Como fazer mudas de Figo

Como fazer mudas de Figo

Nome Científico – Ficus carica L

Origem: Região do Mediterrâneo

Propagação:

A propagação da figueira se faz pelo método da estaquia.

– Cortar estacas de ramos maduros com trinta centímetros de comprimento, aproveitados da poda de inverno.

– As estacas não devem ser fincadas no solo, mas usadas para fazer mudas em viveiros.

– Abrem-se sulcos na terra fofa do viveiro e colocam-se as estacas com dois entrenós fora da terra, pressionando bem a terra no entrenó que ficou enterrado.

– A primeira vegetação ocorrerá no viveiro.

– No ano seguinte se transplanta a muda para seu local definitivo,  podando-a  com uma altura de 50 centímetros do solo.

– Nesse mesmo ano a figueira já inicia a sua produção.

Espaçamento:

O espaçamento mais utilizado é de: 0,50 metros entre plantas x 2,5 metros entre linhas.

Clima e solo:

– Clima: subtropical e tropical.

– Solo: Planta pouco exigente quanto ao tipo de solo, só não se adapta bem em solos encharcados e excessivamente arenosos que facilitam a propagação de nematóides.

Tratos culturais:

– A figueira é exigente quanto às invasoras, portanto necessita de coroamento com capinas periódicas.

Podas:

– A figueira tem um curto período de dormência no inverno, quando suas folhas caem, nesse período deverá ser feita a poda. Geralmente ocorre entre junho e julho.

– Frutifica de acordo com a poda ou, o ano todo.

Considerações Gerais:

– A planta deve ser formada com apenas um tronco e quando esse tronco atingir uma altura de 40 a 60 cm deverá ser retirado a gema terminal do broto único. Como resultado, ela brotará intensamente, então, escolhe-se dois ou três rebentos para formar uma copa bem aberta e ventilada, excluindo os outros brotos periodicamente.

Adubação por planta:

– Na época do plantio: Abrir as covas com 50 x 50 x 50 cm e adicionar ao solo da cova: 20kg de esterco de curral; 1Kg de fosfato natural; 150g de cloreto de potássio 500g de calcário.

– Esse procedimento deverá ser feito aproximadamente um mês antes de a cova receber a muda.

Adubação de cobertura:

– No pomar em formação: 200g de Nitrocálcio, em quatro parcelas; 40 a 60g de cada um dos nutrientes – N P2O5 e K2O – por ano de idade.

–  No pomar adulto: após a colheita: 5kg de esterco de galinha; 1kg de Superfosfato e 400g de cloreto de potássio; na vegetação: três a quatro aplicações e 400g a 500g de sulfato de amônio.

Leia Mais

Como fazer mudas de Abiu

Como fazer mudas de Abiu

Nome científico: (Pouteria caimito)

Origem: Floresta amazônica, o Mato Grosso.

Proliferação:

– A propagação do abieiro pode ser feita através de sementes ou enxertia.

Propagação através  de sementes:

– As sementes frescas, recém tiradas dos frutos germinam em 20 a 30 dias.

– Preparar os balainhos de sacos de polietileno, com um composto de terra vegetal misturada com esterco animal bem curtido, areia grossa e cinzas na proporção de : 4 x 3 x 1 x 1.

– Enterrar de duas a três sementes por balainho.

– Se todas germinarem fazer o desbaste, deixando apenas a planta mais vigorosa.

Obs.

– Também poderá optar pelo método das sementeiras em canteiros, utilizando o mesmo tipo de solo acima mencionado.

– Fazer sulcos com 2 centímetros de profundidade  e 5 centímetros de distanciamento.

– Distribuir as sementes nos sulcos e cobri-las levemente com terra.

– Fazer irrigações periódicas, para que o solo fique sempre levemente umedecido.

– Quando as mudas atingirem aproximadamente 10 cm de altura, já estará na hora de fazer a repicagem para os balainhos.

– Quando as mudas nos balainhos atingirem aproximadamente 50 cm de altura, já poderão ser transplantadas em seus locais definitivos.

Covas:

– Espaçamento entre covas 7 x 7 metros.

– Abrir as covas com 50 x 50 x 50 cm.

– Misturar à terra da cova: 20 litros de esterco de curral bem curtido, 500 gramas de calcário, 300 gramas de cinzas de madeira.

– Esse processo deverá ser feito aproximadamente um mês antes de a cova receber a muda.

Plantio:

– O Plantio deverá ser feito em períodos chuvosos para facilitar o pegamento e a fixação das mudas ao solo.

– Colocar cobertura morta ao redor da planta para manter a umidade constante.

Tratos culturais:

– Coroamento com capinas de rotina ao redor da muda para evitar as invasoras.,

– Fazer podas de formação da planta.

Adubação:

– A cada seis meses deverá ser colocado 2 kg de esterco de galinha (cama de frango), como adubação de superfície.

– Além da cama de frango, adicionar  50 gr de adubo químico NPK 10-10-10, dobrando essa quantia a cada ano até o 4ª ano. Distribuir os nutrientes à 5 cm de profundidade no solo, em círculos distanciados à 50 cm do tronco.

Tipo de solo ideal:

– O abieiro desenvolve-se bem em solos sílico-argilosos, de terra firme, profundos, férteis e úmidos, mas, com boa permeabilidade. E também em várzeas desde que sejam bem drenadas.

Considerações Gerais:

– O clima ideal é o quente e úmido.

– As plantas iniciam frutificação entre  6 a 8 anos de idade.

– A planta tem crescimento lento e requer sombreamento na faze inicial (até o segundo ano).

– A planta poderá ser cultivada em climas tropicais e subtropicais.

– Adapta-se a qualquer altitude e solo, mais a sua produtividade está diretamente ligada a solos férteis, ricos em materiais orgânicos com cobertura morta, para manter a umidade constante do solo.

– O abieiro não tolera geadas fortes com temperatura inferiores a zero grau.

– O Ph do solo deve girar por volta dos 5,6.

Leia Mais

Como fazer mudas de banana

Como fazer mudas de banana

Nome científico: Musa spp.

Origem: admite-se que seja oriunda do Oriente.

Considerações gerais:

A bananeira é uma planta rizomatosa, de caule subterrâneo. A parte que chamamos de tronco, é um pseudocaule  constituído pelas bainhas das folhas.

– É uma planta tipicamente tropical e para seu bom desenvolvimento e produtividade, exige calor constante, entre 26 a 30ºC, precipitações bem distribuídas: 1.200 a 1.800 mm/ano, e elevada umidade.

– A bananeira deverá ser plantada a pleno sol, pois a planta requer alta taxa de luminosidade, a exposição direta à luz solar, engrossa, grana e adoça melhor o fruto, além de acelerar o período da colheita.

– Ventos fortes são prejudiciais a planta, podendo destruir por completo o bananal.

– As bananeiras são exigentes quanto ao tipo de solo, que deverá ser rico em material orgânico, e bem drenado, pois suas raízes penetram a quase um metro de profundidade.

– A bananeira não tolera geada.

Propagação:

– A bananeira propaga-se por divisão dos rizomas. E estes, podem apresentar brotos, ou apenas as gemas ainda dormentes.

– Mudas ideais para o plantio são aquelas com aproximadamente um metro de altura.

– As mudas terão que ser de boa procedência sem apresentar sintomas de ataques de Nematóides, Fungos como: sigatoka negra, Broca da bananeira, Mal do panamá, etc..

Plantação:

– As covas terão que apresentar as seguintes medidas de 50 x 50 x 50 cm.

– O espaçamento ideal para as covas é de 3 x 3 metros.

– 20 litros de esterco animal bem curtido deverão ser misturados ao solo da cova, um mês antes da plantação da muda.

– A época mais indicada para o plantio é o início da estação chuvosa.

– Realizar desbastes periódicos, de forma que permaneçam apenas três a quatro plantas em cada touceira

Tratos culturais:

– Manter a lavoura sempre limpa, livre de invasoras e ervas daninha.

Leia Mais

Como fazer mudas de Framboesa

Como fazer mudas de Framboesa

Nome científico: Rubus idaeus

Origem: centro norte da Europa, Ásia.

Família: Rosáceas.

Características gerais:

– A framboesa é uma planta arbustiva, cujos ramos espinhosos formam grandes moitas.

– Os frutos granulosos, semelhantes a amoras, delicados, suculentos, de sabor levemente ácido. Ocorrem nas extremidades dos ramos, numa coloração que varia do amarelo ao negro, passando pelo vermelho, ricos em vitamina C.

– A planta se torna mais produtiva em áreas de verão ameno, e temperaturas menores que sete graus, por mais de 250 horas, no inverno.

– Portanto, trata-se de uma planta adequada para a região sul do Brasil, e regiões montanhosas, onde o clima é propício para sua cultura e produtividade.

Propagação:

A propagação pode ser feita por estaquia de ramos maduros, e por mudas que brotam de suas raízes superficiais.

Pelo método da estaquia:

– Aproveitar a poda de inverno (hibernal), que deverá acontecer entre maio e julho de cada ano, para cortar as estacas com 15 a 20 centímetros de comprimento, que devem ser enterradas em pequenos feixes, em locais sombreados e com boa umidade.

– Depois das estacas brotadas, devem ser arrancadas e levadas para seus locais definitivos.

– Plantar as estacas a uma distância aproximada de 30 centímetros uma da outra, embaixo da linha da espaldeira.

– As plantinhas deverão receber tutores de bambus ou, qualquer outro material disponível, onde serão amarradas para  serem conduzidas até o topo da espaldeira.

Espaldeira:

– A espaldeira funcionará como suporte das plantas e deverá ser construída da forma mais simples possível: Dois mourões (palanques) que deverão ser fincados, um em cada extremidade da espaldeira,  em seguida, colocar um fio de arame liso bem esticado, ligando um mourão ao outro, a uma altura de 1,20 metros, do solo.

– Os tutores deverão ser fincados no chão junto à cova da nova planta, cuja extremidade superior deverá ser amarrada, fixando-a ao fio de arme.

– Distancia entre as espaldeiras: aproximadamente 3,0 metros.

Solo:

– Na época da plantação das estacas brotadas, em seus locais definitivos, aplicar três litros de esterco animal bem curtido junto com 40 gramas de superfosfato simples, em cada cova.

– A framboeseira pode ser plantada em terrenos planos ou encostas, bem drenados.

– Adapta-se perfeitamente a solos de textura média, ricos em matéria orgânica e com pH variando entre  5,0 a 5,5.

– Níveis pluviométricos em torno de 700 a 900 milímetros.

 Produção:

A frutificação ocorrerá depois de um ano e meio após as mudas transplantadas em seus locais definitivos.

Utilização:

O fruto poderá ser ingerido in natura ou na produção de geléias caseiras.

Na industrialização, transformados em polpa congelada, sucos, iogurtes, sorvetes, gelatinas, etc.

Tratos culturais:

– Deverá processar a poda após o período de produção.

– Desbastar a planta retirando todos os galhos que produziram frutos.

– Conduzir a nova brotação até o fio de arame, com novos tutores, pois a próxima colheita será produzida nesses novos rebentos formados durante o ano.

– Após a poda fazer nova adubação de cobertura com 3 litros por planta, de esterco animal bem curtido, misturado ao adubo superfosfato simples.

Leia Mais

Como fazer mudas de Marmelo

Como fazer mudas de Marmelo 

Nome científico: Cydonia oblonga

Origem: Ásia Ocidental e Sudeste de Europa.

Família: Rosaceae

Considerações gerais:

– O marmelo é um fruto de aroma forte e agradável, sabor ácido e de poupa dura. Talvez por esse motivo, seu consumo é quase que exclusivamente na forma de doces e compotas.

– O marmeleiro é fácil cultivo. E não requer muitos cuidados.

– As variedades mais cultivadas por apresentar melhor adaptação e produtividade são: Gamboa, Portugal e Maça.

Propagação:

– Os métodos de propagação do marmeleiro podem ser: Através de sementes, por estaquia, ou mergulhia.

– Quando se propaga por sementes, para que a planta se torne mais produtiva, é necessário fazer a enxertia  pelo método de transferência de borbulha ou, garfagem, escolhidas de plantas selecionadas.

Clima e solo:

– O marmeleiro é uma planta ideal para ser cultivado na região sul do Brasil, pois ela requer um período de frio para que se torne produtiva.

– Deve ser plantado no início da primavera, coincidente com o período chuvoso.

– Deve ser cultivado em solo rico em matéria orgânica, bem drenado, com pH variando entre 6 e 7.

– O Marmeleiro é típico planta do cerrado, com sistema radicular superficial.

– Como se trata de uma planta arbustiva de porte médio que pode atingir até  quatro metros de altura, precisa ser plantado em locais protegidos do vento, como orlas de matas, atrás de muros, etc.

Leia Mais

Como fazer mudas de Atemóia

Como fazer mudas de Atemóia

Família botânica:  Annona

A Atemóia foi obtida do cruzamento entre a cherimóia com a fruta-do-conde.

Considerações gerais:

– A proliferação da Atemóia através de sementes é perfeitamente possível, mas apresenta algumas desvantagens. Por se tratar de uma planta híbrida, além de demorar mais de quatro anos para iniciar a frutificação, apresentará sua produção com frutos menores e de qualidade inferior aos encontrados no mercado.

– O ideal é a obtenção de mudas enxertadas adquiridas em viveiros credenciados. Com isso, o produtor acelerará o retorno do seu investimento, pois as mudas enxertadas iniciam a produção a partir do terceiro ano.

– As mudas enxertadas, por apresentar o portas enxerto mais resistente, se tornará menos vulnerável ao ataque de brocas e fungos do solo, além de formar um pomar bem mais uniforme, com produção de frutos de excelente qualidade.

Características:

– A atemóia é um fruto de poupa branca, suculento, de sabor agridoce, leve e agradável, com sementes negras, considerado de alto valor nutritivo.

Solo:

– A planta responde bem ao cultivo, quando plantada em solo profundo, rico em matéria orgânica, bem drenado, com Ph girando em torno de 5,0 e 6,0.  Sem camada de compactação do solo, geralmente originado por grade aradora.

Clima:

– Planta de clima tropical, subtropical.

Plantio e tratos culturais:

– A atemóia deverá ser plantada no início da estação chuvosa, devido à grande necessidade de água requerida pelas mudas.

– Em plantações extensivas o espaçamento mais comum é o de 2 x 4 metros, ou seja: 2 metros entre mudas e 4 metros entre fileiras.

– As covas deverão obedecer as seguintes dimensões: 60 x 60 x 60 centímetros.

– Ao solo removido do interior da cova, deverão ser misturados: 20 litros de esterco orgânico bem curtido, 1 kg de termofosfato, ou (adubo rico em fósforo: NPK 4-14-8), 50 gramas de cloreto de potássio e 50 gramas de nitrocálcio.   Após a homogeneização desse composto, a mistura deverá voltar para  o interior da cova.  (obs. Esse procedimento deverá ser feito pelo menos, dois meses que antecede o plantio das mudas).

– Plantar as mudas bem no centro das covas.

– A partir do período produtivo da planta, as adubações e correções do solo, deverão ter como base, a análise de laboratório.

– Planta exigente à água, cujos níveis pluviométricos anuais deverão girar em torno de 750 e 1500 milímetros.

– As principais regiões produtoras: Sul, Sudeste e Nordeste.

– A Atemóia é uma planta que tolera geada.

– A poda deverá ser realizada após o período de dormência da planta.

Nota:-

– Para se iniciar a produção e obter algum retorno financeiro, o produtor terá que plantar no mínimo uma área de 1 hectare. (aproximadamente 200 a 250 plantas).

 Colheita:

– O pico da colheita se dará entre os meses de maio a julho, geralmente iniciando-se em fevereiro e se estendendo até setembro.

Utilidades:

– Normalmente a atemóia  é consumida in natura, mas, apresenta grande diversidade no uso da culinária, em forma de doces, sucos, sorvetes, etc.

Uso medicinal:

O fruto é recomendado por ser rico em fibras, além de conter índices elevados de proteínas, fósforo, potássio, cálcio, etc. Embora, ainda não há qualquer estudo científico que comprove seu uso específico.

Leia Mais

Como fazer mudas de Pêssego

Como fazer mudas de Pêssego

  Nome científico: Prunus pérsica

 Origem: China

 Existem algumas alternativas para se fazer mudas de pêssego através de sementes.

 Método 1:

– O Primeiro passo é retirar os caroços, limpá-los, removendo todas as partes remanescentes da poupa.

– Em seguida, envolvê-los em algodão esterilizado, levemente umedecido em água, colocá-los dentro de um saco plástico transparente e levá-los à geladeira.

– Mantê-los na geladeira, (5 -12 ºC), até o ponto em que a casca dos caroços começarem a  se abrir e as sementes iniciarem a germinação.

– Na seqüência, plantar em balainhos e colocá-los em locais sombreados, pode ser embaixo de árvores ou em viveiros protegidos com sombrites.

 Método 2:

– Quebrar as cascas dos caroços, com cuidado para não ferir as sementes, aplicar algum tipo de fungicida nas sementes, em seguida, envolvê-las em algodão esterilizado, levemente umedecido com água, ou, plantá-las diretamente em copinhos descartáveis, cheio de areia esterilizada umedecida. Em ambos os casos, deverão ser colocados em sacos plásticos transparentes, em seguida colocar na geladeira com temperatura entre (5 – 10 ºC), até a sua germinação, na seqüência, deverão ser transplantadas em balainhos dispostos em locais sombreados.

-(Obs. Para esterilizar a areia: coloque-a num autoclave por uns cinco a dez minutos em temperatura alta….  Se não tiver autoclave disponível, ferva a areia colocando-a numa panela de pressão, (uma parte de areia  para três partes de água), e ferva durante aproximadamente uns trinta minutos, escorra a água, deixe esfriar e já estará pronta para uso.)

– Nota:- Antes de esterilizar a areia é preciso lavá-la. Colocar a areia em um balde, (uma parte de areia para três partes de água), mexer bastante para que as impurezas  se dissolvam na água, esperar a areia assentar no fundo do balde, em seguida, derramar  somente a água suja. (Repetir essa operação até que a água saia totalmente limpa.)

 Método 3:

– Para regiões onde o inverno é rigoroso, os caroços com as respectivas sementes poderão ser plantados diretamente no solo, esse processo deverá ocorrer na época mais fria do ano, pois o frio da estação fará a quebra da dormência das sementes.

Solo:

– O pessegueiro não é muito exigente quanto aos tipos de solos, porém esses precisarão ser profundos e com boa drenagem.

– Desenvolve-se com boa produtividade em temperaturas amenas, com médias anuais em torno de 20ºC.

– Em plantação extensiva, o terreno destinado ao plantio, deverá ser preparado no mínimo com 2 meses de antecedência, deverá ser arado, gradeado e corrigido com calcário,  o Ph deve ficar em torno de 6.

– O espaçamento mais usado é de 6 metros entre linhas e 4 metros entre plantas.

-As covas devem obedecer às dimensões 50 x 50 x 50 centímetros.

– Ao solo da cova, deverão ser misturados: 20 litros de esterco de curral bem curtido, 300 gramas de NPK na fórmula 20:5: 20,  25 gramas de bórax e 1 kg de calcário dolomítico. Depois desta mistura estar bem homogeneizada, deverá voltar para dentro da cova, e aguardar a futura muda que deverá ser transplantada somente depois de decorridos quarenta a cinqüenta dias desse processo de preparação do solo.

– As mudas deverão ser transplantadas no início do período chuvoso.

Tratos culturais:

– Os tratos culturais se resumem em aplicação de herbicidas para livrar as plantas das ervas invasoras.

– As podas nos períodos de dormência.

– A Produção se dará após  3º ano, chegando ao pico quando a planta tiver por volta de 20 anos.

Leia Mais

Como fazer mudas de Jaca

Como fazer mudas de Jaca

– Nome científico –  Artocarpus integrifolia L, / Artocarpus heterophilus Lam., Moraceae, Dicotyledonae.

– Origem: Ásia (Malásia. Índia).

– Introduzida no Brasil pelos portugueses.

Características Gerais:

– A jaqueira é uma árvore de grande porte e chega atingir perto de trinta metros de altura.

– Suas flores, sem pétalas, porém muito perfumadas, já caracterizando o fruto, agrupam-se em inflorescências masculinas e femininas, fixadas ao tronco e ramos mais grossos.

Propagação:

– Formação de mudas utilizando-se sementes.

– Selecionar sementes de frutos saudáveis, obtidos de árvores precoces, vigorosas, sadias e de boa produção.

– As sementes depois de retiradas do fruto deverão ser lavadas, e colocadas sobre um jornal em local sombreado e ventilado, por um dia, até velar a película protetora da semente.

– Em seguida deverão ser plantadas em balainhos.

– Nota:- As sementes precisarão ser plantadas quase que imediatamente após serem retiradas do fruto, senão perdem o poder germinativo. (visto que muitas delas já começam emitir suas raízes, ainda dentro do fruto).

Recipientes:

– Os balainhos poderão ser aqueles sacos de polietileno preto, dimensões 20 x 30 cm.

– Solo dos balainhos: Preparar uma mistura bem homogeneizada de terra areno-argilosa com esterco de curral bem curtido, na proporção de 3:1, ou seja: 3 partes de terra para 1 parte de esterco.

– Os balainhos poderão ser dispostos em fileiras, formando canteiros, sob sombreados de árvores, ou ripados em viveiros, proporcionando 50% de sombra.

– Plantar de duas a três sementes por balainho, enterrando-as com aproximadamente quatro centímetros de profundidade.

– Se todas as sementes nascerem deverá ser feito o desbaste, deixando apenas a planta mais vigorosa

– À medida que as mudas forem se desenvolvendo, deverão ser gradativamente aclimatadas ao sol.

– Quando as plantas atingirem altura média de trinta centímetros, já poderão ser transplantadas para seus locais definitivos.

– As mudas deverão ser levadas a campo, preferencialmente no início da estação chuvosa.

Clima:

– A jaqueira adapta-se muito bem em regiões de clima quentes e úmidos.

– A planta se torna muito produtiva em temperatura média anual de 25ºC, com chuvas acima de 1.200 mm/ano (bem distribuídos), umidade relativa do ar em torno de 80% e dias bastante ensolarados.

– A planta não tolera geadas.

Solo:

– A planta desenvolve-se bem em solos férteis, areno-argilosos, profundos, bem drenados não sujeitos a encharcamento,  com pH variando de 6 a 6,5.

Plantio:

– Para formação de pomares o espaçamento mais utilizado é: 10m. x 10m.

– As covas com dimensões de 50 x 50. x 50 centímetros deverão ser abertas com mais ou menos dois meses de antecedência, obedecendo ao seguinte critério:

– Imediatamente após a abertura da cova, a mesma deverá ser novamente repleta com uma mistura bem homogeneizada do próprio solo retirado, com vinte litros de esterco de curral bem curtido, meio kg de calcário dolomítico, meio kg de super-fosfato simples e 100 gramas de cloreto de potássio.

– A muda deverá ser introduzida bem no centro da cova.

Frutificação:

– As plantas originadas de sementes, iniciam frutificação  após o quinto ano.

– Uma jaqueira será produtiva por um período de mais de cem anos.

– A produção de uma jaqueira adulta pode alcançar em média oitenta frutos árvore/ano.

– Os frutos devem ser conservados em ambiente fresco e seco.

Utilização:

– A jaca poderá ser consumida in natura, ou processada em forma de: doces, compotas, polpas congeladas, refrescos, sucos, bebidas (licores).

– As Sementes ricas em amido, são muito apreciadas quando assadas.

– As sementes, assadas e moídas produzem uma farinha especial utilizada no preparo de biscoitos, pães, bolos, doces, outros.

Uso medicinal:

– Na medicina caseira o bago é utilizado no tratamento de tosses (propriedades expectorantes).

– A ingestão da semente torrada, corrige desarranjos intestinais.

– A jaqueira emite o visgo, uma resina medicinal de propriedade cicatrizante.

Composição química da polpa:

Conforme análise de laboratório, a cada 100 gramas da polpa do fruto contém:

– Água 84%

– Carboidratos 18,9 gramas

– Proteína 1,9 gramas

– Gordura 0,1 gramas

– Fibra 1,1 gramas

– Cálcio 20 miligramas

– Fósforo 30 miligramas

– Ferro 0,5 miligramas

– Vitamina A 540 U.I.

– Tiamina 30 U.I.

Composição química da semente:

– Proteínas  6,6%

– Carboidratos. 25,8%

Leia Mais

Como fazer mudas de Cajá-manga

Como fazer mudas de Cajá-manga

Nome científico – Spondias dulcis Forst.

Família: Anacardiaceae

Origem : Oceania

Características:

– É uma árvore perene, que atinge até 15 metros de altura.

– O fruto quando maduro, apresenta-se com casca amarelada, pintalgada de pardo, muito aromático e de polpa suculenta e agradável, de sabor característico: agridoce e levemente ácido, com endocarpo fibroso.

Propagação:

– A propagação pode ser feita através de sementes ou estacas.

Propagação por estacas:

– O método de proliferação, através de estaquia de galhos maduros, é vantajoso para se obter a frutificação da planta, mais rapidamente.

– Escolha galhos médios e maduros com aproximadamente três a quatro centímetros de diâmetro por um metro de altura, cortando-os, em  bisel.

– É necessário fazer pequena desfolha nos galhos selecionados para a planta não sentir, perdendo água pela transpiração folhar através da fotossíntese.

– As estacas podem ser plantadas em seus locais definitivos ou em balainhos grandes , tipo: latas de vinte litros, baldes velhos descartados, etc.

– Enterrar a estaca mais ou menos quarenta centímetros no solo.

– Assim que começarem a emitir brotos ou folhas novas, já poderão ser levadas a campo.

– A melhor época para o plantio é o período que coincide com a época das chuvas: dezembro a março.

– Arvore de crescimento moderado não resiste a geadas fortes.

– Adaptam-se bem em qualquer tipo de solo, mas preferem solos profundos, ricos em material orgânico, bem drenados, com pH  de ácidos a neutro (5,5 a 7,0.

– A planta inicia a frutificação no 4ª ano.

– É interessante que se plante no mínimo duas mudas, num raio de até cinqüenta metros, para que haja polinização cruzada, obtendo melhor produtividade.

Proliferação através de sementes:

– As sementes são envoltas por espinhos fibrosos macios.

– As sementes precisam de choque térmico para quebrar a dormência. (mergulhando-as em água quente a mais ou menos 65 graus C., por uns 2 minutos).

– Plantar em balainhos, com solo rico em material orgânico.

– Colocar os balainhos à meia sombra, mantendo umidade constante, sem encharcamento.

– As sementes germinarão dentro de um a dois meses.

Considerações básicas:

– A cajazeira deve ser plantada definitivamente a pleno sol, com espaçamento entre plantas de sete a dez metros.

– Adicionar ao solo da cova, vinte litros de esterco animal bem curtido.

– Irrigar abundantemente a muda imediatamente após plantada. Depois, sempre que o solo apresentar-se com falta de umidade.

Floração:

– As flores ocorrerão de novembro até janeiro.

 

Frutificação:

– Os frutos estarão prontos para o consumo entre Abril a Junho.

Utilização:

– O fruto pode ser consumido in natura, ou na forma de sucos, sorvetes, geléias, etc.

– Trata-se de um fruto rico em fibras.

Para ver um vídeo desta frutífera: CLICAR AQUI

Leia Mais

Como fazer mudas de Siriguela, Ciriguela, Seriguela ou Ciruela

Como fazer mudas de Siriguela, Ciriguela, Seriguela ou Ciruela

Nome científico – (Spondias purpúrea).

Família – Anacardiácea.

Gênero – Spondias.

Dificilmente consegue-se propagar mudas de ciriguela, através de suas sementes.

O melhor método de proliferação é através de estacas.

Podem ser utilizadas estacas dos restos da poda da planta.

– Escolha galhos médios e maduros com aproximadamente dois centímetros de diâmetro por quarenta a cinqüenta centímetros de comprimento, cortando-os, em  bisel.

– É necessário fazer pequena desfolha nos galhos selecionados para a planta não sentir, perdendo água pela transpiração folhar.

– As estacas podem ser plantadas em seus locais definitivos ou em balainhos grandes ou, latas de vinte litros, ou ainda, em baldes velhos descartados.

– Assim que começarem a emitir brotos ou folhas novas, já poderão ser levadas a campo.

A melhor época para o plantio é o período que coincide com a época das chuvas: dezembro a março.

 

A frutificação ocorre geralmente nos meses de outubro a novembro.

A colheita entre os meses de dezembro e janeiro.

A ciriguela é bem adaptada a solos pobres e com baixa pluviosidade e apresenta boa resistente ao sol

E uma árvore perene  muito produtiva,  atinge poucos metros de altura,  seus frutos de paladar agradável e único são muito apreciados, porém  sua cultura é pouco  difundida.

Para ver um vídeo dessa planta, CLICAR AQUI

Leia Mais