COMO FAZER MUDAS DE VIOLETAS AFRICANAS

 

COMO FAZER MUDAS DE VIOLETAS AFRICANAS.

 Nome científico: Saintpaulia ionantha

Família: Gesneriaceae.

Origem: África Tropical.

Fazer mudas de violetas africanas, utilizando o método de estaquia da folha é muito simples.

Existem dois métodos muito parecidos.

1 – Método de enraizamento em água.

2 – Método de enraizamento em perlita ou, pedriscos lavados.

Em ambos os casos, utilizam-se as folhas mais velhas de plantas, que deverão ser cortadas junto com o seu pecíolo, exatamente no período vegetativo, ou seja: Época em que as plantas estão sem as flores e emitindo folhas novas.

MATERIAIS NECESSÁRIOS:

– Pedaços de filme plástico transparente.

– Vidros pequenos de conserva.  (Dê preferência aos vidros transparentes, onde será possível observar o desenvolvimento das raízes, no caso do método de enraizamento em água).

– Tesoura ou faca, afiadas devidamente esterilizadas.

– Água mineral, (Sem cloro).

– Elásticos, ou barbantes, ou fita colante.

Procedimentos:

1 – Método de enraizamento em água.

– Encher o recipiente com água. (pode ser um vidro de conserva transparente).

– Colocar o filme plástico na boca do recipiente, fixando-o bem esticado com o elástico, ou barbante, ou a fita colante. Evitando assim, a evaporação da água, ou o seu derramamento, ou ainda a proliferação do mosquito da dengue.

– Cortar as folhas velhas, porém saudáveis, de uma violeta que se deseja fazer as mudas.

– Fazer orifícios pequenos no filme que reveste a boca do recipiente cheio d’água, com a ponta de um palito de dentes.

– Introduzir o pecíolo das folhas cotadas nos orifícios do filme, até a base da folha, de forma que apenas o pecíolo fica mergulhado dentro d’água.

– Ver ilustração abaixo:

 

– Após algumas semanas é perceptível o surgimento de raízes por toda extensão do pecíolo, através da transparência do vidro. E em mais alguns dias, também poderão ser vistas  as primeiras folhas aparecerem em forma de pequenas rosetas. Nesse momento é hora de transferir sua nova violeta para um vaso definitivo.

2 – Método de enraizamento em perlita ou, pedriscos lavados.

– Encher um vaso com perlita, ou pedriscos lavados, ou areia grossa.

– molhar abundantemente esse substrato e deixar escorrer.

– Enterrar o pecíolo das folhas, ou apenas as folhas sem os pecíolos neste substrato.  ( Obs. As folhas também poderão ser utilizadas  se enterradas até a sua metade,  exatamente na região que a ligava com o seu pecíolo).

– Cobrir o vaso e a planta com plástico transparente, até o início do enraizamento. (Isso é possível saber, quando perceber que as folhas ali plantadas, começarem a produzir uma roseta de folhas novas).

Substrato para transplante da planta após enraizamento.

Fazer um composto  homogeneizado de terra vegetal, esterco curtido, perlita, vermiculita, casca de arroz, casca de pinus, fibras de coco, areia grossa, para  que fique com boa drenagem da água.

Transplante:

Após as mudas transplantadas, armazenar os vasos das novas plantas, em locais arejados e com boa iluminação, porém, sem incidência direta dos raios solares e de ventos fortes. Sempre mantendo o substrato umedecido.

Adubação:

– A cada 30 dias, devem ser adubadas, alternando-se entre os adubos orgânicos (farinha de osso, húmus, estercos) e os minerais (NPK). Existem ainda no mercado, lojas de produtos para jardinagem, que comercializam fertilizantes químicos específicos para violetas.

– Nota: Regar sempre que for necessário. Mas, na quantidade suficiente para manter o substrato do vaso com umidade regular, porém sem encharcamento.

– As regas devem ser aplicadas com um regador de bico fino diretamente sobre a superfície do substrato (solo do vaso), nunca sobre as folhas, para evitar os fungos da podridão, ou manchas esbranquiçadas que são causadas pela água em temperatura inadequada. Evite-se também molhar através do prato, pois na realidade esse deve permanecer sempre livre do acúmulo de água para que não ocorra a invalidez da drenagem.


Como fazer mudas de cactos e suculentas.

Como fazer mudas de cactos e suculentas.

Propagação vegetal de cactos.

Reprodução pelo método da estaquia.

 – Para se fazer mudas de cactos, o método menos demorado para ver os resultados, é o da estaquia.

– Estaquia são pedaços da planta matriz ou, aproveitamento dos filhotes que brotam desta planta mãe.

– Para esse método é preciso alguns cuidados básicos:

-Ao cortar a estaca, o tecido cortado fica lesado, e antes de entrar em contato com a terra do substrato, é preciso que ele cicatrize, evitando assim,  a sua podridão por  eventuais ataques de fungos e bactérias.

– Para isso é preciso deixá-lo em bandejas à sombra, em local protegido de umidade, até a formação de uma película protetora, cobrindo totalmente a parte cortada.

– Uma vez cicatrizada a ferida, a estaca já estará pronta  para ser colocada num substrato feito com areia, casca de arroz carbonizada ou perlita.

– Depois das estacas colocadas nesse substrato, cobri-las  com plástico e manter mais ou menos constante a umidade.

– Quando notar que  as estacas enraizaram, transplantá-las em vasos  individuais, tomando o cuidado de não enterrá-las  mais que quatro cm de profundidade, isto para as estacas grandes.

– O substrato poderá ser feito com cascas de arroz carbonizada, areia ou pó de coco, mantidos levemente umedecidos.

– Nesta fase, quanto maior for a estaca, menor a umidade que ela irá requerer, pois sendo de grandes proporções, terá reservas  de água suficientes em seus tecidos, até o seu brotamento.

Modo de preparar:

– Cheio os vasos com o substrato mencionados, Fazer um sulco com os dedos e colocar a estaca, sem  apertar muito, apenas fixando-a.

– Para melhorar a sustentação da planta. Distribuir na superfície do substrato,  uma camada de cascalho fino,  (esses utilizados nos fundos dos aquários) ,  O cascalho além  de melhorar a fixação da planta , irá ajudar na aeração  do solo e poupará a perda de água por evaporação.

– Evitando também a formação de acúmulos de água junto ao pé da planta, o que propicia o desenvolvimento de podridão do colo, uma doença fatal para os cactos.

Adubação:

– A adubação deverá ser realizada uma vez por mês.

Poderá ser feita com adubo foliar ou granulado.

– Porém, se utilizar adubo granulado, este deverá ser totalmente dissolvido em água antes da aspersão, pois os grânulos do adubo em contato com as raízes, ou mesmo com a membrana do tronco dos cactos, fazem com que esses, por serem muitos sensíveis às concentrações dos sais minerais dos fertilizantes, venham sofrer queimaduras e mortes.

Pragas mais comuns:

Insetos costumam atacar e devorar os cactos, em viveiros e jardins:

Cochonilhas – Aplicar óleo de nim ou chá da alamanda.

Ácaro vermelhoAplicar óleo de nim ou chá da alamanda.

Caracóis e lesmas  – Usar iscas para lesmas, encontradas em lojas que vendem produtos veterinários.

Nota: A incidência maior desses ataques ocorre juntamente como o período chuvoso.

Para ver um vídeo sobre cactos clicar aqui

Como fazer mudas de hibiscos

Como fazer mudas de hibiscos 

  Nome científico  Hibiscus

Para fazer mudas de hibiscos é muito fácil.

Método de estaquia.

– Cortar em bisel, galhos (semi-lenhosos), com aproximadamente 40 cm de comprimento, (estacas).

– Molhar as estacas em água, em seguida mergulhá-las no pó ou,  na solução de hormônio enraizador.

– Em seguida enterrá-las no substrato dos balainhos até a metade, ou seja: justamente a metade que recebeu o hormônio.

– Depois é deixar em lugar sombreado e regar diariamente até pegar, soltando brotos e folhas novas.

– A época ideal para se fazer esse procedimento, é o final do inverno e início da primavera.

– O substrato a ser utilizado ( mistura de terra com esterco orgânico e areia na seguinte proporção: 2:2:1).

– Depois é só transplantá-la para o seu local definitivo.

Segundo as tradições da farmacopeia popular:

 O hibisco é uma planta medicinal utilizada em forma de chás, principalmente como hipertensivo e redutor de colesterol.

– Também atua em doenças de fígado e ajuda a impedir a oxidação de lipoproteínas de baixa densidade devido a seu forte caráter antioxidante.

– O hibisco dourado também pode ser utilizado como cosmético rejuvenescendo o couro cabeludo, e atua prevenindo a queda de cabelos, como anti-caspas, além de atrasar o branqueamento dos cabelos.

para ver um outro método de como fazer mudas  desta planta, veja  o vídeo, clicar aqui

 

Como fazer mudas de acerola (2).

Como fazer mudas de acerola.

Podem-se fazer mudas de acerola por sementes ou por estaquia.

Por sementes, as futuras plantas não necessariamente saem com as mesmas características frutíferas da planta mãe, além de demorar mais tempo para frutificar.

Por estaquia é o método mais recomendado, pois além de manter as mesmas peculiaridades da planta mãe, (clones),  frutificam mais rapidamente.

Utilizando-se sementes.

Colher os frutos maduros, despolpá-los e secar em peneira sob a sombra.

Em seguida, plantá-las em canteiros previamente preparado com terra de boa qualidade.

O canteiro deverá receber leve sombreamento para que as mudas recém nascidas não queimem ao sol do meio dia.  Poderá ser feito à sombra de árvores ou utilizar viveiros com  TELA SOMBRITE, 50%.

Utilizando o método de estaquia. (clones)

Encher os saquinhos (balainhos), com solo já preparado, (substrato).

Arrumá-los um ao lado do outro, como se formassem um canteiro. Isso facilita o manejo na hora das regas e também impedem que eles caiam, (tombando perdendo parte de seu volume de solo), além de que a umidade que permanece entre eles,  ajudam no crescimento das mudas.

Em seguida, escolher a planta mãe

A planta mãe deverá ter aparência saudável, furtos perfeitos e mais adocicados, excelente produtora.  Coletar com o auxílio de uma tesoura de poda, ramos maduros com mais ou menos três centímetros de diâmetro, com aproximadamente quinze centímetros de comprimento. Em seguida, limpar estas hastes das folhas e brotos até a metade, justamente a parte que deverá ser enterrada no balainho.

Cuidados.

– Manter o local umedecido, porém sem encharcar.

– Dentro de quinze a vinte dias começam a despontar os brotos.

– Devem ser transplantadas em locais definitivos quando atingirem de vinte a trinta centímetros de altura.

  Considerações gerais:-

A aceroleira é uma planta rústica, desenvolve-se e produz bem em clima tropical e subtropical, sendo sensível às geadas. A temperatura ideal gira em torno de 26ºC.

Cresce e produz melhor quando as chuvas são abundantes e bem distribuídas. Não há restrições específicas quanto ao tipo de solo, sendo possível cultivá-la tanto nos solos arenosos como nos argilosos. 

Para que a planta seja mais produtiva, deve ser colocado próximo ao seu tronco, pelo menos uma vez ao ano, antes do período chuvoso, de vinte a trinta litros de esterco orgânico, pode ser de gado, carneiro ou galinha.

 A planta começa a produzir com dois ou três anos após o plantio. Do florescimento à colheita, passam-se 20 a 25 dias. Em regiões quentes, o período de produção dura 8 meses, e em locais de clima ameno esse tempo é reduzido para 4 a 6 meses.

A colheita deve ocorrer todos os dias, e consiste em colher os frutos “de vez”, estes são mais firmes e resistentes que os maduros e apresentam maior quantidade de vitamina C.

Propriedades terapêuticas e medicinais da acerola, rica em vitamina C.

Auxilia em problemas do fígado, disenterias, na cicatrização de feridas; Supre a falta de Vitamina C, combate a anemia,  abre o apetite, Diminui doenças infecciosa, aumenta o vigor físico,  melhora o sistema imunológico; Protege contra a gripe, infecção bucal, resfriados, stress,Tem propriedades hidratantes para os cabelos.

para ver um vídeo sobre acerola clique aqui

Como fazer mudas de amora preta

Como fazer mudas de amora preta

 

A amoreira preta é muito  fácil de fazer a multiplicação de mudas (propagação da amoreira). Através do método de estaquia, (clones da planta mãe).

– Prepare os balainhos (sacos  plásticos com terra fértil ou substrato).

– Escolha uma amoreira saudável, com frutos abundantes e adocicados.

– Corte ramos com aproximadamente  30 cm de comprimento e mais ou menos  um centímetro de diâmetro, (ou seja: pouco mais espesso que o dedo mindinho).

-Espetar as estacas da amoreira nos sacos plasticos (enterrando-os  aproximadamente até a metade , observar que:  a parte  da haste que deverá ser enterrada  (para enraizamento), deverá ser a parte de baixo  do galho em que foi cortada) o restante ficará  exposto  para brotação.

-Colocar os balainhos  em local com meia sombra (pode ser em baixo de árvores).

– Manter  as regas diárias, o local com bastante umidade porém, sem enchacamento.

-Esperar as estacas brotarem (mais ou menos de 2 a 3 meses).

– Só após as mudas estarem bem ramificadas deverão ser  transplantadas  em locais definitivos.

 

Propriedades medicinais e terapêuticas da amora.

Rica em vitamina A e C.

 

Adstringente natural : Ao permitir a contracção dos tecidos, ajuda no combate a inflamações da boca, da garganta, dos intestinos, assim como dos órgãos genitais.

Antidiarreico poderoso: Utiliza-se assim as folhas, os rebentos e as raízes das amoreiras como tratamento da diarréia e da disenteria.

Propriedade de anti-envelhecimento: a amora possui  um grande teor em antioxidantes. Estes não se limitam a proteger o coração. Têm uma ação benéfica sobre todo o nosso organismo, reduzindo assim os efeitos do tempo sobre o nosso corpo, preservando todos os nossos órgãos contra a passagem do tempo. Os antioxidantes são altamente benéficos para o nosso metabolismo.

Propriedades estimulantes: protege sistema nervoso, e isto porque melhora o funcionamento do nosso cérebro. Esta característica já foi evidenciada em vários estudos científicos. Comer amoras ajuda na conservação do equilíbrio, da memória e da coordenação motora.

Prevenção de infecções urinárias. Neste caso, são utilizadas as flores da planta, as quais são extremamente diuréticas e facilitam a eliminação da urina permitindo assim o tratamento das vias urinárias.

Dores de garganta: O sumo da amora também é particularmente aconselhado a quem sofre de dores de garganta, de rouquidão, de uma inflamação das cordas vocais, das gengivas, de aftas ou de uma amigdalite, como já vimos. Neste caso, para que o efeito seja perfeito, o melhor é mesmo tomar o sumo de amora quente com um pouco de mel.

Obs:-Os benefícios todos associados à amora devem-se evidentemente à sua composição altamente nutritiva. A amora contém assim uma grande percentagem de fibras, de vitamina C, de vitamina K e de ácido fólico. Pouca calórica, é um ingrediente a incluir na nossa dieta para que possamos usufruir de todos os benefícios e viver melhor a nossa vida.

Como fazer mudas de rosas

Como fazer mudas de rosas.

– Trata-se de um método comum que pode ser utilizado para qualquer tipo de roseira

– Um dos processos mais utilizados, para os amantes amadores de rosas, é o método de multiplicação por estaquia. É uma prática muito fácil, pois são utilizados partes, (ramos e galhos), da planta em que se deseja propagar, conservando assim as mesmas características da planta mãe.  E a técnica consiste conforme descrito abaixo:

 Preparo do solo: A mistura indicada para o plantio é a seguinte:

1 parte de terra comum,

1 parte de terra vegetal

2 partes de composto orgânico

– Em seguida: encher os saquinhos de plástico (tipo balainhos), com o solo preparado.

– Colocar os balainhos em lugar sombreado.

– Molhar bem a terra dentro dos balainhos.

 Em seguida:

Escolher as plantas (roseiras) vigorosas que apresentam flores perfeitas.

  • Cortar alguns galhos maduros. (Dê preferência àqueles ramos da última floração, mas que já perderam suas flores).
  • Recortar esses galhos com, mais ou menos, 20 cm. (Transformando-os em estaquias).
  • Enterrar essas estaquias até a metade (10 cm), nos saquinhos previamente preparados,
  • Fazer regas diárias sem encharcar muito.
  • Esperar a brotação.
  • Depois de dos brotos atingirem mais ou menos 10 cm poderão ser transplantados em lugares definitivos.

Nota:

– Em poucos meses sua roseira já estará produzindo belas flores…

Para ver um vídeo de uma roseira florida clique aqui