Como fazer mudas de Cipó de são João – Como propagar Cipó de são João –

Como fazer mudas de Cipó de são João – Como propagar Cipó de são João.

Nome Científico: Pyrostegia venusta

Nomes Populares: Cipó de são João, Cipó-vermelho, Flor de são João.

Origem: América do Sul, Brasil.

Características gerais:

– Trata-se de uma trepadeira rústica, de ciclo de vida perene, cujos ramos podem atingir mais de 10 metros de comprimento.

– Planta que floresce no início do inverno, coincidentemente com as festas juninas, por isso recebeu o nome de Cipó de São João.

– A planta produz várias inflorescências chamativas, com flores tubulares na cor laranja, que se destacam na paisagem pouco vistosa da estação seca do inverno.

– As flores contém grande quantidade de néctar que alimenta beija-flores e outros pássaros, nesse período de escassez de comida.

Clima:

– Planta adaptada a climas: Equatorial, Tropical e Subtropical.

– Trata-se de uma planta que requer alta luminosidade e deverá ser cultivada a pleno sol.

Propagação:

– A Planta poderá ser propagada por sementes e por estaquia de pontas de ramos.

Solo:

– A planta deverá ser cultivada em solo fértil, rico em material orgânico e totalmente drenável.

Adubação:

– Para estimular a floração, poderá ser utilizada adubação rica em potássio.

– Poderão ser aproveitadas as cinzas produzidas em fogões a lenha, pois a cinza é rica nesse componente químico.

Medicina natural:

– Segundo a farmacopeia popular a planta tem grandes propriedades medicinais.

Nota:

– Mas, cuidado!… Há relatos que as folhas cruas, são tóxicas, causando intoxicação em  bovinos.

Uso decorativo:

– A planta poderá ser utilizada para cobrir: caramanchões, cercas, pérgulas, treliças, muros, etc.

Como fazer mudas de Orégano – Como plantar Orégano

Como fazer mudas de Orégano – Como plantar Orégano

Nome científico:  Origanum vulgare.

Nome Popular: Orégano, oregão, mangerona-selvagem, mangerona-silvestre.

Origem: Planta nativa de regiões montanhosas do sul da Europa e da Ásia ocidental vegeta espontaneamente em diversas regiões da Europa e Grã-Bretanha.

Características gerais:

– Trata-se de uma planta de ciclo de vida perene, herbácea, rasteira, de caule flexível, com propriedades aromáticas e medicinais.

Propagação:

– A propagação poderá ser feita através de sementes, estaquia de ramos jovens e também por divisão de touceiras.

– Trata-se de uma planta rústica, resistente e, de fácil propagação e cultivo.

– Poderá ser cultivada na horta, no jardim ou, em vasos instalados dentro dos alpendres e varandas, desde que receba sol pela manhã e à tarde.

– A planta necessita de alta luminosidade e, deverá ser cultiva em locais que receba luz direta do sol pelo menos algumas horas diariamente.

– O aroma do orégano é diretamente proporcional à quantidade de luz solar recebida, quanto mais luz solar, mais aromáticas serão suas folhas.

– A planta não tolera ventos fortes nem frios intensos.

Solo:

– O orégano deverá ser cultivado em solo leve e arenoso com boa drenagem, rico em matéria orgânica.

– O pH do solo deverá ser muito próximo ao neutro, oscilando entre 6,0 e 7,0.

– Para manter a planta com vitalidade, é necessário incorporar boa quantidade de adubo orgânico bem curtido, ao solo, anualmente.

– Se a planta estiver instalada em vasos, o ideal será trocar todo o substrato por uma mistura nova e nutritiva, rica em composto orgânico, uma vez por ano.

Clima:

– A planta se desenvolve melhor em clima ameno ou, em clima moderadamente quente, mas, pode ser cultivado na faixa de temperatura entre de 10°C a 32°C. O ideal é que a temperatura oscile entre 21°C e 25°C.

Irrigação:

As regas deverão ser feitas com frequência para que o solo seja mantido levemente umedecido.

– Quando as plantas estão bem nutridas e saudáveis, não haverá problema algum,  se o substrato secar por um curto período de tempo, entre uma rega e outra. Tanto a falta quanto o excesso de água prejudicam a maioria das plantas.

Espaçamento:

– Em canteiros, as mudas poderão ser repicadas a uma distância de 20 cm entre plantas x 30 cm entre fileiras.

Tratos culturais:

– Remover as invasoras que estejam competindo por nutrientes e recursos.

Colheita:

– A colheita das folhas poderá ter início quando a planta estiver com aproximadamente  20 cm de altura.

– As folhas colhidas deverão ser desidratadas em local bem ventilado, quente, seco e escuro.

– O processo de desidratação faz com que o sabor e o aroma da planta se acentuam.

Uso medicinal:

– Segundo a farmacopeia popular, (medicina natural), o Orégano é considerado um tônico para o aparelho digestivo.

– Também é utilizado em infusão para tratar problemas como tosse, bronquite e cólicas intestinais.

– Apresenta ainda, ação analgésica e propriedades estimulantes do sistema nervoso.

Como fazer mudas de Camomila – Como plantar camomila – Camomila em vasos

Como fazer mudas de Camomila – Como plantar camomila

Nome científico: Matricaria chamomilla.

Características gerais:

– A camomila é uma planta herbácea, com propriedades medicinais.

– Trata-se de uma planta ciclo de vida anual.

– A parte utilizada para as infusões, geralmente são as flores.

– Trata-se de uma planta relativamente rústica, adaptada a climas temperados.

Propagação:

A propagação da Camomila poderá ser feita por vários métodos:

– Multiplicação por sementes.

– Divisão de touceira, (plantas adulta com raiz).

– Por estaquia de ramos, (Mas, com menor taxa de sucesso).

Propagação por sementes:

– As sementes deverão ser plantadas no início da primavera.

– As sementeiras deverão ser instaladas em locais que recebam sol pela manhã e a tarde, por algumas horas por dia.

– Preparar os canteiros onde será feita as sementeiras, com mais ou menos uma semana de antecedência.

– Os canteiros deverão ser irrigados todos os dias para homogeneizar o solo.

– Abrir sulcos com aproximadamente um centímetro de profundidade.

– Aplicar as sementes obedecendo a uma distância de aproximadamente dez centímetros uma da outra.

– Cobrir as sementes com uma camada fina de terra peneirada.

– Manter os canteiros sempre com boa umidade, porém, sem provocar encharcamento.

– A distância entre linhas deverá de aproximadamente cinquenta centímetros.

– A germinação irá ocorrer, normalmente, entre uma e duas semanas.

Nota:

– A planta apresenta melhor vegetação em solos leves e totalmente drenável em áreas parcialmente sombreadas. Porém, a planta adulta necessitará da incidência dos raios solares, pelo menos cinco horas diariamente, para seu pleno desenvolvimento.

Solo:

– O solo ideal é uma mistura de terra de boa qualidade com esterco animal bem curtido na proporção de 3:1.

– Mas, trata-se de uma planta relativamente rústica e, poderá se desenvolver em qualquer tipo de solo. No entanto, não apresentará o mesmo vigor.

– O solo ideal deverá ser fértil, rico em material orgânico, leve e drenável.

– O pH deverá girar entre 6,0 e 6,8.

– A planta não tolera solos muito ácidos.

A Camomila também poderá ser cultivada em vasos:

– De preferência a vasos de barro de tamanho médio, esses, com aproximadamente 30 cm de altura.

– Colocar cascalho ou cacos de telha, no fundo do vaso para permitir perfeita drenagem de água.

– Encher o vaso com o solo, enriquecido com material orgânico.

– Plantar a muda no centro do vaso.

– Colocar o vaso em local semissombreado até o pegamento da muda.

– Quando a planta começar a se desenvolver, será preciso fazer aclimatação gradativa ao sol e em seguida,  poderá ser levada para outro local onde irá  receber luz direta do sol, pelo menos, cinco hora diariamente.

– Manter o solo do vaso sempre ligeiramente umedecido.

Nota:

No inverno, período de dormência vegetativa da planta, diminuir as regas.

Clima:

– A camomila tem seu pico de floração nas estações quentes do ano.

– Planta adaptada a climas temperados e, temperaturas médias anual, oscilando em torno de 20°C.

– A planta apresenta baixa tolerância à secas prolongadas. E para seu perfeito desenvolvimento, requer certa umidade relativa no ar e no solo.

– A planta precisará receber luz solar direta, por pelo menos, 5 horas diárias.

Tratos culturais:

Nota:

– Uma vez que a planta será destinada ao uso medicinal doméstico, em formas de chás e infusões, recomenda-se apenas a utilização da adubação orgânica e, deverá se evitar o controle de pragas com produtos químicos de ação prolongada e que deixam resíduos tóxicos.

Colheita das Flores:

– É nas flores que se encontram as propriedades medicinais desta planta.

– As flores deverão ser colhidas entre junho a setembro, no ápice da florada da planta.

– As flores para serem armazenadas, terão que ser desidratadas.

– O processo de desidratação é simples: deixá-las secando a sombra, em local ventilado, até perder totalmente a umidade.

– Depois de desidratadas poderão ser armazenadas em vidros bem tampados.

Como cultivar funcho – Como fazer mudas de funcho

Como cultivar funcho – Como fazer mudas de funcho

Nome científico: Foeniculum vulgare

Nomes Populares: erva-doce, funcho, aniz-verde.

Origem: Europa e Ásia

Características gerais:

– Trata-se de uma planta herbácea, aromática, de folhas filiformes.

– As flores, levemente amareladas, reunidas em inflorescência tipo umbrela.

– Utilizada, largamente, como aromatizante condimentar e também como erva medicinal.

Propagação:

– A propagação da planta é feita por sementes, que poderão ser plantadas diretamente em local definitivo ou, em balainhos, para futura repicagem.

Substrato para os balainho:

– Poderá ser utilizado: casca de arroz carbonizada, misturada à terra fértil, na proporção de 1:2, ou, terra fértil, misturada com areia, na proporção de 3:1. (a areia entra na composição somente para aumentar a drenagem do substrato).

Clima:

-Trata-se de uma planta adaptada a clima tropical e subtropical e, deverá ser cultivada em locais ensolarados, pois necessitará de alta luminosidade para florir.

Solo:

– Trata-se de uma planta rústica, que se adapta a vários tipos de solo. Mas, para o seu perfeito desenvolvimento o solo deverá ser fértil, rico em materiais orgânicos e drenável.

– O pH do solo, não poderá ser extremamente ácidos.

Solo para o plantio definitivo:

– Os canteiros que irão receber as plantas definitivamente,  deverão ser preparados, em média, com um mês de antecedência:

– Revolver o solo a uma profundidade média de 25 cm. As raízes do funcho são profundas.

Incorporar ao solo dos canteiros:

– Aplicar 10 litros por metro quadrado de esterco orgânico bem curtido.

– Aplicar 250 gramas por metro quadrado de adubo químico NPK 10:10:10.

– Incorporar, de forma homogênea, os materiais adicionados ao solo.

– Nivelar a superfície dos canteiros e, regar abundantemente, todos os dias que antecederem o recebimento das mudas.

Transplante dos balainhos:

– Os balainhos deverão ser repicados para seus lugares definitivos, quando as plantas atingirem aproximadamente 20 cm de altura.

Irrigação:

– As regas deverão ser periódicas, apenas para manter a umidade do solo, sem provocar encharcamento.

– A falta de umidade poderá induzir as plantas ao florescimento precoce.

Tratos culturais

– Manter as capinas periódicas para eliminar as plantas invasoras concorrentes  em espaço, água e  nutrientes .

Uso culinário

– Geralmente se utiliza as sementes como aromatizantes: em pães, bolos, molhos, carne peixes, etc.

Uso medicinal

– Conforme a farmacopeia popular, a planta é utilizada em infusão das folhas ou, sementes, para combater problemas de digestão e flatulência.

DSC00151

Como fazer mudas de açafrão da terra – Cúrcuma longa

Como fazer mudas de açafrão da terra

Nome científico: Cúrcuma longa

Origem:  Ásia (Índia e Indonésia)

Nomes populares: açafrão da índia, ginger, açafroa, gengibre amarelo, cúrcuma, turmérico,

Características gerais:

– O açafrão da terra é uma planta herbácea da família do gengibre

– Trata-se de uma planta perene, rizomatosa, cuja parte aérea, tem ciclo de vida anual.

– Os rizomas estarão prontos para serem consumidos, assim que a parte aérea entrar em decadência e secar.

– Dos seus rizomas extrai-se um pigmento amarelo forte, brilhante, identificado como especiaria homônima, o qual dá a cor característica para muitos pratos da culinária mundial, inclusive ingrediente básico para alguns medicamentos.

– Trata-se de um condimento de cor e sabor característicos.

Rizomas:

– No início da primavera os rizomas saem do seu período de dormência vegetativa e emitem folhas e hastes florais, ou seja, a parte aérea da planta.

Com o passar do tempo a planta vai se tornando entouceirada, pois o rizoma principal vai emitindo numerosos rizomas laterais e com isso a planta vai se alastrando.

– No outono, após o período de floração, as folhas da planta começam amarelar e, no inverno, perde a sua parte aérea, entrando novamente em dormência vegetativa.

Propagação:

– A propagação da planta é feita através dos rizomas, ou pedaços desses rizomas desde que apresentem gemas (olhos de brotação).

– A melhor época para fazer a propagação é na primavera, quando a planta estará saindo do seu período de dormência vegetativa, emitindo brotos.

Solo:

– Trata-se de uma planta rústica pouco exigente, porém se torna mais produtiva em solo fértil com boa drenagem de água, rico em material orgânico.

Nota:

– A planta também poderá ser cultivada, com sucesso, em latas ou, baldes de 20 litros.

Uso medicinal:

Segundo a farmacopeia popular, os rizomas da planta têm propriedades:

Anti-inflamatória.

– Antioxidante.

– Auxilia no tratamento do câncer e das doenças do coração.

 

 

 

 

 

 

 

Rizomas de açafrão congelados para serem utilizados na culinária doméstica.

 

 

 

 

 

 

Rizomas de açafrão congelados para serem utilizados na culinária doméstica.

 

 

 

 

 

 

Arroz com açafrão e alho

Arroz com açafrão e alho

Como fazer mudas de Manjericão

Como fazer mudas de Manjericão

Nome Científico: Ocimum basilicum

Nomes Populares: Manjericão, Alfavaca, etc.

Categoria: Erva medicinal, erva de Condimentos.

Origem: Ásia.

Características gerais:

– O manjericão é uma planta aromática e medicinal, de pequeno porte.

– Trata-se de uma planta conhecida desde a antiguidade, considerada sagrada entre os povos hindus, utilizada largamente na culinária egípcia, grega e italiana.

– Adaptada ao clima tropical e subtropical, e deverá ser cultivada a pleno sol.

– A sua cultura deverá ser periodicamente replantada, pois não suportará colheitas consecutivas.

– A parte mais utilizada da planta são as folhas, que apresentam aroma e sabor adocicado, levemente picante semelhante à menta. E poderão ser utilizadas secas ou, in natura.

– A planta também é muito utilizada para a extração de suas essências para a indústria de cosméticos.

Propagação:

– A planta poderá ser propagada por estaquia ou por sementes.

– As estacas deverão ser postas em recipientes com água para enraizar.

– Cortar estacas de aproximadamente 15 cm de comprimento, dê preferência aos ramos das extremidades da planta.

– Remover as folhas inferiores,  mergulhar  as estacas até a metade em recipientes contendo água, em quinze dias as mudas já estarão enraizadas, prontas para serem levadas para seus locais definitivos.

– Caso a opção seja pela multiplicação via sementes, plantá-las diretamente em balainhos.

 Solo:

– O solo deverá ser leve, fértil, rico em matéria orgânica, além de bem drenado.

– Trata-se de uma planta que apresenta bastante tolerância quanto ao pH do solo, somente os solos extremamente ácidos são inadequados.

Irrigação

– Manter o solo ligeiramente umedecido sem provocar encharcamento.

– Tanto o excesso quanto a falta d’água é prejudicial à planta.

Notas:

– O manjericão apresenta  mais de 50 diferentes variedades, desde o tamanho da planta, cor, bem como,  a concentração de sua essência.

Uso Medicinal:

– A infusão de suas folhas, além de ser uma bebida aromática deliciosa,  segundo a farmacopeia popular combate várias infecções: da pele, das vias respiratórias, etc.

Para ver um vídeo da planta, CLICAR AQUI

Como fazer mudas de jatobá – Jatobá do cerrado

Como fazer mudas de jatobá  – Jatobá do cerrado

Nome científico: Hymenaea stigonocarpa

Família: Leguminosae

Propagação:

– A propagação do jatobazeiro é feito através de sementes.

– As sementes podem ser semeadas em canteiros ou em balainhos individuais.

– A taxa de germinação para as sementes recém coletadas é em torno de 90%.

– As sementes germinarão, naturalmente, entre 20 a 30 dias depois de plantadas.

– Sementes submetidas à escarificação mecânica, nascerão em aproximadamente 10 dias depois de plantadas.

– As mudas geralmente têm crescimento rápido e entre quatro a seis meses, já estarão prontas para irem a campo.

Escarificação mecânica:

– É um procedimento utilizado na quebra de dormência de sementes para acelerar o seu nascimento. Existe várias  técnicas. Mas, no caso do jatobazeiro o método mais indicado é a escarificação mecânica, que é a abrasão das sementes sobre uma superfície áspera (lixa, piso de cimento grosseiro, etc.). É utilizado para gastar parte da película que envolve a semente e assim a facilitará na absorção de água.

Curiosidades:

– Conforme a farmacopéia popular as partes do jatobazeiro (infusão de folhas e casca) é muito utilizada para combater várias doenças.

– E a farinha extraída do fruto, (por ser levemente adocicada), é utilizada em receitas de pães, bolos, sorvetes, etc. com a vantagem de não precisar do ingrediente açúcar, sendo ideal para a dieta de diabéticos e pessoas com restrição alimentar.

Receita:

Rosquinhas de Jatobá com coco e castanha de Barú. (Dipteryx alata).

Ingredientes:

2 copos de 200 mL de farinha de trigo;

2 copos de 200 mL de farinha de jatobá,

1/2 copo de 200 mL de açúcar mascavo;

4 ovos;

10 colheres de sopa de coco ralado;

5 colheres de castanhas de baru cruas e quebradas;

1 colher de sopa de fermento em pó.

Modo de Fazer:

Misturar todos os ingredientes e amassar.

Adicionar leite até o ponto de enrolar.

Formar tiras, cortar em pedaços e enrolar as rosquinhas no tamanho desejado.

Colocar as rosquinhas em assadeira untada.

Levar ao forno até ficarem levemente douradas.

 

Para ver um vídeo desta planta, CLICAR AQUI

Como fazer mudas de amora – Morus sp.

Como fazer mudas de amora – Morus sp.

Nome científico: Morus sp.

Família: Moráceas.

Origem: Ásia.

Características gerais:

– A amoreira (Morus sp.) é uma espécie de planta arbustiva de clima temperado.

– As amoras são frutos agregados, pendentes, de coloração vermelho-escura, enegrecidos, quando maduros, com polpa vermelho-escura comestível, saborosa, serve para produção de geleias, muito apreciada por pássaros.

– Alimento rico em fibras, vitamina C, vitamina K e de ácido fólico.

– As folhas da amoreira servem para alimentação do bicho-da-seda.

Propagação:

– A propagação da planta é feita pelo método de estaquia de ramos maduros.

– A melhor época é o início da primavera, época em que as plantas estarão saindo do seu período de dormência.

Modo de fazer:

– Preparar os balainhos (sacos  plásticos de tamanho médio, com terra de boa qualidade).

– Escolher uma amoreira (para fazer seus clones), desde que seja uma planta saudável, com frutos abundantes, graúdos e adocicados.

– Cortar  ramos com aproximadamente 30 cm de comprimento e mais ou menos  um centímetro de diâmetro.

– Retirar as folhas inferiores e espetar as estacas da amoreira nos sacos plásticos, enterrando-as até a metade.

– Observar que: a parte a ser enterrada no balainho,  deverá ser a parte inferior da estaca).

– Alojar os balainhos em local semi-sombreado, podendo ser até baixo de árvores.

– Manter as regas diárias, mantendo certa umidade sem provocar encharcamento.

– As estacas brotarão entre dois a três meses.

– As mudas deverão ser transplantadas em seus locais definitivos depois de apresentar boa ramificação nos brotos e com o seu sistema radicular totalmente desenvolvido, quando as raízes já estarão despontando fora do balainho.

– A amoreira é uma planta precoce, no primeiro ano já começará a produzir frutos.

Propriedades medicinais e terapêuticas da amora.

Por ser um alimento rico em fibras, vitamina C, vitamina K e de ácido fólico.

E segundo a farmacopéia popular é muito utilizada como:

Adstringente natural: Auxilia  no combate as inflamações da boca, da garganta, dos intestinos, assim como dos órgãos genitais.

Problemas de garganta:  Inflamação das cordas vocais, gengivas, rouquidão, aftas, etc. utilizar o suco da amora levemente aquecido misturado ao mel.

Antidiarréico poderoso: Utiliza-se infusão de suas folhas, rebentos e raízes para tratamento de diarréias e disenterias.

Sistema urinário:  Preventivo das infecções urinárias, utilizando a infusão das flores da planta

Regulador dos hormônios femininos:  infusão de suas folhas.

Propriedade antienvelhecimento: Possui  antioxidantes.

– Protege o coração, bem como o sistema circulatório,l.

– Melhora o metabolismo do corpo humano de maneira geral.

– Propriedades estimulantes do sistema nervoso melhorando o funcionamento do cérebro.

Nota:

– Se você deseja atrair pássaros para o seu quintal, plante amoreiras.

A amoreira plantada em terra fértil produzirá várias temporadas de frutos durante o ano. Com certeza virão pássaros das imediações para saborear as tão deliciosas frutas.

Para ver um vídeo dessa planta CLICAR AQUI:

Como fazer mudas de Cidreira Melissa

Como fazer mudas de Cidreira Melissa

Nome científico: Melissa officinalis

Nome popular – Erva cideira

 Descrição:

– Planta arbustiva, rizomatosa, perene, formando touceiras, com altura que pode chegar a 80 centímetros.

– Popularmente conhecida como erva-cidreira, é uma planta medicinal com várias substâncias benéficas à saúde humana

Propagação:

– O método mais comum de propagação da Cidreira Melissa é por divisão de touceiras, mas também poderá ser feito através de sementes ou estacas.

Solo:

– A planta prefere solo fértil, rico matéria orgânica com boa umidade.

Clima:

– Clima temperado e subtropical.

– A planta não tolera geada.

Considerações gerais:

– A cidreira melissa (Melissa officinalis) é uma espécie de planta aromática de origem européia.

– Ela é maciçamente cultivada desde a Grécia antiga, pelo seu uso na farmacopéia popular, por apresentar inúmeras propriedades fitoterápicas.

– Utilizada na medicina caseira como calmante, o chá da infusão de suas folhas reduz a ansiedade, a tensão nervosa, servindo também de conciliador para o sono. Utilizada também para aliviar cólicas, gases, enxaquecas.

– Também é utilizado na culinária dando sabores e aromas diferentes aos alimentos.

Nota:

– Por ser uma planta rizomatosa, é muito utilizada na agricultura, em terrenos erodidos, para controlar erosão.

Como fazer mudas de Atemóia

Como fazer mudas de Atemóia

Família botânica:  Annona

A Atemóia foi obtida do cruzamento entre a cherimóia com a fruta-do-conde.

Considerações gerais:

– A proliferação da Atemóia através de sementes é perfeitamente possível, mas apresenta algumas desvantagens. Por se tratar de uma planta híbrida, além de demorar mais de quatro anos para iniciar a frutificação, apresentará sua produção com frutos menores e de qualidade inferior aos encontrados no mercado.

– O ideal é a obtenção de mudas enxertadas adquiridas em viveiros credenciados. Com isso, o produtor acelerará o retorno do seu investimento, pois as mudas enxertadas iniciam a produção a partir do terceiro ano.

– As mudas enxertadas, por apresentar o portas enxerto mais resistente, se tornará menos vulnerável ao ataque de brocas e fungos do solo, além de formar um pomar bem mais uniforme, com produção de frutos de excelente qualidade.

Características:

– A atemóia é um fruto de poupa branca, suculento, de sabor agridoce, leve e agradável, com sementes negras, considerado de alto valor nutritivo.

Solo:

– A planta responde bem ao cultivo, quando plantada em solo profundo, rico em matéria orgânica, bem drenado, com Ph girando em torno de 5,0 e 6,0.  Sem camada de compactação do solo, geralmente originado por grade aradora.

Clima:

– Planta de clima tropical, subtropical.

Plantio e tratos culturais:

– A atemóia deverá ser plantada no início da estação chuvosa, devido à grande necessidade de água requerida pelas mudas.

– Em plantações extensivas o espaçamento mais comum é o de 2 x 4 metros, ou seja: 2 metros entre mudas e 4 metros entre fileiras.

– As covas deverão obedecer as seguintes dimensões: 60 x 60 x 60 centímetros.

– Ao solo removido do interior da cova, deverão ser misturados: 20 litros de esterco orgânico bem curtido, 1 kg de termofosfato, ou (adubo rico em fósforo: NPK 4-14-8), 50 gramas de cloreto de potássio e 50 gramas de nitrocálcio.   Após a homogeneização desse composto, a mistura deverá voltar para  o interior da cova.  (obs. Esse procedimento deverá ser feito pelo menos, dois meses que antecede o plantio das mudas).

– Plantar as mudas bem no centro das covas.

– A partir do período produtivo da planta, as adubações e correções do solo, deverão ter como base, a análise de laboratório.

– Planta exigente à água, cujos níveis pluviométricos anuais deverão girar em torno de 750 e 1500 milímetros.

– As principais regiões produtoras: Sul, Sudeste e Nordeste.

– A Atemóia é uma planta que tolera geada.

– A poda deverá ser realizada após o período de dormência da planta.

Nota:-

– Para se iniciar a produção e obter algum retorno financeiro, o produtor terá que plantar no mínimo uma área de 1 hectare. (aproximadamente 200 a 250 plantas).

 Colheita:

– O pico da colheita se dará entre os meses de maio a julho, geralmente iniciando-se em fevereiro e se estendendo até setembro.

Utilidades:

– Normalmente a atemóia  é consumida in natura, mas, apresenta grande diversidade no uso da culinária, em forma de doces, sucos, sorvetes, etc.

Uso medicinal:

O fruto é recomendado por ser rico em fibras, além de conter índices elevados de proteínas, fósforo, potássio, cálcio, etc. Embora, ainda não há qualquer estudo científico que comprove seu uso específico.