de Alpinia zerumbet – Gengibre concha

Como fazer mudas de Alpinia zerumbet – Gengibre concha

Nome científico: Alpinia zerumbet

Origem: Ásia, (China e Japão)

Características Gerais:

– Planta herbácea, rizomatosa, perene, desenvolve-se em forma de touceiras e pode atingir altura superior a 2,5 metros.

– Crescem em forma de perfilhos que saem diretamente dos rizomas.

– Planta adaptada para regiões de climas quentes e, ou temperados, e solo rico em material orgânico, ligeiramente umedecido.

Propagação:

– A planta se propaga através de divisão de touceiras.

– Dividir os rizomas da touceira, de forma que o número de hastes por pedaço de rizoma seja sempre superior a três.

– O período chuvoso é a melhor época para se fazer a multiplicação da planta.

– As mudas podem ser plantadas inicialmente em balainhos (sacos de polietileno), ou, diretamente em locais semi-sombreados nos jardins.

– As mudas plantadas em balainhos deverão permanecer em locais sombreados até o seu pegamento.

– Antes de plantar as mudas (balainhos), em seus locais definitivos, deverão sofrer um processo gradativo de aclimatação ao sol.

– Para um bom desenvolvimento da planta, o substrato deverá ser rico em material orgânico.

– As mudas não devem ser demasiadamente enterradas no solo, pois se trata de uma planta rizomatosa, cujos perfilhos saem diretamente dos rizomas.

– Regar constantemente o substrato: seja a muda no balainho, ou no jardim, onde a planta foi definitivamente colocada.

Solo:

– O substrato deverá ser uma mistura de terra comum e esterco animal, bem curtido,  na proporção de 3:1.

– A mistura terá que ser bem homogeneizada e umedecida;

Para ver um vídeo desta planta clicar aqui 

Leia Mais

Como fazer mudas de Helicônia

Como fazer mudas de Helicônia

Nome científico: Helicônia rostrata

Nome popular: Bananeira do brejo, Caeté.

Origem: Amazônia peruana e Amazônia brasileira

Características gerais:

– A Helicônia é uma planta arbustiva rizomatosa.

– Conhecida também como bananeira ornamental, chega atingir até três metros de altura, e cresce em forma de touceiras.

Propagação:

– A Helicônia se multiplica basicamente por divisão de touceira.

– Trata-se de uma planta de região tropical que aprecia clima quente com umidade elevada, nativa da Amazônia, onde é endêmica nas orlas das matas e bordas de rios e brejos, desenvolve-se bem em solo úmido, rico em material orgânico, e embaixo de sombreamento parcial de árvores.

– Suas flores crescem em forma de cachos pendentes na cor vermelho intenso, com detalhes em amarelo. Muito decorativas.

– Florescem quase que o ano todo.

– Por ser uma planta de clima tropical, não tolera temperaturas baixas nem geadas.

– Aclimatada para enfeitar jardins, poderá ser plantada em local semi-sombreado, com solo enriquecido com muito material orgânico, e irrigação freqüente.

– Ao plantar, não deve ser enterrada profundamente. Pois isso dificultaria a emissão dos novos rebentos.  Trata-se de uma planta rizomatosa que emite perfilhos a partir dos rizomas. E esses rizomas, se desenvolvem paralelo à superfície do solo, a poucos centímetros de profundidade.

para ver um vídeo desta planta clicar aquí

Leia Mais

Como fazer mudas – Orquídeas in-vitro – seed and seedling in-vitro

Como fazer mudas – Orquídeas in-vitro – seed and seedling in-vitro

Detalhes da tampa do frasco onde serão semeadas as sementes

Podem ser utilizados todos os vidros de conservas: vidro de azeitonas, palmitos, etc…

Estou me referindo apenas ao detalhe da tampa do vidro, para produção de orquídeas in-vitro (seed and seedling in-vitro)

 

Tampas dos vidros com filtro.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Para os corajosos principiantes em produzir mudas de orquídeas in-vitro, o grau de dificuldade é muito grande, visto que não se tem as informações básicas necessárias.

O começo é cheio de entusiasmo, quando percebemos que as minúsculas sementinhas, se transformam em bolinhas verdes e começam a se desenvolver. Porém, a decepção chega junto com a contaminação do meio de cultura por fungos,  porque perde-se todo o  trabalho, o fungo que se alimenta daquele meio de cultura rico em nutrientes, mata todas as plantinhas, bem como o ânimo do principiante produtor.

Sem ter os equipamentos necessários para tal, a minha sondagem  em tentar  descobrir as técnicas ideais de cultivo, garimpando uma informação aqui, outra ali, percebi que:

No meu caso, que não disponho de estufas, onde pode deixar constante a temperatura do ambiente, onde estão os frascos. acontece o seguinte:

– Quando o tempo esquenta (calor), o ar contido dentro do vidro aumenta seu volume (expande) e com pressão positiva dentro do vidro, o ar acaba escapando pelas bordas da tampa.

– Quando o tempo esfria (frio) o ar contido dentro do vidro reduz o seu volume (contrai), a pressão dentro do vidro fica negativa, e para compensar, acaba sugando o ar de fora do vidro, através das bordas da tampa.

– O ar de fora que entra no vidro não é esterilizado, e as impurezas fazem com que o meio de cultura rico em nutrientes se contamine.

– A idéia de fazer um furo na parte central da tampa, colocar um tubinho plástico, (pode ser até um pedaço daquelas cordinhas de cadeira de área). Vedar ao redor do tubinho com silicone, encher o interior do tubinho com algodão esterilizado, bem compactado. Constituiu-se um filtro e funcionou perfeitamente.

– Quando o ar expande exercendo pressão positiva dentro do vidro, o excedente sai pelo filtro.

– Quando o ar contrai exercendo pressão negativa, o ar que entra, passa pelo filtro e chega filtrado no interior do vidro.

Veja detalhes da tampa com o filtro.

 

 

 

 

 

 

Veja o desenvolvimento das plantas dentro dos vidros, com saúde perfeita.

o meio de cultura permanece intacto.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Para ver um vídeo sobre esse assunto clicar aqui

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Leia Mais

Como fazer mudas de Callas – Copo de leite

Como fazer mudas de Callas

Nome científico: Zantedeschia aethiopica Spreng

Nome popular: Copo de leite, lírio do Nilo, etc.

Origem: África do sul

Considerações gerais:

– Planta de ciclo de vida perene, e pode atingir até um metro de altura.

– O período normal de floração vai de  agosto até janeiro, mas, através do replantio dos bulbos em meses diferenciados, controlando a luminosidade e temperatura é possível produzir flores o ano todo.

Curiosidade:

Nota: Através de mutação no código genético desta planta, consegue-se obter novas variedades com flores de cores e formatos diferenciados.

Propagação:

– A planta se reproduz por meio de separação de bulbos. (divisão de touceiras).

– Enterrar os bulbos no solo numa profundidade aproximada de 10 centímetros.

– O espaçamento entre os bulbos é de 20 a 30 centímetros.

– Os bulbos brotam em até um mês depois de plantados.

– Do plantio à floração demora aproximadamente dois meses.

– A planta é de floração anual. (uma vez por ano).

– A planta precisará receber sol somente durante metade do dia, (ou pela manhã, ou então no período da tarde), mesmo se ela estiver plantada em vasos.

– Caso a planta for destinada para o solo do jardim, deverá ser plantada estrategicamente, de forma que receba luz direta do sol apenas uma parte do dia, pois, não suportará o calor direto durante todo o dia.  O cuidado deverá ser redobrado no período de verão, quando os dias são mais longos e o calor, mais forte.

– Sombras podem ser providencias com o uso de sombrites.

Solo:

– A planta deve ser cultivada em solo rico em matéria orgânica, capaz de reter umidade, sem encharcamento.

– A aplicação de cobertura morta nos canteiros, uma camada regular de aproximadamente 5 centímetros de espessura, ajuda manter a umidade do solo constante, além de contribuir para diminuição da temperatura, protegendo o solo da incidência direta dos raios solares.

Tratos culturais:

– Remover folhas secas e flores mortas.

– Regar a planta sem provocar encharcamento de 2 a 3 vezes por semana, ou sempre que o substrato se apresentar muito ressecado.

– Nota: Quando a planta entrar no seu período de dormência suspenda por completo as regas.

– A fertilização irá depender diretamente do tamanho do vaso, e da quantidade de substrato dentro dele. Observando esse detalhe, deverá ser adicionado e misturado ao substrato, na hora do plantio, de uma a duas colheres (sopa), de adubo químico: formulação NPK 04:14:08.

Cuidados:

– Trata-se de uma PLANTA TÓXICA.

– Deverá ser cultivada fora do alcance de crianças e animais domésticos.

Nota:

– Há um fator limitador determinante para o cultivo desta planta, que e a temperatura mais baixa durante a noite, isso ocorre nos locais com altitude a partir dos 900 metros acima do nível do mar, comum no estado de São Paulo.

Para ver um vídeo sobre essa planta, clicar aqui

Leia Mais

Como fazer mudas de Crisântemo

Como fazer mudas de Crisântemo

Nome científicoDendranthema grandiflora

A principal espécie: Dendranthema morifolium Ramat.

Nome popular: Monsenhor.

Originário: China

Método de propagação:

– A propagação de mudas de crisântemos geralmente é feito através do método de estaquia, e deverá proceder da seguinte forma:

– Retirar estacas das ponteiras da planta matriz.

– As estacas deverão medir mais ou menos 10 cm de comprimento;

– As estacas depois de tratadas com hormônios reguladores de crescimento, deverão ser plantadas em substrato adequado, geralmente preparado com terra vegetal e palha de arroz carbonizada.

– Após duas semanas, as estacas já estarão enraizadas, quando iniciará o  transplante  para seus locais definitivos (vasos ou, canteiros), com solo ou substrato devidamente preparados com antecedência, elaborado com: esterco de curral curtido, fibra de coco, areia, etc.

Substratos Alternativos

– Geralmente usa-se o que se tem de disponível: mistura de areia grossa lavada com casca de arroz carbonizada. Porém, cinza, esfagno, turfa, perlita, vermiculita, carvão picado, terra vegetal, etc. também poderão ser aproveitados com sucesso.

Características gerais:

– Crisântemos são plantas geralmente destinadas para vasos, comercializados especificamente para adornar interiores de residências. Porém, quando bem aclimatada, a planta torna-se bastante resistente ao sol, sendo possível plantá-las externamente em jardins.

– O crisântemo apresenta floração em cores diferenciadas que vai do: branco, roxo, amarelo, vermelho, salmão e muitas outras tonalidades e nuances entre todas essas cores.

– O crisântemo é uma planta típica de dias curtos e clima temperado. Trata-se de uma planta adaptada para florir em pleno inverno. No entanto plantas cultivadas em estufas climatizadas, flora o ano todo, desde que o produtor utilize técnicas específicas de escurecimento com lonas plásticas pretas, induzindo as plantas a produzirem suas flores.

 Tratos culturais:

– O crisântemo é sensível a algumas doenças como: ferrugem, podridão das raízes e hastes.

– A planta também poderá ser atacada por algumas pragas como: ácaros, mosca minadora, etc.

– O controle, e o combate dessas doenças e pragas deverá  ser de caráter preventivo.

Leia Mais

Como fazer muda da Estrelícia – Strelitzia reginae.

Como fazer muda da Estrelícia

Nome científico: Strelitzia reginae.

Nomes populares: Estrelícia, ave-do-paraíso, bico-de-tucano, etc.

Origem: África do Sul

Características:

– Planta herbácea, rizomatosa, perene, que pode atingir até um metro e meio de altura.

– Apresenta um grau de parentesco próximo com as helicônias e com as bananeiras.

– A planta quando cultivada em ambientes externos, sob a luz direta do sol, produz flores o ano todo.

Propagação:

– A propagação geralmente se faz pelo método da divisão de touceiras, porém, também poderá ser realizado via sementes.

– A estrelícia desenvolve-se bem em solos levemente umedecido, porém, não sujeito a encharcamento, nem a inundação.

– A planta não é muito exigente, mas, para seu pleno desenvolvimento, deverá ser cultivada em solos argilosos, bem drenados, ricos em material orgânico..

– A planta deve ser cultivada a pleno sol, pois se trata de uma espécie bem adaptada ao clima quente tropical.

– A planta não tolera geada nem temperaturas abaixo de 5º C.

Preparação do solo:

– O solo do jardim deverá ser profundamente revolvido, e incorporado boa parte de terra vegetal, ou 5 litros por metro quadrado, de esterco animal bem curtido, depois de bem homogeneizado, e umedecido, deverá receber as novas mudas. Porém, esse processo deverá ser feito no início da estação chuvosa que coincide com a chegada da primavera, quando as plantas entrarão em pleno período vegetativo.

Observação:

– Trata-se de uma flor exótica que atrai insetos e aves que se alimentam de néctares, como os beija-flores, mamangavas, etc.

Obs: Para ver um vídeo dessa planta clicar aqui

Leia Mais

Como fazer mudas de Carambola

Como fazer mudas de Carambola

Nome científico: Averrhoa carambola

Origem: Ásia

Características gerais:

– A caramboleira é uma planta de clima tropical, quente e úmido, não tolera frio intenso, nem geadas.

– A temperatura média ideal deve girar em torno dos 25ºC. Com nível pluviométrico acima dos 1.000 mm anuais (bem distribuídos).

– A planta requer ainda boa luminosidade (mínimo de 2.000 horas luz/ano) e umidade relativa do ar em torno de 80%.

Propagação:

– A propagação geralmente é feita através de sementes, mas também é possível fazer pelo método dar Alporquia.

– Selecionar sementes de plantas vigorosas, saudáveis, produtivas, precoces, sem qualquer vestígio de doenças e ou infestação de pragas.

– As sementes deverão ser plantadas em balainhos com solo rico em material orgânico.

– O solo para os balainhos deverá ser um preparo de  terra rica em material orgânico adicionado esterco de curral bem curtido, na proporção de 3:1.

– Outra opção é: plantar as sementes em canteiros (tipo sementeiras), para depois transplantá-las em balainhos (quando a planta atingir aproximadamente 5 cm de altura).

– Manter as mudas no sombreamento dos viveiros até a planta atingir um altura média de trinta centímetros.

– Aclimatar gradativamente as plantas ao sol, antes de serem levadas para seus locais definitivos.

Características do solo para o plantio definitivo :

– A caramboleira desenvolve-se bem em solo areno-argiloso profundo, bem drenado, rico em material orgânico.

– O pH do solo deve girar em torno dos 6 a 6,5

– Áreas com possibilidades de encharcamento deverão ser rigorosamente evitadas.

Covas para o plantio definitivo:

– Espaçamento entre covas 5 x 5 m.

-Abrir as covas com 50 x 50 x 50 cm.

Misturar ao solo retirado da cova:

– 300 gramas de calcário dolomítico.

– 20 litros de esterco de curral bem curtido.

– 300 g de superfosfato simples.

– 100 g de cloreto de potássio.

– Homogeneizar bem o composto e devolvê-lo dentro da cova, Esse procedimento deverá ser feito aproximadamente, de 30 a 40 dias antes do plantio definitivo da muda.

– O Plantio deverá coincidir com o período chuvoso do ano, para que a planta não entre em estresse pela mudança

– Como prevenção, bem como para manter a planta sempre saudável e  produtiva, aconselha-se fazer análise de solo  a cada 2 a 3 anos para detectar as suas carências, corrigindo-o com adubação NPK recomendada.

Tratos culturais:

– Podas de formação da planta;

– Capinas periódicas para evitar concorrência da planta com as ervas daninhas.

Se desejar ver um vídeo sobre essa planta clicar aquí

 

Leia Mais

Como fazer mudas de Cidreira Melissa

Como fazer mudas de Cidreira Melissa

Nome científico: Melissa officinalis

Nome popular – Erva cideira

 Descrição:

– Planta arbustiva, rizomatosa, perene, formando touceiras, com altura que pode chegar a 80 centímetros.

– Popularmente conhecida como erva-cidreira, é uma planta medicinal com várias substâncias benéficas à saúde humana

Propagação:

– O método mais comum de propagação da Cidreira Melissa é por divisão de touceiras, mas também poderá ser feito através de sementes ou estacas.

Solo:

– A planta prefere solo fértil, rico matéria orgânica com boa umidade.

Clima:

– Clima temperado e subtropical.

– A planta não tolera geada.

Considerações gerais:

– A cidreira melissa (Melissa officinalis) é uma espécie de planta aromática de origem européia.

– Ela é maciçamente cultivada desde a Grécia antiga, pelo seu uso na farmacopéia popular, por apresentar inúmeras propriedades fitoterápicas.

– Utilizada na medicina caseira como calmante, o chá da infusão de suas folhas reduz a ansiedade, a tensão nervosa, servindo também de conciliador para o sono. Utilizada também para aliviar cólicas, gases, enxaquecas.

– Também é utilizado na culinária dando sabores e aromas diferentes aos alimentos.

Nota:

– Por ser uma planta rizomatosa, é muito utilizada na agricultura, em terrenos erodidos, para controlar erosão.

Leia Mais