Como fazer mudas – pelo método da mergulhia

Como fazer mudas –  pelo método da mergulhia

Propagação de plantas por Mergulhia

A mergulhia é uma técnica de propagação vegetativa, reprodução assexuada de plantas bastante semelhante à estaquia.

O método consiste em enterrar um ramo ainda preso à planta matriz, para que o mesmo enraíze, obtendo assim uma muda com características iguais a planta mãe.

Como proceder:

Veja a figura ilustrativa:

 

 

 

 

 

 

1-      Escolher um ramo bastante flexível e que alcance o solo sem grandes dificuldades para não se quebrar.

2-      Depois do ramo selecionado, fazer um teste prático, encostando-o no solo, para se ter a ideia exata, de onde fazer o anelamento do seu caule, observando que o ponteiro do ramo terá que ficar para fora da terra.

3-       Fazer o anelamento do ramo em toda a sua circunferência, removendo de 2 a 3 centímetros a casca. O anelamento deverá ser feito exatamente no local onde o ramo ficará enterrado.

4-      Cavar um buraco no solo de uns dez centímetros de profundidade, abaixar o ramo até o solo, dentro do buraco, colocar um peso sobre o ramo, ou amarrá-lo a uma estaca, para que ele permaneça fixo no local, observar que a parte anelada  esteja bem no centro do buraco, enterrar o caule do ramo, deixando o ponteiro livre.

5-      Regar constantemente, mantendo o solo umedecido, sem encharcar, até ocorrer o enraizamento, que será perceptível ao vê-lo emitindo brotos e folhas novas.

6-       Cortar o ramo anteriormente à parte enterrada, desenterrar a muda com cuidado para não machucar o seu sistema radicular, transplantando-a em balainho adequado, observando o tamanho da muda.  O substrato deverá ser rico em material orgânico. Como se trata de uma planta ainda muito sensível, o balainho deverá ser colocado em local sombreado, mantendo o solo sempre umedecido em encharcar. (O processo de enraizamento se dará da seguinte forma: A seiva bruta sobe pelos vasos lenhosos do tronco e galhos da planta  para ser trabalhada nas folhas pelo processo da fotossíntese, ao se transformar em seiva elaborada, desce pela casca para alimentar toda a estrutura da planta, no caso do anelamento, onde o caminho do retorno foi truncado, haverá um grande depósito de seiva elaborada e o acúmulo desse suprimento na região do corte, em contato com o substrato umedecido,  com o passar do tempo, dará o início do processo de enraizamento do galho. Mesmo porque aquele ramo que está ameaçado de morte, tentará tudo para sobreviver, e uma de suas saídas é emitir raízes para conseguir sua independência. A vida anda por esses caminhos).

7-      Ao perceber que a muda no balainho, já esta pega, emitindo brotos e folhas novas, fazer a aclimatação gradativa ao sol, até que ela fique completamente pronta para ser transplantada em seu local definitivo.

Como fazer mudas – Multiplicação de plantas pelo método da Alporquia.

Como fazer mudas – Multiplicação de plantas pelo método da Alporquia.

Multiplicação de plantas por Alporquia.

– Alporquia é uma técnica de multiplicação vegetativa em plantas difíceis de enxertar, utilizada principalmente em alguns casos onde o método da estaquia não proporciona resultados satisfatórios.

– O método da Alporquia consiste em fazer a indução, para se obter o enraizamento de um ramo quando ele ainda está preso à planta matriz que se deseja multiplicar.

– Na realidade, a Alporquia é uma variação do método da mergulhia, (outra técnica de propagação vegetativa de plantas que não aceitam bem a enxertia).

Alporque em ramo de jabuticabeira.

Como proceder:

1-      Selecionar um ramo saudável, com 1 a 3 cm de diâmetro, de uma planta adulta que já esteja em processo de frutificação.  (Pois esse ramo irá levar consigo essa informação, e assim que a nova muda estiver plantada em seu local definitivo irá iniciar a sua produção no primeiro ou segundo ano de vida).

2-      Fazer um anelamento de 1 a 2 cm de largura, em toda a circunferência do ramo escolhido,  para retirada da casca. (Para o anelamento e retirada da casca usar uma lâmina afiada: faca, canivete, estilete, etc.).

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

3-      Cobrir envolvendo as proximidades da parte anelada (aproximadamente 8 centímetros para cima e para baixo, da região cortada), com um material úmido que retenha bem a água, por exemplo: sphagnum, mistura de esterco e serragem molhada, etc. Em seguida, encapsular esse  material umedecido, apertando-o junto ao ramo com plástico transparente, cujas pontas devem ficar  bem amarradas e presas junto ao caule do ramo.  (O processo de enraizamento se dará da seguinte forma: A seiva bruta sobe pelos vasos lenhosos do tronco e galhos da planta  para ser trabalhada nas folhas pelo processo da fotossíntese, ao se transformar em seiva elaborada, desce pela casca para alimentar toda a estrutura da planta, no caso do anelamento, onde o caminho do retorno foi truncado, haverá um grande depósito de seiva elaborada e o acúmulo desse suprimento na região do corte, em contato com o substrato umedecido,  com o passar do tempo, dará o início do processo de enraizamento do galho. Mesmo porque aquele ramo que está ameaçado de morte, tentará tudo para sobreviver, e uma de suas saídas é emitir raízes para conseguir sua independência. A vida anda por esses caminhos).


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

4-      Ao perceber o enraizamento satisfatório do ramo, através do plástico transparente, o galho deverá se cortado, logo abaixo onde fora colocado o substrato amarrado.

5-       Remover com cuidado apenas o plástico, devendo permanecer o substrato junto com as raízes. Como se trata de uma muda ainda em estado de fragilidade, deverá ser plantada num balainho adequado, colocá-la em local sombreado, e manter o substrato sempre umedecido, até o seu pegamento.

6-       Quando a planta apresentar-se mais robusta, com brotação e emissão de folhas novas deve ser aclimatada aos poucos ao sol, até estar em condições de ser levada para o seu local definitivo.

Vantagem:

Nos casos em que mudas são feitas através de sementes demoram até dez anos para iniciar a sua produtividade, esse método reduz significativamente esse tempo para um ou dois anos, desde que a planta que irá fornecer a nova muda, esteja em plena atividade produtiva.

Como fazer mudas – Viveiro – Produção de mudas de árvores.

Como fazer mudas – Viveiro –  Produção de mudas de árvores.

Produção de mudas de árvores nativas – Viveiro

A produção de mudas de árvores poderá ser feita de variadas formas, desde que se consiga um mínimo de sombreamento capaz de não permitir que o broto da semente ao germinar, se desidrate e morre com o calor abrasador do sol, por volta do meio dia.

Esse ambiente poderá ser conseguido em:

– Debaixo de árvores frondosas.

– Sob a proteção de ripados.

– Sob cobertura de folha de coqueiros.

– Cobertura feita com sombrites.

– Plantar árvores é tão fácil e simples. Basta apenas ter um pouquinho de dedicação.

– É só separar as sementes dos frutos que você consome, ou coletá-las ainda nas árvores que se deseja reproduzir.

– Geralmente tira-se a poupa, ou abrem-se as vagens e deixam-nas de uma a duas semanas, esparramadas sobre jornais, em locais sombreados, secos e ventilados para depois plantá-las. Exceto os casos em que se faz necessário a quebra da dormência.

– Em seguida podem ser plantadas em balainhos, geralmente com substrato rico em matéria orgânica.

– Em regra geral, as sementes devem ser enterradas com uma camada de solo não superior a sua espessura

– O substrato deve ser bem molhado logo depois de receber a semente.

– Os balainhos devem ser colocados em locais sombreados e arejados, e devem ser mantidos com o solo sempre bem umedecido sem encharcamento.

– Dependendo da semente, em uma semana já estará germinada.

Obs.

– Você pode plantar suas sementes diretamente no solo, mas o uso do balainho facilitará o transplante e o pegamento da muda em seu local definitivo, visto que suas raízes já estão fixadas no torrão de substrato.

– Veja o exemplo deste viveiro de mudas, coberto com sombrite,  que usa um tipo de embalagem de plástico rígido, reciclável, chamada tubetes. E que num pequeno espaço, produz milhares de mudas anualmente.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Viveiro de mudas de árvores nativas do centro-oeste brasileiro.

 Você não necessariamente precisará ter um viveiro igual a esse. Se o seu desejo é produzir mudas para o seu uso, basta ter um cantinho reservado em seu quintal, ou jardim, e um pouquinho de iniciativa para produzir suas espécies preferidas.

Caso você não dispõe de espaços suficientes para plantar todas as mudas que porventura produzir, presenteie seus amigos que  gostam da natureza e que tem locais específicos, adequados para elas.

Faça isso e deixe sua marca registrada na biodiversidade do nosso planeta.

A vida irá lhe agradecer e retribuir apenas por isso.

As pequenas ações somadas fortalecem as grandes iniciativas.

Para ver um vídeo mais detalhado deste viveiro de mudas clicar aqui

 

Como fazer mudas – Viveiro de mudas de árvores nativas.

Como fazer mudas – Viveiro de mudas de árvores nativas.

Grande parte da fauna selvagem, alimenta-se exclusivamente de frutos e sementes silvestres.

Se você gosta da vida, e faz questão de viver bem e em paz, provavelmente já se deu conta de que nada sobrevive sozinho,  percebeu então,  o quanto dependemos das coisas simples da natureza. Mesmo porque, já compreendeu que tudo está intimamente relacionado e interligado, e nós, os seres humanos “considerados inteligentes”, jamais poderemos sobreviver sem o suporte básico, fantástico, dessa biodiversidade que nos é oferecida diariamente, e que nem sempre a notamos.

Assim sendo, nós que já compramos essa idéia de preservação, poderemos perfeitamente dar uma mãozinha à natureza, plantando sementes de árvores frutíferas. Cada quintal, cada terreno poderá corretamente ostentar algumas espécies de plantas que produzirão frutos.

O que atrai animais e passarinhos silvestres é comida. Veja como os pássaros estão migrando para as cidades, em busca de alimento.

Plantar uma árvore é tão fácil e simples. Basta apenas ter um pouquinho de dedicação.

È só separar as sementes dos frutos que você consome e colocá-las na terra, em condições ideais de umidade e luminosidade, num solo fértil.

Para facilitar o transplante dessa muda que você pretende fazer, é necessário que ela esteja dentro de um balainho, que poderá ser feito com um saquinho de plástico, uma embalagem tretra pak, ou qualquer outra vasilha perfurada, para drenagem de água.

Veja o exemplo deste viveiro de mudas, que usa um tipo de embalagem de plástico rígido, reciclável, chamada tubetes. E que num pequeno espaço, produz milhares de mudas anualmente.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Viveiro de mudas de árvores nativas do centro-oeste brasileiro.

Você não precisa ter um viveiro como esse. Basta ter um cantinho reservado em seu quintal, ou jardim, e um pouquinho de iniciativa para produzir suas mudas.

Caso você não tenha espaços suficientes para plantar todas as mudas que porventura produzir, presenteie seus amigos que tem locais específicos, adequados para elas.

Faça isso e deixe sua marca registrada na biodiversidade do planeta.

A vida irá lhe agradecer apenas por isso.

As pequenas ações somadas, fortalecem as grandes iniciativas.

Para ver um vídeo mais detalhado deste viveiro de mudas clicar aqui

 

Como fazer mudas – Enxertia pelo método de garfagem.

Como fazer mudas – Enxertia pelo método de garfagem.

A enxertia é o método onde se juntam duas plantas da mesma família, para formar uma única planta. Realmente  é um método curioso de propagação vegetativa geralmente utilizada na obtenção de mudas de frutíferas, cada vez mais selecionadas para uma fruticultura em crescente demanda de pordutividade.

A técnica consiste basicamente em juntar os tecidos de duas plantas distintas, que de forma geral, pertencem a mesma espécie. (Exemplo: as frutas cítricas).

As exigências entre essas duas plantas denominadas de: enxerto e porta-enxerto são as seguintes: O porta-enxerto, (Base, também denominado cavalo), que irá formar o sistema radicular da planta, deverá apresentar raízes vigorosas, resistentes a doenças e nematóides. Enquanto que o enxerto, (a parte aérea, também denominada topo), que irá formar a copa, deverá apresentar-se produtiva, resistente a doenças como o cancro cítrico e a leprose dos citros.

O uso da enxertia é amplamente difundido na fruticultura, onde se aproveita a rusticidade do cavalo e o potencialidade produtiva do enxerto.

Com a enxertia é possível produzir em escala comercial mudas de: laranja, limão, ponkan, manga, uva, tomate, pêssego, entre tantas outras.

O propósito da enxertia é juntar as melhores características de duas plantas em uma só!

Como fazer uma enxertia pelo método de garfagem.

ver ilustração abaixo

 

 

 

 

 

 

A enxertia pelo método de garfagem é mais indicada em plantas de folhas caducas, aquelas que perdem as folhas no inverno como: a videira, o pessegueiro e a nectarina.

O ideal é utilizar estacas que não ultrapassem diâmetro externo de 2 cm, pois galhos muito grossos possuem pouca chance de sucesso.

Como Fazer Mudas – pelo método da estaquia (estacas)

Como Fazer Mudas – pelo método da estaquia (estacas)

A multiplicação de plantas pelo método da estaquia caracteriza-se em enterrar: galhos, ramos, folhas, de uma planta que se deseja propagar. Obtendo-se assim, novas mudas, a partir do enraizamento dessas estacas.

A estaquia é um meio de reprodução assexuada (propagação vegetativa) cujos resultados são cópias fiéis da planta mãe.  Sendo utilizada geralmente na produção de frutíferas e ornamentais, sempre utilizando-se das melhores matrizes para se obter resultados perfeitos.

A maioria das plantas podem ser propagadas pelo método da estaquia, mas, nem todos os vegetais são passivos desse tipo de reprodução. A biodiversidade é extensa, com plantas de estrutura diferenciadas e não dá para generalizar por apenas um procedimento de disseminação. Cada planta apresenta um método mais apropriado.

 A estaquia é um processo relativamente fácil.

– Cortar ramos entre 5 a 30 centímetros de comprimento, formando as estacas. (O tamanho dependerá da planta que se deseja reproduzir).

– Desfolhar a base da estaca para estimular a formação das raízes, (As raízes brotarão nas bases das folhas retiradas).

– Enterrar as estacas em substrato adequado: (húmus, terra, fibra de coco, areia etc.).

– Há casos de plantas que as raízes desenvolvem melhor em água, e a muda só passará para o solo, depois de totalmente enraizada. (um exemplo específico são as dracenas).

Tipos de estacas

Estacas de ramos semi-lenhosos, (apresentam-se tenras na ponta e firmes na base).

Utilização para plantas ornamentais, (propagação de plantas arbustivas).

– Estacas de ramos lenhosos ( apresentam-se firmes, lignificados).

Utilização para árvores frutíferas, arbustos e roseiras. Para as plantas que entram em dormência no inverno.  Recomenda-se retirar as estacas quando as plantas apresentarem-se sem as folhas, próximo ao período da rebrota.

– Estacas de folhas

Utilização principalmente nas suculentas (Plantas ornamentais). Onde as folhas serão enterradas para rebrota na sua base, conseguindo-se assim novas plantas. (Exemplo: Violetas africanas).

Em alguns casos específicos, o uso de hormônios enraizadores (em geral auxinas), ajudam a melhorar a formação de raízes nas estacas. Como exemplo: as estacas das azaleias.

Como fazer mudas de figo da índia

Como fazer mudas de figo da índia

 Nome científico: Opuntia fícus-indica

Origem: desertos do México

Considerações gerais:

O figo da índia é uma fruta exótica, pertence à família dos cactos. E como todo cacto, que para suportar ambientes inóspitos, como o clima dos desertos, transformou suas folhas em espinhos e seu tronco em grandes armazéns de água. Para tolerar longos períodos de estiagem, não perdendo líquidos no processo da fotossíntese.

Propagação:

– A propagação pode ser feita através de sementes, mas o método mais utilizado é o da estaquia das palmas.

– Na propagação por sementes o ciclo de frutificação demora em média, cinco anos para iniciar, enquanto que, por estaquia das palmas, o início da produtividade  dar-se-á por volta dos três anos.

– Por tratar-se de plantas extremamente rústicas, não haverá necessidade de adubação, nem de defensivos.

Método da estaquia:

– Coletar as estacas (palmas) maduras, após o período de frutificação.

– Enterrar as estacas no solo até a sua metade. Dê preferência à estação chuvosa para facilitar o enraizamento e a brotação.

Clima:

– A planta adapta-se perfeitamente aos climas tropicais e subtropicais secos.

– Suporta a estação fria, solos fracos e prolongadas estiagens.

– Sua produção ocorre o ano inteiro com picos entre dezembro e março.

Utilização:

– O fruto é muito apreciado para o consumo in natura.

– O fruto também poderá se transformar em sucos e geléias.

– O fruto em seu País de origem, é muito consumido como digestivo.

– No Nordeste, suas palmas são utilizadas como opção de forrageira, na alimentação do gado e outros animais domésticos, no período das grandes secas.

Propriedades medicinais:

– Fruto rico em  vitaminas A e C e cálcio.

Notas:

– Para lidar com essas plantas se faz necessário o uso de luvas de segurança,  em virtude dos espinhos quase invisíveis.

– Depois da ocorrência das floradas, o fruto leva 120 dias para amadurecer, quando a casca passa da tom verde para laranja ou, vermelha.

Como fazer mudas de Caju

Como fazer mudas de Caju

Nome científico: Anacardium occidentale L

Origem: Brasil

Propagação:

– A proliferação do cajueiro geralmente é feita através de sementes.

– O plantio poderá ser feito em viveiros (balainhos – sacos de polietileno), ou semeadura direta da castanha na cova.

– No caso de utilizar balainhos, enterrar duas castanhas a um profundidade média de 3 centímetros.

– Caso todas as sementes nasçam, fazer o desbaste, deixando apenas a planta mais vigorosa.

Plantio:

– O plantio deverá coincidir com o início da estação chuvosa, para a planta aclimatar-se mais facilmente ao novo ambiente, com mudas previamente preparadas em viveiros.

– Abrir covas de 50 x 50 x 50 centímetros, deverá ser incorporado ao solo da cova: 20 litros de esterco bovino bem curtido.

– Retirar a muda do balainho com cuidado, a fim de não danificar o sistema radicular da planta. Acomodar a muda no centro da cova.

– Para direcionar o crescimento do cajueiro, enterrar tutores de um metro de altura, junto ao seu caule, amarrando em seguida a muda à essa estaca.

– O cajueiro é muito sensível a temperaturas baixas e não tolera geada.

– O espaçamento mais utilizado entre plantas é de 10 metros.

 

Solo:

– Embora a planta adapta-se facilmente em qualquer tipo de solo, o mais adequado é o solo tipo leve.

– Solos argilosos, também poderão ser utilizados desde que o terreno tenha boa drenagem.

Clima:

– O clima ideal para a cultura do cajueiro, são as regiões onde a temperatura média é de 27 ºC

Tratos culturais:

– Poda  apenas de formação no cajueiro.

– Retirar todas as brotações laterais no caule até meio metro do solo.

– Capinas em forma de coroamento para evitar a concorrência e o sufocamento da muda pelas ervas daninhas,  limpando a área de projeção da copa.

– Aplicar cobertura morta ao redor do tronco de cada planta para manter a umidade do solo e controlar o ataque das ervas invasoras.

– Na estação seca, no primeiro ano de vida, irrigar com dez a 15 litros de água por planta, semanalmente.

Adubação:

– Fazer adubação de cobertura com 20 litros de esterco animal bem curtido, em cada planta, anualmente. Isso será suficiente para melhorar a composição orgânica do solo.

– Para aplicação de adubos químicos e corretivos de ph, será necessário fazer análise de solo.

Características Gerais:

– O cajueiro é uma planta rústica, pouco exigente e de fácil manejo e poderá ser cultivada em várias regiões do País onde apresentam clima quente e seco,

– A cultura do caju poderá ser consorciada com a apicultura, cujas abelhas colaboram para a polinização das flores do cajueiro.

– No nordeste concentra o maior volume de produção do fruto no País, principalmente nos estados do Ceará, Piauí, Rio Grande do Norte e Bahia.

– A variedade enxertada do “caju-anão”, é precoce, cuja frutificação iniciará a partir do primeiro ano.

Obs.

– O fruto verdadeiro do cajueiro é a sua castanha, que torrada gera a amêndoa rica em proteína, lipídios, gordura insaturada, fibras e vários outros nutrientes.

– O caju, a parte carnosa, é um pseudofruto, pois é apenas o pedúnculo da castanha. Pode ser consumido in natura, ou em forma de  sucos, sorvetes, doces cristalizados, compotas, licores, etc.  Rico em vitamina C, cálcio, fósforo e ferro.

Uso  medicinal:

– O caju é considerado diurético e anti-inflamatório.

Como fazer mudas de Cajá

Como fazer mudas de Cajá

Nome científico: Spondias lutea L.

Nome popular: taperebá, cajá-mirim, cajá, ou cajá verdadeiro.

Propagação:

A propagação da cajazeira é feita através de sementes, mas para acelerar o início da produção se faz necessário a enxertia.

– Mudas originadas de sementes, serão produtivas após oito anos de idade, enquanto que as mudas enxertadas, frutificarão após dois anos.

Solo:

– A planta prefere solos profundos, permeáveis, arenosos ou argilo-arenoso, com alguma umidade, embora resista a longos períodos de seca.

Clima:

– A planta não é muito exigente quanto ao clima, desenvolve-se bem na maioria das regiões brasileiras, onde apresentam clima quente, temperado-quente, úmido e sub-úmido,com  temperatura média de 25 graus.

Plantio:

– As mudas deverão ser plantadas em seus locais definitivos após atingirem altura média de 30 centímetros.

– Recomenda-se o plantio nos períodos chuvosos do ano, para que a planta tenha um bom pegamento.

Covas:

– Abrir covas com 50 x 50 x 50 centímetros.

– Adicionar, misturando bem, ao solo retirado da cova: 20 litros de esterco animal bem curtido, depois de bem homogeneizada, voltar essa mistura para o interior da cova. Esse processo deverá ser feito um mês antes de plantar a muda.

– O espaçamento mais usado é o de dez metros entre plantas.

– As mudas plantadas no período chuvoso não precisarão ser regadas, desde que esteja com suas raízes bem fixadas no torrão de terra do balainho.

Cuidados e Tratos culturais:

– A cajazeira é uma planta rústica e dificilmente terá problemas com doenças e ataques de insetos,

– Podas apenas para condução, e formação da planta.

Considerações Gerais:

– Os frutos da cajazeira têm aroma e sabor peculiares e é utilizado tanto para consumo in natura quanto para industrialização na fabricação de sorvetes, doces e compotas, etc.

– O fruto consumido in natura, é rico em vitamina C, sais minerais e outros componentes saudáveis.

– A safra que vai de meados de março até junho.

– O desenvolvimento da árvore é lento, mas pode chegar a uma altura média de 15 metros.

Como fazer mudas de Figo

Como fazer mudas de Figo

Nome Científico – Ficus carica L

Origem: Região do Mediterrâneo

Propagação:

A propagação da figueira se faz pelo método da estaquia.

– Cortar estacas de ramos maduros com trinta centímetros de comprimento, aproveitados da poda de inverno.

– As estacas não devem ser fincadas no solo, mas usadas para fazer mudas em viveiros.

– Abrem-se sulcos na terra fofa do viveiro e colocam-se as estacas com dois entrenós fora da terra, pressionando bem a terra no entrenó que ficou enterrado.

– A primeira vegetação ocorrerá no viveiro.

– No ano seguinte se transplanta a muda para seu local definitivo,  podando-a  com uma altura de 50 centímetros do solo.

– Nesse mesmo ano a figueira já inicia a sua produção.

Espaçamento:

O espaçamento mais utilizado é de: 0,50 metros entre plantas x 2,5 metros entre linhas.

Clima e solo:

– Clima: subtropical e tropical.

– Solo: Planta pouco exigente quanto ao tipo de solo, só não se adapta bem em solos encharcados e excessivamente arenosos que facilitam a propagação de nematóides.

Tratos culturais:

– A figueira é exigente quanto às invasoras, portanto necessita de coroamento com capinas periódicas.

Podas:

– A figueira tem um curto período de dormência no inverno, quando suas folhas caem, nesse período deverá ser feita a poda. Geralmente ocorre entre junho e julho.

– Frutifica de acordo com a poda ou, o ano todo.

Considerações Gerais:

– A planta deve ser formada com apenas um tronco e quando esse tronco atingir uma altura de 40 a 60 cm deverá ser retirado a gema terminal do broto único. Como resultado, ela brotará intensamente, então, escolhe-se dois ou três rebentos para formar uma copa bem aberta e ventilada, excluindo os outros brotos periodicamente.

Adubação por planta:

– Na época do plantio: Abrir as covas com 50 x 50 x 50 cm e adicionar ao solo da cova: 20kg de esterco de curral; 1Kg de fosfato natural; 150g de cloreto de potássio 500g de calcário.

– Esse procedimento deverá ser feito aproximadamente um mês antes de a cova receber a muda.

Adubação de cobertura:

– No pomar em formação: 200g de Nitrocálcio, em quatro parcelas; 40 a 60g de cada um dos nutrientes – N P2O5 e K2O – por ano de idade.

–  No pomar adulto: após a colheita: 5kg de esterco de galinha; 1kg de Superfosfato e 400g de cloreto de potássio; na vegetação: três a quatro aplicações e 400g a 500g de sulfato de amônio.