Como fazer mudas de Jaracatiá – Jacaratia Spinosa

Como fazer mudas de Jaracatiá – Jacaratia Spinosa 

Nome científico: Jacaratia Spinosa

Nome popular: Barrigudo, Mamão de espinho, Mamãozinho, Mamão bravo, Bananinha, Chamburú, Aracatiá.

Família: Caricaceas

Origem: Mata Atlântica, Brasil, América do Sul.

Características gerais:

– Jaracatiá, segundo a língua indígena “Tupi Guarani”, significa: “Fruto da árvore de tronco mole”.

– Trata-se de uma árvore frutífera de médio porte, de ciclo de vida perene, nativa da Mata Atlântica, com distribuição na Região Centro-Sul e Norte do Brasil, e, em seu habitat natural poderá ultrapassar 20 metros de altura.

– O jaracatiazeiro ocorre também em outras regiões da América do Sul: Bolivia, Paraguai, Equador, Peru, Guiana, etc.

– Trata-se de uma árvore de tronco não lenhoso com grande semelhança ao mamoeiro comum, o tronco e os frutos segregam leite e, os frutos lembram o mamão papaya.

Solo:

– A planta deverá ser cultivada em solo fértil, profundo, rico em material orgânico e drenável.

– O pH do solo deverá oscilar entre 5,0 a 6,5.

Clima:

– Trata-se de uma planta adaptada ao clima: Equatorial, Tropical, Subtropical.

– Deverá ser cultivada a sol pleno, pois, requer alta luminosidade.

– A planta é resistente a geadas de baixa densidade. Perde a folhagem mas, não morre. E na primavera ressurge esplendorosa.

Propagação:

– A multiplicação da planta poderá ser feita por sementes e/ou, por enraizamento de estacas dos ramos maduros.

Propagação por Sementes:

– As sementes são pequenas e, depois de preparadas e secas, se bem acondicionadas em frascos escuros, poderão conservar seu poder germinativo por mais de 1 ano.

– As sementes poderão ser cultivadas em sementeiras feitas em canteiros no solo e/ou caixas de vegetação.

– A germinação ocorrerá, geralmente, em 30 dias, após semeadura.

– As plântulas poderão ser transferidas para balainhos individuais, feitos com sacos de polietileno, quando apresentarem-se com, em média, 20 cm de altura.

– Trata-se de uma planta de crescimento rápido e, geralmente, em 6 meses após repicagem, a muda já estará com 0,50 metros de altura.

– Quando a muda atingir, em média, 0,80 metros de altura já poderá ser levada a campo.

– Antes das mudas serem levadas para seus locais definitivos, aconselha-se fazer a rustificação das mesmas com aclimatação gradativa ao sol, por algumas semanas.

– Planta de rápido crescimento, poderá chegar aos 2 metros de altura, no primeiro ano, após plantio definitivo.

– Para que ocorra a polinização cruzada será necessário plantar mais que uma árvore, com certa proximidade.

– A melhor época para levar as plantas a campo, será o início da estação chuvosa, (Primavera).

Propagação por estaquia de galhos:

– A multiplicação por estacas de galhos maduros, poderá ser feita em estufas com altas temperaturas (imitando o clima tropical) e, umidade constante.

– As Estacas deverão ser cortadas de galhos maduros, em forma de bisel, em média, com 0,50 metros de comprimento x 3,5 cm de diâmetro.

Frutificação:

– As flores são emitidas separadamente:

– As Flores femininas nascem solitárias ou, aos pares, nas axilas das folhas com os ramos, estas desabroxam em pequenos pedunculos.

– As flores masculinas também pedunculadas, são emitidas nas axilas foliares, mas em forma de inflorescências, semelhantes às flores do mamão macho, em pedúnculos bem maiores.

– Os frutos têm formatos ovalados e, quando maduros adquirem coloração amarelo-alaranjado.

– A frutificação ocorre, geralmente, entre 2 e 5 anos após plantio da muda em local definitivo.

– O amadurecimento dos frutos ocorre de Janeiro a Março.

Regas:

– Na natureza, a planta vegeta satisfatoriamente em locais onde a precipitação pluviométrica oscila entre 800 a 2.300 mm anuais.

– As plantas adultas toleram curtos espaços de estiagem.

– Mas, na formação de mudas, aconselha-se manter o solo sempre com boa umidade, a planta não deverá sofrer escassez de água durante o início de seu desenvolvimento, porém, encharcamentos deverão ser evitados, para que não ocorra o aparecimento de doenças como a ferrugem.

– As mudas, em seu primeiro ano de vida, deverão receber regas periódicas a fim de manter a umidade constante do solo.

Covas:

– Abrir covas com 50 x 50 x 50 cm.

– Adicionar ao solo removido da cova: 20 Litros de esterco animal bem curtido, 0,5 Kg de Calcáreo dolomítico.

– Os materiais adicionados deverão ser misturados ao solo removido e, somente depois de totalmente homogeneizados, deverão voltar para dentro do buraco. Esse pocedimento deverá ser realizado, em média, com 30 dias de antecedência do plantio da muda, para que os materiais adicionados incorporem-se ao solo.

Espaçamento:

– O espaçamento poderá ser de 5,0 metros entre plantas x 6,0 metros entre linhas.

Tratos culturais:

– Trata-se de uma planta rústica sem grandes necessidades de cuidados especiais.

– Podas para formação da planta.

Adubação:

– Também não haverá grandes necessidades de adubação se o solo for rico em material orgânico.

– Caso necessário, poderá ser aplicado 20 litros de esterco animal bem curtido ao redor do tronco da planta.  Aconselha-se fazer este procedimento no início da estação chuvosa, (Primavera), quando as plantas estarão emergindo de sua dormência vegetativa.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *