Como fazer mudas de Eucalipto

Como fazer mudas de Eucalipto

Espécies mais utilizadas:

Eucalyptus saligna Smith.

Eucalyptus alba Reinw.

Eucalyptus grandis Hill.

Eucalyptus citriodora Hook.

– Vários são os métodos que poderão ser usados na formação das mudas de eucalipto.

– Dependerá apenas da escolha, e da demanda  de cada região, seja em relação ao clima, ou, às possibilidades de abastecimento de matéria-prima destinada a ao mercado consumidor.

– O método mais comum utilizado com bastante eficácia é o de semeadura em canteiros de sementeiras, para posterior repicagem das mudinhas em balainhos, sendo a técnica mais freqüente na produção de mudas atualmente.

– Outra forma de produção de mudas de eucalipto, a chamada “semeadura direta”, consiste em depositar as sementes diretamente nos recipientes, (balainhos).

– Nota: Dependendo dos objetivos de cada produtor, no tocante à eficiência e à economia poderá ser escolhido os materiais e métodos mais apropriados.

Recipientes para o acondicionamento das mudas:

Dentre os vários métodos existentes, relacionamos os mais comuns utilizados:

Torrão-paulista: nas dimensões: 3,5 cm de lado por 12 cm de altura, confeccionados em máquinas especificas e apropriadas, para isso, utiliza uma mistura de terra arenosa, terra argilosa e esterco de animal bem curtido, em proporções adequadas;

Laminados de pinho: nas dimensões: 14×21 cm, enroladas em forma de cilindro com 5 cm de diâmetro e presas com um anel de arame fino, e cheio com a mesma mistura de terra e esterco curtido.

Saco plástico: nas dimensões: 8,5 cm x 13 cm, com o mesmo substrato acima: mistura de terra com esterco animal bem curtido ( Nota: observar se o saco plástico apresenta furos para drenagem de água).

– Saco plástico: nas dimensões: 8,5 cm x 20 cm, com o mesmo substrato descrito acima, ou seja; terra com esterco animal curtido ( Nota: observar se o saco plástico apresenta furos para drenagem de água).

 Sementes:

As sementes utilizadas deverão ser de boa procedência com alto poder germinativo.

Tipos de semeadura:

– Semeadura em canteiro para posterior repicagem.

– Preparar o canteiro usando uma mistura, adequadamente homogeneizada, de terra arenosa, terra argilosa e esterco animal curtido.

– Na semeadura, utilizar 50 gramas de sementes por metro quadrado, distribuídas a lanço.

– As sementes deverão ser cobertas com uma leve camada de terra peneirada e, em seguida, protegidas com uma camada de casca de arroz com cerca de 1 cm de espessura.

– Manter o local com boa umidade sem encharcar,  até as mudas atingirem porte ideal para repicagem.

Repicagem:

– Quando as mudinhas dos canteiros atingirem altura entre 3.5 a 4,0 cm, e apresentando de 2 a 3 pares de folhas definitivas, está na hora da repicagem para os recipientes balainhos.

– O processo é  bem simples: Após boa rega nos canteiros, amolecendo a terra, para facilitar a saída das raízes, arranca-se as mudinhas individualmente, colocando-as dentro de um recipiente com água e à sombra, próximo do local da repicagem. E com um bastão tipo lápis, fazer os orifícios na terra do balainho, colocar as mudas e apertar a terra com os dedos, ajustando as raízes da planta, em seu novo habitat.

– Os balainhos deverão ficar em local sombreado por período de 4-5 dias, mantida a umidade para garantir o bom pegamento das mudas.

Semeadura direta

– Semeadura das sementes diretamente nos recipientes balainhos.

– Cada recipiente depois de bem umedecido  deverá receber uma  média entre 6 a 8 sementes férteis.

– Após a distribuição, as sementes deverão ser  cobertas com fina camada de terra peneirada e protegida com casca de arroz em camada  de mais ou menos 1 cm de espessura.

– Manter boa umidade sem encharcamento.

– Aproximadamente cinqüenta dias após a semeadura  deve-se fazer o desbaste das mudas excedentes no balainho, deixando apenas a planta mais vigorosa.

Transplante das mudas para o lugar definitivo.

Quando as mudas atingirem tamanhos suficientes para serem transplantadas, isso deverá ocorrer por volta dos oitenta dias de vida, deverão ser levadas a campo para o plantio definitivo.

Obs. Todo o processo deverá ser bem planejado, para que as mudas sejam levadas a campo num período chuvoso, onde as futuras plantas não entrarão em estresse pela insolação direta sem a devida umidade natural requerida.

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>